RÁDIO CRISTÃ - 24 HORAS NO AR! - Pedidos de Oração e-mail: teinho@teinho.com, WhatsApp: (75)98194-7808
   
 

ATOS – A AÇÃO DO ESPÍRITO SANTO ATRAVÉS DA IGREJA


Textos: At. 1.8 – At. 1.1-5
e-mail:teinho@teinho.com

msn:irmaoteinho@hotmail.com




OBJETIVO: Mostrar aos alunos que a igreja, apesar de suas limitações locais, quando direcionada pelo poder do Espírito Santo, testemunha, com ousadia, sobre a ressurreição de Cristo.

INTRODUÇÃO: Neste trimestre estudaremos o livro de Atos dos Apóstolos, que, na verdade, pode ser referido como Atos do Espírito Santo através dos Apóstolos, ou se, preferir, através da Igreja. A série de treze estudos abordará os seguintes temas:

1) Atos – a ação do Espírito Santo através da igreja;
2) A ascensão de Cristo e a promessa de Sua vinda;
3) O derramento do Espírito Santo no Pentecostes;
4) O poder irresistível da comunhão na igreja;
5) sinais e maravilhas na igreja;
6) A importância da disciplina na igreja;
7) Assistência social, um importante negócio;
8) Quando a igreja de Cristo é perseguida;
9) a conversão de Paulo;
10) o evangelho propaga-se entre os gentios;
11) o primeiro concílio da igreja de Cristo;
12) as viagens missionárias de Paulo;
13) Paulo testifica de Cristo em Roma.

No estudo desa semana, o primeiro, trataremos a respeito dos aspectos gerais do livro: autoria, local, data, tema, contexto, conteúdo, propósito e valor.

1. AUTORIA, LOCAL, DATA E TEMA: Atos não menciona o seu autor em lugar algum do livro, mas o autor se apresenta em algumas situações da narrativa na primeira pessoa do plural “nós” (At. 16.10-17; 20.5-15; 21.1-18; 27.1-28.16). Tradicionalmente, a autoria do livro é atribuída a Lucas, a pessoa conhecida por esse nome no Novo Testamento, o médico, amigo e companheiro de Paulo (Cl. 4.14. Fm. 24; II Tm. 4.11). Os escritores do Séc. I da igreja, dentre eles Irineu (180 d. C), cita Lucas como o autor do terceiro evangelho, que leva o seu nome, e de Atos. Essa relação é identificada nos textos bíblicos, pois Lucas, está relacionado tanto à escrita do evangelho (Lc. 1.1-4; At. 1.1,2). Não podemos precisar com exatidão o local no qual Atos dos Apóstolos foi escrito. A tradição associa Lucas a Antioquia, e há algumas possibilidades desse livro ter sido escrito naquele lugar, ainda que alguns estudiosos considerem Roma e Éfeso como lugares prováveis onde Atos teria sido composto. Pela natureza dinâmica da composição, os estudiosos defendem que Atos não teria sido escrito em ano específico, esse livro seria o resultado de um diário contínuo, terminado, ainda que não concluído, antes de 70 d. C. O tema central de Atos pode ser explicitado a partir de At. 1.8: o poder do Espírito Santo sobre a Igreja a fim de que essa possa dar testemunho do evangelho de Cristo em toda terra.

2. CONTEXTO, CONTEÚDO E PROPÓSITO: O título do livro, em grego, é praxei apostolon, e em latim, acta apostolorum, podemos, então, concluir que se trata de um documento histórico, com ênfase na igreja, e mais especificamente, nos atos e vida dos apóstolos. A ênfase do livro repousa no ministério de Paulo, que, por aquele tempo, era acusado pelos judaizantes de não ser um apóstolo legítimo (I Co. 15.8-11; Gl. 1.11). Há quem defenda que o relato de Atos, com ênfase no ministério paulino, poderia ser um documento em defesa do seu apostolado, algo que ele faz com maestria em sua Segunda Epístola aos Coríntios. O objetivo primordial de Atos, no entanto, não é retratar a vida de Paulo, o apóstolo dos gentios, mas revelar a mensagem de Jesus Cristo, a boa notícia para todas as nações, é a partir dessa perspectiva que Lucas faz seu registro histórico (Lc. 24.26). A primeira parte de Atos narra como o evangelho foi aceito inicialmente em Jerusalém, como nasceu a Igreja e como ela vivia. A segunda parte descreve o avanço do evangelho em direção a Samaria e Antioquia na Síria. Em seguida, registra as viagens missionárias de Paulo, mostrando como o evangelho de Jesus penetrou o império romano. No meio do livro, exatamente no capítulo 15, é registrada a disputa em torno da questão judaica, isto é, se os cristãos podem fazer parte do povo de Deus sem que antes se tornem judeus. Mesmo diante da adversidade no qual o livro é encerrado, Paulo preso em Roma, as palavras são esperançosas: “Pregando o reino de Deus, e ensinando com toda a liberdade as coisas pertencentes ao Senhor Jesus Cristo, sem impedimento algum” (At. 28.31).

3. O VALOR ATUAL DE ATOS: O livro de Atos é fundamental para igreja contemporânea, graças a ele podemos reconstituir, com detalhes, o desenvolvimento da carreira missionária de Paulo e saber como o evangelho se espalhou pelas cidades do império romano. Na verdade, a partir desse livro é possível estabelecer o fundamento histórico sobre os qual a igreja cristã primitiva estava alicerçada: o derramamento do Espírito Santo no dia de pentecoste, a oposição sofrida pela igreja perante as autoridades judaicas, as bases da missão entre os gentios, o martírio de Estevão e a evangelização de Filipe, as conversações de Saulo e Cornélio, a fundação da primeira igreja grega em Antioquia. Esse livro também nos serve de inspiração, pois tem sido, ao longo dos séculos, um desafio para a igreja de todos os tempos refletir a respeito dos seus primórdios, a fim de que imitar o que houve de melhor naquele tempo. É preciso, porém, certa dose de realismo ao ler Atos dos Apóstolos, não podemos fechar os olhos às falhas da igreja primitiva: rivalidades, hipocrisias, imoralidades e heresias. Mesmo assim, tais fragilidades servem também de instrução para a igreja atual a fim de que essa não se deixe conduzir por carnalidades e secularismos. Apesar da sua falhas e defeitos, a igreja de Jesus Cristo, cheia do Espírito Santo, foi capaz de testemunhar de Cristo até aos confins da terra.

CONCLUSÃO: Neste ano do Centenário da Assembléia de Deus no Brasil, teremos a grata satisfação de iniciar o ano estudando o livro de Atos dos Apóstolos. Que a igreja do Senhor tenha humildade para se deixar avaliar pelo crivo da Sagrada Escritura. Como Calvino, admitamos que Atos é um “enorme tesouro”, ou conforme afirmou o médico, pastor e pregador Martin Lloyd Jones sobre Atos: “vivei neste livro, eu vos exorto, ele é um tônico, o maior tônico que conheço no domínio do Espírito”. Que todos nós, alegres por sermos cristão, não esqueçamos de tomar o tônico do Espírito Santo. PENSE NISSO!

Deus é Fiel e Justo!

SE O MEU POVO ORAR


Textos: II Cr. 7.14 – II Cr. 7.11-18
e-mail: teinho@teinho.com
msn: irmaoteinho@hotmail.com


OBJETIVO: Despertar os alunos para perceberem a importância da oração, e mais que isso, as bênçãos espirituais dela advindas.

INTRODUÇÃO: Neste último estudo do trimestre, veremos a respeito do significado da oração para o povo de Deus. Inicialmente, meditaremos a respeito do contexto da passagem, no qual Israel é chamado a orar. Em seguida, analisaremos a importância que a oração tem para a igreja cristã. E por fim, sobre as implicações da oração para a vida do cristão.

1. SE ISRAEL ORAR: Após a dedicação do templo em Jerusalém, o Senhor apareceu a Salomão, à noite, em sonho. Nessa ocasião, Ele revelou ao monarca israelita seus projetos em relação ao futuro da nação. A palavra de Deus dirigida a Salomão tratava-se de uma resposta a sua petição. O Senhor aceita aquele local, o templo que havia sido erigido, como lugar de sacrifício e adoração (II Cr. 7.12). Quando o povo pecasse, e por causa do pecado, fosse julgado, através da falta de chuvas, de pestes que consumissem a terra, e depois o povo se arrependesse, o Senhor assim expressa: “E se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar, e orar, e buscar a minha face e se converter dos seus maus caminhos, então eu ouvirei dos céus, e perdoarei os seus pecados, e sararei a sua terra” (II Cr. 7.14). No contexto da passagem, o Senhor está dizendo a Salomão que se o povo se arrependesse dos seus maus caminhos, Ele ouviria dos céus a oração, perdoaria seus pecados e pouparia Israel dos males que lhe sobreviriam por causa da desobediência. Esse versículo precisa ser compreendido em conformidade com as promessas específicas feitas por Deus a Israel. Caso contrário, resultará em interpretações equivocadas ou aplicações forçadas à igreja. Somente podemos fazer alguma aplicação se considerarmos esse texto na totalidade do evangelho, reconhecendo:

1) A relevância do reconhecimento dos pecados da igreja;
2) As conseqüências desastrosas que o pecado pode causar;
3) A necessidade de arrependimento para que não sejamos julgados com o mundo;
4) A convicção que Deus ouvirá as orações e nos guiará na verdade. A aplicação nacional desse versículo a qualquer país (inclusive o Brasil), como fazem alguns pregadores, não tem respaldo exegético(Comentário ou dissertação para esclarecimento ou minuciosa interpretação de um texto ou de uma palavra).

2. SE A IGREJA ORAR: A igreja de Jesus Cristo necessita redescobrir o valor da oração. Se essa despertar para a importância da oração, desfrutaremos de um avivamento genuíno. Isso porque, conforme destacou o Senhor, “tudo o que ligardes na terra será ligado no céu, e tudo o que desligardes na terra será desligado no céu. Também vos digo que, se dois de vós concordarem na terra acerca de qualquer coisa que pedirem, isso lhes será feito por meu Pai, que está nos céus. Porque, onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles” (Mt. 18.18-20). Essa deva ser a motivação central da igreja para orar, experimentar a presença de Jesus em unidade no corpo de Cristo. Não importa qual seja o assunto, contanto que seja do agrado do Senhor, de acordo com Sua soberana vontade, Ele responderá a oração. Muito mais Jesus poderia fazer em Sua igreja, e através dela, bastaria que essa orasse. Infelizmente, há um busca exacerbada por bens materiais, decisões tomadas com base na política partidária ou eclesiástica e intensa competitividade entre os membros, tudo isso apaga a chama do Espírito Santo. Em Jo. 15.7, Jesus disse que “Se vós estiverdes em mim, e as minhas palavras estiverem em vós, pedireis tudo o que quiserdes, e vos será feito”. Eis a condição para que recebamos do Senhor a resposta das orações: se as Suas palavras estiverem em nós. A igreja precisa orar, mas não apenas fazer orações com base em interesses particulares, antes orar de acordo com a vontade de Deus. Quantos de nós ainda ora por um avivamento na igreja? Pelo derramamento do Espírito Santo? Para que os novos convertidos sejam batizados no Espírito Santo? Será que ainda há quem ore pelos missionários em terras longínquas? Ainda estamos dispostos a orar pelos enfermos? Se a igreja do Senhor orar, em união, por temais semelhantes a esses, faremos proezas para a glória do Senhor.

3. SE O CRISTÃO ORAR: A revolução precisa começar por cada um de nós, cada cristão, individualmente, é chamado a orar. A oração do cristão deve ser uma expressão dos sentimentos e necessidades, mas, sobretudo, impulsionada pelo Espírito Santo (Rm. 8.15,26), orando tanto em Espírito quanto com a mente (I Co. 14.15). Por isso, Paulo recomenda aos efésios para que orem em todo o tempo no Espírito (Ef. 6.18), isso quer dizer que a oração não é apenas um ato natural, um momento de meditação para encontrar-se, como pressupõem os adeptos da auto-ajuda, muito menos um meio de obter longevidade, como defende o pragmatismo moderno. Orar é desfrutar de comunhão íntima com Deus, é reconhecer, pelo Espírito Santo, que somos filhos de Deus, por meio do qual podemos chamá-lo de Pai, Aba (Rm. 8.15,16). Se o cristão orar, terá mais comunhão com o Pai, e pedirá, em nome de Jesus, para a glória dEle (Jo. 14.13). Este é um exercício de fé, não esqueçamos que “tudo quanto pedirdes em oração, crendo, recebereis” (Mt. 21.22), contanto que o pedido seja da vontade de Deus (I Jo. 5.14). A esse respeito, devamos saber que a vontade de Deus não é que sejamos ricos, que tenhamos mansões, carros importados, iates e aviões, tal como argumentam os profetas da prosperidade, mas que sejamos santos (I Ts. 4.3), que vivamos em paz e unidade (Ef. 4.3) e sejamos sábios diante dos problemas da vida (Ef. 6.19,20; Tg. 1.2). Se o crentes em JESUS orar, a sua vida será guiada pelo Espírito do Senhor, ele aspirará viver de modo mais elevado, de acordo com o padrão planejado por Deus (Hb. 11.40).
CONCLUSÃO: “Se” é uma partícula gramatical condicional, portanto, uma possibilidade. Existem inúmeras ordenanças bíblicas para que o crente em JESUS ore. Mas Deus não obriga as pessoas a orarem, Ele apenas declara: “Clama a mim, e responder-te-ei, e anunciar-te-ei coisas grandes e firmes que não sabes” (Jr 33.3). Em muitas ocasiões, Israel deixou de ver a glória de Deus porque preferiu confiar em si mesmo, ao invés de buscar o Senhor em oração. A igreja dos tempos(gente) atuais precisa aprender com o exemplo da igreja primitiva, a qual, perseverava na oração e no ministério da palavra (At. 10.5), esse, porém, é um assunto para o próximo trimestre. PENSE NISSO!

Deus é Fiel e Justo!

QUANDO O CRISTÃO NÃO ORA


Textos: Js. 9.14 – Jn.1.1-5,11,12,13
E-mail: teinho@teinho.com
Msn: irmaoteinho@hotmail.com

OBJETIVO: Despertar para os riscos da falta de oração na vida das pessoas e os resultados que essa ausência pode resultar.

INTRODUÇÃO: Orar é um mandamento bíblico, mas é também uma necessidade. Como disse certo pensador, a apostasia começa pelos joelhos. A oração é para a alma o que o oxigênio é para o corpo. A partir de tais assertivas, estudaremos, na lição desta semana, sobre o perigo de deixar de orar. A princípio, meditaremos na situação de Jonas, que, ao invés de orar, resolveu agir, sem a direção de Deus. Em seguida, mostraremos quais são alguns empecilhos à oração. Ao final, meditaremos sobre alguns motivos pelos quais as pessoas não pode deixar de orar.

1. A FALTA DE ORAÇÃO DE JONAS: A história bíblica de Jonas é um caso sui generis de experiência com Deus. Jonas, ao contrário do que se possa pensar, não orou ao Senhor porque sabia que Ele poderia responder. E, conforme sabemos, Deus o havia enviado a profetizar a necessidade de arrependimento aos ninivitas. Ao invés de cumprir a vontade do Senhor, o profeta resolveu tomar uma decisão precipitada, fugiu para não entregar a mensagem recebida de Deus. O temor de Jonas era que a população de Nínive, que oprimia os israelitas, se arrependesse, e o Senhor os poupasse, algo o profeta não desejava. Enquanto fugia, o navio no qual Jonas se encontrava foi acometido por uma violenta tempestade. Os pagãos que acompanhavam o profeta oraram ao Deus de Israel, reconhecendo o pecado de Jonas e poder de livramento do Senhor (Jn. 1.14). Enquanto isso, o profeta fujão se escondia da responsabilidade, ocultando-se em suas credenciais religiosas (Jn. 1.9). Por fim, Jonas percebe que a forma da tempestade passar é que ele, a causa de toda calamidade, seja lançado ao mar e engolido por um grande peixe (Jn. 1.12). Naquele ambiente inóspito, Jonas finalmente resolve orar ao Senhor (Jn. 2.1-9). A oração do profeta é resultante da sua necessidade, ele sabe que não pode esperar em outro que não seja o Senhor, por isso, naquele lugar solitário, pede a Deus, com fé, que o livre daquela situação (Jn. 2.4,7). Deus responde a oração de Jonas, revelando que não importa em que situação estejamos, ainda que haja indisposição para orar, Ele, mesmo assim, está apto a nos ouvir (Jn. 2.7).

2. ALGUNS EMPECILHOS À ORAÇÃO: Existem vários empecilhos à oração, isso porque o homem moderno, diante do modernismo, passou a confiar menos em Deus. Para alguns, a oração é algo desnecessário, uma atitude sem eficácia, praticada por pessoas que não têm coragem de agir. Paulo, no entanto, exorta a Timóteo que “usa a prática de súplicas, orações, intercessões, ações de graça em favor de todos os homens” (I Tm. 2.1). Podemos destacar alguns empecilhos à oração:
1) Comodismo – orar é uma atitude de renúncia, significa dizer não a si mesmo, e assumir a posição de dar glória a Deus. Muitos se cansam facilmente da oração, ficam inquietos somente em pensar em orar. Para esse, aplica-se Is. 40.29-31: “Mas os que esperam no Senhor renovam as suas forças. Faz forte ao cansado, e multiplica as forças ao que não tem nenhum vigor”;
2) Distração – existe tanto entretenimento nos dias atuais que os crentes simplesmente não conseguem se concentrar na oração. Há uma justificação considerava plausível para muitos, a de que não têm mais tempo para orar. Como o salmista, precisamos estabelecer prioridades: “eu, porém, invocarei a Deus, e o Senhor me salvará. À tarde, pela manhã e ao meio-dia farei as minhas queixas e lamentarei; e ele ouvirá a minha voz” (Sl. 55.16,17);
3) Preocupações – Jesus nos instrui a não vivermos perturbados com as vicissitudes do cotidiano, mas nós, em meio a tanta ansiedade, não conseguimos para parar para orar. Ao invés de vivermos preocupados, devemos seguir os conselhos do salmista: “confia os teus cuidados ao Senhor, e ele te susterá: jamais permitirá que o justo seja abalado (Sl. 55.22);
4) Desânimo – diante de tantas descalabros e injustiças, somos tentados a pensar que Deus não mais responde as orações. Devemos aprender com Paulo, que diz: “Em tudo somos atribulados, porém, não angustiados; perplexos, porém não desanimados” (II Co. 4.8) e com Isaias: “Dizei aos desalentados de coração: sede fortes, não temais. Eis o vosso Deus. A vingança vem, a retribuição de Deus; ele vem e vos salvará” (Is. 35.3-5).

3. MOTIVOS PARA O CRENTE ORAR: Quando as pessoas não ora, é possível que esteja enfrentando algum obstáculo: falta de comunhão com os irmãos da igreja (I Jo. 3.15), uma língua que profere maldade (Is. 59.3) e desobediência premeditada (Pv. 28.9). Mas Deus trabalha nas situações a fim de que o crente tenha motivos para orar. Às vezes passamos pela escola da aflição, e, por meio dela, somos levados a buscar ao Senhor (Sl. 102.2). Há momentos em que Ele nos deixa sem saída, e quando beiramos ao desespero, e oramos, Ele atente nossas orações (Sl. 102.17). Apesar de tudo, temos motivos para orar, pois recebemos dEle a promessa de que fará o que disse (Nm. 23.19), em Jesus Cristo (Jo. 14.13,14). Portanto, devemos nos achegar com confiança e sinceridade diante do Senhor (Hb. 10.22). Temos razões sobejas para orar, por isso, não devamos seguir o modelo daqueles que, ainda que por um momento, deixaram de orar, e optaram por agir por conta própria, ou buscarem auxílio em pessoas ou lugares inapropriados: Sara (Gn. 15.4), Josué (Js. 9.14), Saul (I Sm. 28.7,8) Davi (II Sm. 21.10), Roboão (I Rs. 12.8), Acazias (II Rs. 1.2,6), Jonas (Jn. 1.12). A oração não descarta a ação, mas essas precisam estar entrelaçadas. Há pessoas que somente oram, e nada fazem, outros muito fazem, mas não oram. Lutero costumava dizer que devemos orar como se todo trabalho dependesse exclusivamente de Deus e trabalhar como se tudo dependesse somente de nós. Aqueles que muito oraram não deixaram de fazer o que deveria, o próprio Lutero é um bom exemplo.

CONCLUSÃO: Somos tentados, todos os dias e a todos os momentos, a deixar de orar. A sensação de auto-suficiência humana nos quer fazer acreditar que podemos resolver tudo sozinhos, como fez Moisés ao ferir o egípcio, a confiar no próprio braço, mas bendito é o homem e a mulher que confia no Senhor (Jr. 17.5-7). Deixar de orar é uma atitude muito arriscada, pois as pessoas que assim procede não cresce espiritualmente (Os. 6.3), deixa de dar prioridade a atuação de Deus (Mt. 6.33), vive a partir do senso de auto-suficiência (Rm. 8.28), não dá glória a Deus em seus projetos (Pv. 3.6) e não aprende a confiar na providência divina (Sl. 118.8). PENSE NISSO!

Deus é Fiel e Justo!

A ORAÇÃO QUE CONDUZ AO PERDÃO


Texto Áureo: Sl. 51.10 – Leitura Bíblica: Sl. 51.1-13


OBJETIVO: Ensinar os alunos a terem um espírito quebrantado em oração que é um poderoso instrumento para restaurar a comunhão com Deus.

INTRODUÇÃO: O pecado é uma realidade, ainda que alguns supostos especialistas tentem negá-lo. A Bíblia está repleta de exemplos de pecadores. Os noticiários impressos e televisivos também constatam essa verdade. Mesmo assim, sabemos que Deus não é contra os pecadores, Ele é gracioso e está disposto a perdoar aqueles que se arrependem. No estudo desta semana, veremos a respeito do pecado e do perdão na Bíblia, atentaremos especificamente para o Salmo 51, e ao final, veremos como Deus lida com os pecadores que oram em arrependimento.

1. PECADO E PERDÃO NA BÍBLIA: Alguns estudiosos modernos tentam negar a realidade do pecado, extraem a responsabilidade do indivíduo, levando-a a condição social. A Bíblia, no entanto, revela o pecado tanto como uma tendência (Rm. 5.12) quando uma condição (I Jo. 1.10). Existem várias passagens na Bíblia que tratam a respeito do pecado. No Antigo Testamento, as palavras para pecado são: hatã – que significa “estar em falta perante Deus” (Gn. 20.6; Js. 7.11); e pesa – cujo significado principal é o de transgressão ou rebelião (Ex. 22.9; I Rs. 12.19; Is. 1.2; Am. 2.4-6). No Novo Testamento, pecado é hamartano, que dá ideia de “perder o foco” (Rm. 3.23). O pecado é uma condição perante Deus e que traz conseqüências (Jo. 5.14; I Co. 15.34). A Escritura revela a universalidade do pecado, isto é, todos pecaram, por isso foram distanciados de Deus, e o salário do pecado é a morte espiritual (Rm. 6.23). Perdão é aphesis em grego que, em Ef. 1.7; Cl. 1.14, está relacionado à redenção dos pecados, bem como no contexto de Mt. 26.28, por ocasião da celebração da Ceia do Senhor. Em prosseguimento a essa mensagem, os apóstolos pregaram que Jesus morreu e ressuscitou para o perdão dos pecados (At. 2.38; 5.31; 10.43; 13.38; 26.18).

2. SALMO 51, A ORAÇÃO DE UM PECADOR: O Salmo 51 foi escrito por Davi, por ocasião do seu pecado contra Deus, registrado em II Sm. 11.12. Nesse cântico, o salmista reconhece seu pecado e o apresenta perante Deus (Sl. 51.1-3). Em seguida, suplica ao Senhor que o perdoe dos seus pecados (Sl. 51. 1-2,7,9). Ele sabe que o pecado traz fardo à consciência, por isso, suplica ao Senhor que o livro daquele peso (Sl. 51. 8,12). O salmista não deseja mais pecar, por isso, pede ao Senhor que o dê graça para prosseguir (Sl. 51.10-11, 14). O pecado distancia o pecador da presença de Deus, por essa razão, Davi pede ao Senhor que permita que ele possa novamente se aproximar de Deus (Sl. 51.15). O salmista toma a decisão resoluta de mudar sua prática de vida, e isso será realizado melhorando a vida das pessoas que estão ao seu redor (Sl. 51.13) e glorificando a Deus (Sl. 51.16,17,19). Esse é um salmo de arrependimento, nele Davi abri sua alma perante Deus, reconhecendo sua condição pecaminosa. Ele implora não pela justiça de Deus, pois sabe que se essa vier não será possível escapar. Os pecados do salmista trouxeram implicações terríveis, ele destruiu a vida de um homem íntegro e da sua esposa. Davi, inicialmente, pensou que pudesse fugir dos olhos de Deus, foi assim desde o princípio, com Adão e Eva, mas a voz profética de Deus foi manifestada nas palavras de Natã. Davi chorou diante de Deus, suplicando pelo seu perdão, implorando por graça e misericórdia.

3. DEUS PERDOA OS PECADORES: Deus não se agrada do pecado, pois sendo Ele santo, pode haver conivência com o pecado. Mas o próprio Deus proveu uma saída para o pecado, pois Ele amou o mundo de tal maneira que deu Seu Filho, para que todo Aquele que nEle acredita, isto é, em Seu sacrifício vicário, não pereça em seus pecados, mas tenha a vida eterna (Jo. 3.16). Em sua Epístola aos Romanos, Paulo diz que Deus demonstra Seu amor para conosco pelo fato de ter nos amado, sendo nós ainda pecadores (Rm. 5.8). Todos pecaram, o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Jesus Cristo (Rm. 6.23). A partir do momento em que recebemos a Cristo, passamos assumir a condição de filhos, e recebemos, de Deus, o espírito de adoção, por meio do qual clamamos Aba, Pai (Rm. 8.15; Gl. 4.5). Por esse motivo, o cristão não tem mais prazer em pecar, onde abundou o pecado passa a superabundar a graça de Deus (Rm. 5.20). Isso não quer dizer que o cristão esteja isento do pecado, pois não há quem não peque, aquele que diz não pecar, faz Deus mentiroso (I Jo. 1.10), por outro lado, há algo de errado quando o cristão começa a ter prazer em pecar, pois o que é nascido de Deus não vive na prática do pecado (I Jo. 3.4-9). É nesse contexto que “se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados, e nos purificar de toda a injustiça” (I Jo. 1.9).

CONCLUSÃO: Não adianta o ser humano fugir da verdade evidente do pecado. Essa é uma realidade bíblica, atestada pela história, motivo de matérias nos jornais e vivida na experiência humana. Todos pecaram, pois não há quem não peque (I Rs. 8.46), ainda assim, há esperança para o pecador que ora em arrependimento. Como Davi, podemos orar com o coração quebrantado, apresentarmos diante do Senhor nossos pecados, e obter perdão. Pois conforme nos lembra o sábio, “o que encobre as suas transgressões nunca prosperará, mas o que as confessa e deixa, alcançará misericórdia” (Pv. 28.13). PENSE NISSO!


Deus é Fiel e Justo!