RÁDIO CRISTÃ - 24 HORAS NO AR! - Pedidos de Oração e-mail: teinho@teinho.com, WhatsApp: (75)98194-7808
   
 

A MULTIFORME SABEDORIA DE DEUS

Textos: Ef. 3.10 – Ef. 3.8-10; I Pe. 4.7-10


•INTRODUÇÃO
Os dons espirituais e ministeriais são dados à igreja com vistas à edificação dos santos. Para tanto, conforme veremos no estudo desta semana, devem ser utilizados como graça, não como merecimento. A partir desse fundamento, ninguém se colocará sobre os demais na igreja, reconhecendo que somos um, em Cristo. O alicerça do uso apropriado dos dons espirituais é o amor-agape, sem o eles não passarão de metal que soa ou címbalo que retine (I Co. 13.1).

•1. MULTIFORMIDADE DOS DONS ESPIRITUAIS E MINISTERIAIS
Os dons do Espírito são dádivas de Deus, distribuídos para a igreja como LHE apraz, com vistas à edificação do Corpo de Cristo (I Co. 12.7; 14.4,12). Há um problema quando o cristão pensa ser proprietário de determinado dom. Isso porque os dons pertencem ao corpo de Cristo, à coletividade, para a unidade dos membros (I Co. 12.14-30). Cada dom é importante quando percebido na totalidade, e se algum deles, como o de profecia, é considerado melhor, é justamente pela funcionalidade, a possibilidade de edificação de toda a igreja (I Co. 14.1).  É importante destacar que os dons são de propriedade do Espírito Santo, que distribui de acordo com as necessidades da igreja, para o que for útil (I Co. 12.11). A manifestação dos dons espirituais na igreja, em conformidade com I Co. 12-14, deve ser normatizada, a fim de evitar excessos e desordens no cultuar (I Co.14.40). Ninguém deve confundir dons espirituais com espiritualidade, isso quer dizer que uma igreja pode ser fervorosa, mas pouco espiritual, e às vezes, carnal (I Co. 3.3). A espiritualidade depende do amor-agape, que exime a igreja de carnalidades, ainda que essa seja dotada de vários carismas (I Co. 13). Em Ef. 4.11 nos deparamos com os dons ministeriais, que são diferentes dos dons espirituais de I Co. 12 e 14. Os dons ministeriais são também denominados de dons da ressurreição, ou dons de Cristo. Isso porque em Ef. 4 Paulo revela que Cristo, ao ressuscitar, deu pessoas-dons à igreja. Essas pessoas-dons atuam no ministério: apóstolos, profetas, evangelistas, pastores, mestres e doutores. Essas pessoas servem na/para igreja, a fim de que os cristãos cresçam em maturidade (Ef. 4.15,16). Ao longo do livro de Atos que não tem fim, identificamos várias manifestações desses dons, tanto os espirituais quanto os ministeriais. À luz desse livro é possível compreender a função desses dons não apenas para a igreja primitiva, mas também para a igreja dos dias atuais. Uma igreja poderosa depende do poder do Espírito Santo para cumprir sua missão na terra (At. 1.8). Esse mesmo Espírito possibilita que os cristãos sejam usados nos seguintes dons: profecia, línguas, interpretação, fé, milagres, curas, sabedoria, conhecimento e discernimento de espíritos. Cristo, o Senhor da igreja, presenteia a igreja com ministérios, pessoas que servem a igreja: apóstolos, profetas, evangelistas, pastores, mestres e doutores.

•2. A GRAÇA E SABEDORIA DE DEUS NOS DONS
A graça de Deus se há manifestado em Cristo, trazendo salvação para todos aqueles que buscam justificação em Seu sacrifício (Tt. 2.14). Ele é o Maior dom de Deus entregue à humildade, trata-se de uma demonstração do amor divino (Jo. 3.16). Paulo reconhece que Deus prova Seu amor para conosco em que Cristo morreu por nós, sendo nós ainda pecadores (Rm. 5.8). Devemos sempre dar graças a Deus pelo Seu Dom Inefável, que é o próprio Cristo, expressão da salvação de Deus, do Seu favor imerecido (II Co. 9.15). Se não merecíamos a salvação, e fomos alcançados pela graça de Deus, devemos agir de igual modo em relação aos dons a nós disponibilizados. Por causa do sacrifício de Cristo somos agora coerdeiros com os judeus das riquezas espirituais que Deus nos deu na aliança com Abraão (Gl. 3.29). O mistério de Deus nos foi revelado, nos tornamos membros de um mesmo corpo (Ef. 4.4). Cristo é o Cabeça desse corpo (Ef. 5.22), os membros são participantes uns dos outros, para o serviço (Ef. 4.10-13). Os dons disponibilizado para igreja, sejam eles espirituais ou ministeriais, fazem parte das riquezas insondáveis de Cristo (Ef. 3.8), também o que Paulo denomina de “suprema riqueza” (Ef. 2.7). Mas isso é parte de uma revelação maior, que haverá de ser manifestada na eternidade, quando receberemos as dádivas prometidas por Deus (II Co. 5.10). Devemos trabalhar para o Senhor, buscar com zelo os melhores dons (I Co. 12.31), e rogar ao Senhor da seara, para que envie obreiros para o ministério (Mt. 9.37). Aqueles que são agraciados com tais dons, ou com qualquer favor de Deus, devem agir como Paulo, assumindo que “é o menor entre os santos” (Ef. 3.8). A manifestação dos dons na igreja não deve ser motivo de orgulho, como estava acontecendo entre os coríntios, e também em algumas igrejas cristãs da atualidade. A multiforme sabedoria de Deus, que outrora esteve oculta no Senhor, tornou-se manifesta, inclusive aos anjos. Paulo diz que “os principados e potestades” tornaram-se conhecedores desse maravilhoso mistério (Ef. 3.10). Os anjos não são oniscientes, por isso a revelação da igreja, em Cristo, foi-lhes uma surpresa. Através da igreja o Senhor mostra aos anjos, e a todos os povos, sua disposição para aceitar os pecadores, independentemente da condição étnica. Coube a Paulo, o Apóstolo dos Gentios, tornar-se despenseiro dessa grande verdade (Ef. 3.9).

•3. AMOR, GRAÇA E EXPECTAÇÃO NO USO DOS DONS
Os dons espirituais e ministeriais fazem parte de uma dimensão escatológica. Devemos exercitá-los na igreja na expectação. As promessas em relação à vinda de Jesus continuam firmes (II Pe. 3; Ap. 22.20). Muitas igrejas abandonaram o ensino a respeito do retorno de Cristo, talvez porque algumas delas se tornaram por demais secularizadas. Mas não podemos esquecer a bendita esperança da igreja, o dia em que Cristo virá para arrebatar e ressuscitar aqueles que dormem (I Ts. 4.13-17). Por outro lado essa esperança não deve conduzir os cristãos à paralisia (II Ts. 3.6), muito pelo contrário, Pedro admoesta seus leitores à vigilância na oração, utilização dos dons, sobretudo que mantenham o amor (I Pe. 4.7,8). O amor-agape é o fundamento de qualquer atitude cristã, isso porque através deste é manifesto o fruto do Espírito (I Co. 13). Entre os aspectos do fruto elencados por Paulo em Gl. 5.22 o amor é o primeiro deles, mostrando que esse deve ser a base das relações cristãs. É por meio do amor que o cristão é reconhecido neste mundo, não pela manifestação dos dons espirituais (Jo. 13.34,35). Pedro cita Pv. 10.12, ao declarar que “o ódio excita contendas, mas o amor cobre todas as transgressões”. Isso quer dizer, com base em Tg. 5.20 e I Co. 13.4,7, que aqueles que amam não se alegram com o pecado dos outros. Enquanto Cristo não volta, devemos ser instrumentos de Deus para a graça, vivermos não para nós mesmos, mas para os outros. Isso implica em uma disposição para o amor, a tratar as pessoas com a mesma graça com a qual fomos agraciados. O amor-agape na igreja deve mover os cristãos à unidade, como o Senhor Jesus expressou, devemos orar para que todos sejam um (Jo. 17.21). Esse amor-agape é o vínculo da perfeição que promove a paz (Ef. 4.3; Cl. 3.14).

•CONCLUSÃO
Os dons espirituais e ministeriais, e também os títulos eclesiásticos, são favores de Deus para a igreja, com vistas à edificação do Corpo de Cristo. Esses dons são provenientes da Trindade: Pai-Filho-Espírito. A igreja deve colocar-se em posição de humildade, debaixo da autoridade Cristo, que é o Cabeça da igreja. Os dons e títulos eclesiásticos não podem ser motivo de arrogância ou prepotência,  mas de serviço em humildade, tendo Cristo como maior exemplo. Esses dons estão em uma dimensão escatológica, apontando para a manifestação de Cristo, que nos fará conhecedores das suas riquezas insondáveis. Somos gratos a Deus pelos dons espirituais, pelas pessoas-dons, e também pelos títulos eclesiásticos. Nossa maior riqueza, no entanto, é o Seu Dom Inefável: Jesus Cristo (Jo. 3.16). PENSE NISSO!

Deus é Fiel e Justo!

O DIACONATO

Textos: I Tm. 3.13 – I Tm. 3.8-13


• INTRODUÇÃO
Depois de ter estudado a função do presbítero na igreja local, nos voltaremos no estudo desta semana para o diaconato. Inicialmente mostraremos sua origem, abordando tantos aspectos linguísticos quanto culturais. Enfocaremos também o sentido amplo e estrito do termo diácono em hebraico e grego. Mostraremos a atuação dos diáconos no contexto do Novo Testamento. Ao final, abordaremos, com base em I Tm. 3.8-13, as qualificações bíblicas para a seleção dos diáconos na igreja.

• A ORIGEM DO DIACONATO
O diácono é um servo, que em hebraico é o ebed, e diz respeito à condição de qualquer pessoa diante de Deus, é nesse sentido que Israel é considerado servo de Deus (Lv. 25.55). No livro de Isaias, entre os capítulos 40 a 55, há alusões ao Servo do Senhor, relacionado à restauração de Israel e das nações. No capítulo 53 se encontra a revelação dAquele que viria a ser o Servo Sofredor: Jesus Cristo. Na verdade Jesus é o grande modelo de diácono (gr. diakonos), ou melhor, de servo. Paulo reconhece que Jesus, “sendo em forma de Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus. Mas aniquilou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens” (Fp. 2.6,7). A palavra servo nessa passagem em grego é doulos, e se refere a muito mais que um servo, talvez a tradução mais apropriada seja “escravo”. Em consonância com essa verdade, em Jo. 13.12-17 Jesus se apresenta não apenas como Mestre, mas também como o servo, ao se dispor a lavar os pés dos discípulos. Antes de chegarmos ao trono, precisamos passar pelo caminho da “toalha e da bacia”. Essa é uma mensagem importante, considerando que muitos lideres querem apenas ser servidos, contrariando o ensino de Jesus. Ele mesmo testificou que o Filho do Homem veio para servir, não para ser servido (Mc. 10.45). O diaconato é um ministério de entrega, sobretudo de renúncia pessoal. Paulo descreve sua atuação ministerial como um diaconato (II Co. 6.1-4), sendo servo de uma nova aliança (II Co. 3.6), da justificação (II Co. 11.15), de Cristo (Cl. 1.7) e de Deus (II Co. 6.4), do evangelho (Ef. 3.7) e da igreja (Cl. 1.25). Qualquer obreiro na seara do Senhor deve se considerar um diácono, de preferência um escravo, fazendo não a sua vontade, antes a dAquele que o vocacionou.

• O DIÁCONO NO NOVO TESTAMENTO
Em sentido específico, o diácono é um ofício na igreja cristã, referido por Paulo em Fp. 1.1; I Tm. 3.8,12.  A esse respeito é preciso fazer a distinção entre o uso amplo do termo diácono, englobando as mulheres, como o caso de Febe (Rm. 16.1), e o restrito, relacionado ao oficío eclesiástico (I Tm. 3.8-13). A instituição do diaconato na igreja aconteceu em virtude do crescimento, demandando atitudes para sua administração. Os helenistas da igreja argumentavam que as viúvas gregas estavam sendo preteridas da assistência social (At. 6.1). Para resolver esse importante negócio os diáconos foram escolhidos, a fim de que os apóstolos pudessem se dedicar mais à Palavra. Isso quer dizer que eles acumulavam as atribuições, faziam mais do que podiam. Ministros centralizadores acabam por arcar com as consequências da liderança insegura. Há pastores que estão sobrecarregados com tantas responsabilidades, querem suprir todas as carências da igreja sozinhos, por causa disso comprometem a integridade física e espiritual. A opção dos apóstolos para a solução desse problema na igreja foi a escolha de sete homens, a maioria deles helenistas, para cumprir essa função social. Os apóstolos não tiveram receio de partilhar a organização da igreja com os cristãos gregos. Entre esses se encontrava Estevão, um diácono que não se restringiu apenas em servir às mesas. Ele era um diácono cheio do Espírito Santo e de sabedoria (At. 6.3,10), cheio de fé (At. 6.5) e de poder (At. 6.8). Os diáconos da igreja, seguindo o exemplo de Estevão, não precisam ficar restritos ao trabalho social. Eles podem, com ousadia e intrepidez do Espírito, testemunhar do evangelho de Jesus (At. 1.8).

• QUALIFICAÇÕES PARA O DIACONATO
Como aconteceu nos tempos dos apóstolos, a função diaconal na igreja alivia bastante as atribuições dos presbíteros (pastores). Esse era um trabalho tão importante para a vida social da igreja que Paulo apresenta instruções detalhadas para a escolha desses. Na seleção dos diáconos para o serviço na igreja deveriam ser observadas as seguintes qualificações: 1) respeitável – seu caráter deveria ser digno de imitação, levando suas atribuições a sério, não podiam apenas ocupar um cargo; 2) de uma só palavra – não deveria ser dado às conversas fúteis, tratava-se de uma pessoa digna de confiança; 3) não inclinado ao vinho – naquela região era comum as pessoas se embriagarem, os diáconos deveriam fugir da bebedeira; 4) não cobiçoso – a ganância tem conduzido muitos líderes à ruina, os diáconos deveriam se distanciar dessa prática, tendo em vista que é também da sua responsabilidade arrecadar as ofertas na igreja; 5) íntegros na doutrina – precisam ser conhecedores da Palavra de Deus, atentarem para as Escrituras, e sua conduta em piedade; 6) testado e experimentado – a vida dos candidatos ao diaconato deve ser provada, quando alguém assume um cargo de liderança sem ser provado pode decepcionar toda a congregação; 7) exemplo no lar – a esposa do diácono é parte do seu ministério, sua família deve ser um exemplo de piedade, sua mulher deve contribuir com o serviço diaconal; e 8) disposição para o trabalho – o diaconato é mais do que um título eclesiástico, as pessoas que são separadas para esse trabalho devem exercê-lo na igreja, com disposição e humildade. O versículo 13, de I Tm. 3, aponta para a possibilidade do diácono ser “promovido” a presbítero, isto é, para o ofício pastoral. O mais importante é saber que o exercício zeloso do diaconato resulta no reconhecimento de Cristo, e em galardão para todos aqueles que amam a Sua vinda (II Tm. 4.8).

• CONCLUSÃO
Todos os cristãos, independentemente da condição, sejam homens ou mulheres, são chamados, em sentido amplo, para o diaconato, isto é, o serviço na igreja. Mas existem alguns que são escolhidos para essa função institucional, com vistas à organização dos trabalhos, principalmente o de ordem social. Esses devem ser selecionados a partir de critérios bíblicos, atentando para as especificações apresentadas por Paulo em I Tm. 3.8-13, a fim de esses que recebam do Senhor a recompensa. PENSE NISSO!

Deus é Fiel e Justo!

O PRESBÍTERO, BISPO E OU ANCIÃO

Textos: Tt. 1.5 – Tt. 1.5-7; I Pe. 5.1-4


•INTRODUÇÃO
Além dos ministérios de Ef. 4.11 existem algumas funções eclesiásticas, que visam a organização das igrejas cristãs, dentre elas destacamos o de presbítero. Os títulos eclesiásticos, por sua vez, são necessidades às quais as lideranças reconhecem, para a organização institucional.  No estudo desta semana mostraremos a origem do termo, seu desdobramento no Novo Testamento, e ao final, as qualificações para a escolha dos presbíteros.

•A ORIGEM DO PRESBÍTERO, BISPO OU ANCIÃO
O termo presbítero remete à palavra hebraica zaqen, com o significado de ancião, utilizada inclusive em contextos mundanos (Gn. 18.11; Js. 6.21; I Sm. 28.14; Sl. 119.100; Ec. 4.13). Os anciãos eram pessoas respeitadas, geralmente por causa da idade, por causa da experiência acumulada (Is. 65.20). Essa é uma alusão à importância que os mais idosos tinham entre os povos antigos. De tal modo que entre os judeus se lamentava a morte de um ancião, pois com ele partia a sabedoria (Lm. 2.21). Mas Deus não faz distinção de pessoas pela idade, há a promessa em Jl. 2.28, que chegaria o dia no qual o Senhor derramaria o Espírito sobre toda carne, incluindo os idosos. Em Israel o zaquen ocupava posição de liderança na comunidade (Ex. 3.16; Nm. 11.16; Dt. 5.23; I Rs. 8.1). Eles são citados nos momentos mais importantes da história daquela nação, especialmente por ocasião da renovação do pacto com Israel (Js. 24.31). A palavra grega presbyteros, no Novo Testamento, também significa ancião, e tinha relação com a liderança na sociedade judaica. O termo presbítero era bastante comum entre os líderes das igrejas de predominância judaica. Enquanto que nas igrejas de maioria gentia o título mais utilizado era o de episkopos, geralmente traduzido por bispo, que significa um supervisor. Isso porque a palavra bispo é uma junção de epi e skopos no grego, que literalmente carrega o sentido “daquele que ver de cima”, entre um grupo de pessoas. Os presbíteros, bispos ou anciãos eram as lideranças das igrejas locais nos tempos da igreja primitiva. O título de pastor, associado aos líderes da igreja, teria surgido posteriormente, adotado como ofício pelos ministérios protestantes. A opção por um modelo institucional de igreja, mesmo nos tempos da igreja primitiva, não tem uma tendência dogmática. Por isso algumas igrejas evangélicas são pastorais, presbiterianas, episcopais, entre outros.

•O PRESBÍTERO, BISPO OU ANCIÃO NO NOVO TESTAMENTO
Com base em At. 20.17,28 e Tt. 1.5,7 compreendemos que os presbíteros (gr. presbyteros) e bispos (gr. episkopos) tinham a mesma função eclesiástica. Era responsabilidade deles o governo na igreja, sem desprezar o ensinamento, requerendo que alguns desses se afadigassem na palavra e no ensino, tornando-se dignos de honorários dobrados (I Tm. 5.17). Tito fora deixado em Creta, para “por em ordem as coisas restantes”, e instituir uma liderança a fim organizar as congregações locais (Tt. 1.5-9). Para isso precisava atentar para algumas qualificações, que destacamos: 1) ter filhos cristão (v. 6) – Paulo enfatiza esse princípio ao escrever a Timóteo (I Tm. 3.5), isso mostra que a vida e o serviço cristão devem iniciar no lar, evidentemente essa orientação se aplica aos filhos que são de menores e que estão debaixo da responsabilidade do pai; 2) despenseiros de Deus (v. 7) – o presbítero não é proprietário, apenas administrador das coisas de Deus, uma espécie de mordomo (Lc. 16.1-13), não pode dizer que isso ou aquilo lhe pertence, antes reconhece que Deus é o dono de tudo, principalmente do rebanho (At. 20.28,29); 3) não pode ser arrogante – não deve ser impositivo, querer fazer sempre o que deseja, em detrimento da vontade e interesse dos demais, para tanto precisa estar aberto à avaliação, e não ter receio de críticas e sugestões; 4) não irascível (v.7) – não pode se irritar com facilidade, evidentemente existe uma possibilidade de ira, e essa não é pecado (Ef. 4.26), mas a ira não deve controlar o obreiro, nada poderá tirá-lo do centro, que é a moderação, fruto do Espírito Santo (Gl. 5.22); 5) amigo do bem (v.8) – deve se aproximar de coisas boas, principalmente de boas pessoas, não deve perder o seu tempo com coisas que o distanciem de Deus, muito menos que não edificam; 6) justo (v. 8) – justiça, nesse contexto, não diz respeito à justificação em Cristo, mas a uma justiça moral, isto é, uma direção para fazer o que é direito, não o que é errado, se distanciando de práticas escusas que não agradam a Deus, mesmo que sejam consideradas normais pela sociedade; 7) piedoso (v. 8) – alguém que vive em santidade (I Pe. 1.16), sendo, portanto, diferente dos demais, não apenas na aparência, mas principalmente na experiência com Deus, por isso deve cultivar momentos de devoção com o Senhor, para leitura da Bíblia e oração; 8) que tenha domínio de si (v.8) – uma pessoa controlada, isto é, disciplinada, prática que envolve o uso do dinheiro e do tempo, sua mente e corpo estão sob controle, sujeitando-se ao Espírito Santo, em temperança (Gl. 5.22) e 9) apegado à palavra fiel (v. 9) – Deus é verdadeiro, e não há mentira em suas palavras, por isso o presbítero deve voltar-se para a sã doutrina (I Tm. 1.10), a fim de edificar a igreja e rejeitar os falsos ensinamentos.

•AS QUALIFICAÇÕES DO PRESBÍTERO, BISPO OU ANCIÃO
Ao que tudo indica, com base em At. 14.23, os presbíteros eram nomeados para o cargo eclesiástico, talvez por eleição. Esses deveriam apresentar algumas qualificações para o exercício da função na igreja. A principal delas deveria ser uma experiência pessoal e profunda com Cristo, e identificação com as orientações apostólicas, considerando o testemunho daqueles que andaram com o Senhor (I Pe. 5.1). Fazendo assim os presbíteros seriam participantes da glória que será revelada em Cristo, testemunhada pelo próprio Pedro no monte da transfiguração (Mt. 17.1-5; II Pe. 1.15-18). O verbo “apascentai” (gr. poimanete) mostra uma alusão direta do presbítero com o pastorado. Aqueles que pastoreiam o rebanho de Deus devem fazê-lo seguindo o exemplo de Cristo, o Bom Pastor (Jo. 10.11; 21.15-17). O pastorado somente terá efeito se for desenvolvido por livre e espontânea vontade, não por obrigação, por meio da força, ninguém deve ser coagido a se tornar pastor (I Pe. 5.3). As igrejas seriam mais saudáveis se os pastores estivessem no ministério por vocação, não por interesses os mais diversos, e às vezes, meramente pessoais. Alguns deles continuam diante da igreja apenas como uma profissão, motivados tão somente pelo dinheiro que  haverão de receber. Alguns desses se tornarem dominadores da igreja, às vezes pensam que são donos dela, querem barganhar com o povo de Deus, principalmente nos períodos eleitorais. Em alguns casos essas líderes abusam espiritual do rebanho, resultando em feridas incuráveis, e o pior, em nome de Deus. Os pastores que são pastores têm uma terna preocupação com as ovelhas de Deus, eles alimentam o rebanho do Senhor, protegendo-o dos ladrões e saqueadores (At. 20.28-35). Eles também as supervisionam, acompanhado suas necessidades, não “por sórdida ganância, mas de boa vontade”. É justo que o pastor seja remunerado (I Co. 9.1; I Tm. 5.17, 18), mas esse não pode ser avarento (I T. 3.3), muito menos cobiçoso (Tt. 1.7). O pastor-presbítero deve ser um exemplo para o rebanho, somente assim alcançará a promessa de Cristo, quando Ele retornar em glória (I Pe. 1.7,8).

•CONCLUSÃO
Muitas pessoas querem ser pastor, presbítero, bispo ou ancião, mas nem todas estão dispostas a pagar o preço que esse título requer. Aqueles que trabalharem com dignidade receberão do Pastor Fiel uma coroa de glória, uma recompensa perfeita para uma herança incorruptível. Que nesses anos, marcados pela ganância, Deus levante pastores-presbíteros-bispos-anciãos comprometidos com o rebanho, e cientes do julgamento futuro do Supremo Pastor. PENSE NISSO!


Deus é Fiel e Justo!

O MINISTÉRIO DE MESTRE OU DOUTOR


Textos: Rm. 12.6,7 – Mt. 7.28,29; At. 13.1; Rm. 12.6,7; Tg. 3.1


INTRODUÇÃO - Mais um dom ministerial será estudado esta semana, desta feita o de mestre ou doutor (gr. didaskalos). Há teólogos que defendem, com bastante sentido, que o ministério de mestre está diretamente atrelado ao de pastor, tendo em vista a ausência de um artigo no grego. Em todo caso, conforme estudaremos, Deus dá para igreja pessoas para a instrução na Palavra, que são reconhecidos como mestre. Ao final do estudo destacaremos a relevância desse ministério para o amadurecimento espiritual da igreja(povo).

1. JESUS, O MESTRE DOS MESTRES - Com Nicodemos devemos reconhecer a respeito de Jesus que era “um Mestre vindo da parte de Deus” (Jo. 3.2). De modo que Jesus se tornou o maior modelo de Mestre para os cristãos da igreja. Ele se destaca dos outros mestres porque Sua doutrina vem diretamente de Deus (Jo. 7.17). Ele ensinava com autoridade tal que chamava a atenção daqueles que O ouviam, atestando que ninguém ensinava como Aquele homem (Jo. 7.46). A maneira como Jesus ensinava causava maravilha para os ouvintes, principalmente porque se distinguia da forma dos escribas, pela autoridade que demonstrava (Mt. 7.28,29). A ministração de Jesus fazia o coração dos discípulos arder, e se fundamentava nas Escrituras (Lc. 24.32, 45). Jesus fora chamado, por dezessete vezes, de “Rabi”, termo hebraico para Mestre (Mt. 23.7; Mc. 9.5; 14.65; Jo. 1.38,49; 4.31; 11.8), assim sendo, não podemos desconsiderar a relevância de Seu ministério como ensinador. O Senhor, na verdade, sempre demonstrou acreditar no ensino (Jo. 3.2), por isso, Ele mesmo chamou a si mesmo de Mestre (Jo. 13.13) e não perdia oportunidades de pregar nas sinagogas (Mt. 4.23), no templo (Jo. 8.2), nas ruas (Mc. 10.17) e nas casas (Lc. 14.1). Dentre os métodos que utilizava, destacamos: parábolas (Mc. 4.11; Mt. 13.13), declarações curtas (Mt. 10.16; 10.39; Jo. 11.25), lições experienciais (Mt. 18.1-6; Lc. 21.1-4; Mt. 4.19; Mt. 6.26,28) e perguntas (Mt. 9.5; 16.26; Mc. 8.29). Seus ensinamentos partiam, basicamente, das Escrituras (Mt. 4.1-11; Lc. 4.18; 24.27; Mt. 5.17-48; Jo. 3.14). Além do conhecimento bíblico, Jesus demonstrou também ter a capacidade de compreender o comportamento humano (Jo. 2.25; Mt. 9.4; Jo. 6.61,64). Os ensinamentos do Mestre tinham objetivos claros e definidos: 

1) formar ideais justos (Mt. 5.48); Jo. 3.1-14); 
2) firmar convicções fortes (Mt. 18.12; 22.42; Jo. 21.15-17); 
3) levar os Seus ouvintes a se relacionarem com Deus (Mt. 6.33; Mc. 12.30; Lc. 15.18); 
4) a amar o próximo (Mc. 12.31; Jo. 13.34); 
5) a preparar seus discípulos para o serviço (Mt. 4.19; 28.19-20; Mc. 3.14).

2. O DOM MINISTERIAL DE MESTRE OU DOUTOR - O mestre ou doutor (gr. didaskalos) necessariamente não é uma pessoa que obteve formação acadêmica na área do magistério, ou mesmo que concluiu uma pós-graduação em nível de doutorado, é uma dádiva de Deus para a igreja (I Co. 12.28). Evidentemente aqueles que atuam no ministério do ensino são orientados a buscarem qualificação, ou melhor, desenvolverem o ministério (Rm. 12.6,7). Sendo assim, é aconselhável que os mestres da igreja busquem conhecer melhor as Escrituras, frequentando assiduamente as escolas bíblicas e/ institutos bíblicos. Alguns deles também fazem carreira acadêmica, buscando formação institucional em universidades que têm cursos de mestrado e doutorado. O que importa é a motivação desse dom, que seja para a “edificação da igreja” (I Co. 14.12), já que Paulo reconhece a necessidade de pessoas idôneas para ensinar nas igrejas (II Tm. 2.2). O próprio apóstolo dos gentios se identifica entre aqueles que foram designados por Deus para ser mestre (I Tm. 2.7; II Tm. 1.11). Reconhecidamente Apolo foi um mestre da igreja primitiva, mas que demonstrava humildade, sentando-se entre aqueles que careciam da orientação divina (At. 18.24-26). O mestre é comparado no texto bíblico àqueles que regam as plantas, edificando na doutrina os que foram alcançados pela graça de Deus (At. 18.27; I Co. 3.6-10). Os mestres ou doutores da igreja enfrentam tentações, a principal delas é o orgulho, para evitar esse pecado, precisam ter a consciência firmada na palavra, e a convicção de que forma separados por Deus (I Co. 8.1). É nesse sentido que Tiago admoesta aqueles que querem ser mestres apenas para se colocarem sobre os demais, sem humildade e temor a Deus (Tg. 3.1) Os mestres também precisam saber que são passíveis de ensino, não devem achar que já sabem tudo. Aqueles que caem nesse pecado acabam por se distanciar do caminho de Deus, considerando que a soberba conduziu Satanás à perdição (Is. 14.12-14). Mesmo os mestres que muitos sabem, através do estudo dedicado às Escrituras, são limitados, ou seja, conhecem apenas em parte (I Co. 13.9), por isso ninguém deve gabar-se do conhecimento bíblico-teológico que detém.

3. O VALOR E A NECESSIDADE DOS MESTRES - Infelizmente há muitos cristãos que desprezam o ministério do mestre na igreja, esses geralmente seguem o caminho do fanatismo ou dos falsos ensinamentos. Os mestres exercem papel fundamental na igreja, eles dão prosseguimento ao trabalho desenvolvido pelos apóstolos e evangelistas (I Co. 12.28). Os mestres atuam na igreja a fim de prevenir contra a tentação e o pecado, eles não se cansam de ensinar as mesmas coisas, para a segurança da igreja (Fp. 3.1). O ensinamento dos mestres serve como remédio e prevenção para evitar que os cristãos sejam enganado pelo pecado, na medida em que os direciona para guardarem a palavra de Deus (Sl. 119.9,11). Os mestres também corrigem atitudes equivocadas na igreja, direcionando os cristão para a mansidão consolidada por meio da poderosa palavra de Deus (Tg. 1.21). É justamente na Palavra que o mestre fundamenta seu ensino, não em especulações filosóficas, ou teorias psicológicas, se firma “na doutrina dos apóstolos” (At. 2.42). Principalmente nos dias atuais, nos quais os cristãos estão sendo solapados pela superficialidade, carecemos de mestres para produzir convicções fortes nos cristãos, para compreenderem o mistério de Deus em Cristo (Cl. 2.2). Paulo sabia da importância desse ministério, por isso instrui Timóteo a doutrinar a igreja, evitando que essa seja conduzida pelos falsos mestres, que semeiam ensinamentos distanciados das Escrituras, apenas para alimentarem a cobiça (II Tm. 4.2,3). Os mestres exercem papel fundamental na igreja a fim de preparar os cristãos para o serviço, tendo em vista que é a Palavra de Deus que habilita o cristão para a obra do Senhor (II Tm. 3.16,17).

CONCLUSÃO - Jesus é o maior exemplo de Mestre para a igreja, na verdade Ele é o Mestre dos mestres. Se o Senhor exerceu esse ministério com propriedade, sendo reconhecido pelos seus ouvintes como Rabi, a igreja não pode desprezar a atuação daqueles que labutam no ensino. Devemos apoiar os mestres e doutores da igreja para que esses possam exercer o ministério com maestria. Eles também não podem desprezar esse dom, antes são instados a praticá-lo, esmerando-se ao fazê-lo. Mas não podem esquecer-se de ser humildes, reconhecendo que são despenseiros dos mistérios revelados de Deus, mas somente dos revelados (Dt. 29.29). PENSE NISSO!

Deus é Fiel e Justo!