RÁDIO CRISTÃ - 24 HORAS NO AR! - Pedidos de Oração e-mail: teinho@teinho.com, WhatsApp: (75)98194-7808
   
 

A INSPIRAÇÃO DIVINA E A AUTORIDADE DA BÍBLIA


                                 Texto Áureo: II Pe. 1.21 Texto Bíblico:  II Tm. 3.14-17

INTRODUÇÃO
Na aula de hoje estudaremos a respeito da Bíblia, considerando que essa é a Palavra de Deus, e como tal deve ser abordada. Inicialmente apresentaremos sua constituição, tendo em vista que sua composição não se deu no mesmo período. Em seguida, destacaremos sua importância, pois ela é a revelação escrita de Deus, e que visa transformar nossas vidas, e nos conduzir à santificação. Ao final, destacaremos sua interpretação, pois dessa depende a apropriada aplicação na vida do crente.

1. A IMPORTÂNCIA DA BÍBLIA
A palavra Bíblia é uma tradução portuguesa do grego “bíblia” que significa “”livros”, nome que, a partir do Séc. V, se começou a chamar a coleção completa de livros sagrados. A Bíblia é constituída de sessenta e seis livros diferentes, compostos por vários autores, em três línguas diferentes, hebraico, aramaico e grego, sob as mais distintas circunstâncias, por autores de diferentes classes sociais ao longo de um período de 1600 anos. Em meio a todas essas distinções, a Bíblia chama a atenção por ser um livro com tema único: a redenção do ser humano. Ela está dividida em duas partes: Antigo e Novo Testamento, a primeira, contêm trinta e nove livros, e a segunda, vinte e sete. Na Bíblia, esses escritos são chamados de: 1) escrituras (Mt. 21.42), 2) escritura (II Pe. 1.20); 3) as santas escrituras (Rm. 1.2); 4) a Lei (Jo. 12.34); 5) a lei de Moisés, os profetas e os salmos (Lc. 24.44); 6) a lei e os profetas (Mt. 5.14); e 7) velho testamento (II Co. 3.14). Há um intervalo de 400 anos entre o Antigo e o Novo Testamento. Deus, em sua soberania, poderia não ter qualquer contato com suas criaturas, contudo, Ele nos criou para o relacionamento. Diante disso, Ele decidiu, livremente, em graça, falar aos seres humanos. Em Hb. 1.1, lemos que “Havendo Deus antigamente falado muitas vezes, e de muitas maneiras, aos pais, pelos profetas, a nós falou-nos nestes últimos dias pelo Filho”. Os autores da Bíblia testemunham desse falar de Deus ao longo da história, que se deu repetitivamente e de modos distintos a diferentes pessoas. Por fim, nos falou por seu Filho, Jesus Cristo, em quem repousa a plenitude histórica da revelação divina, sendo este o “verbo que se fez carne” (Jo. 1.1). Deus, de fato, se revela aos seres humanos: 1) pela natureza (Rm. 1.18-21; Sl. 19); 2) pela providência (Rm. 8.28; At. 14.18-17); 3) pelos milagres (Jo. 2.11); e 4) atreves de Cristo (Jo. 1.14), mas é na Bíblia que confiamos por sua sobrenaturalidade e testemunho da revelação especial de Deus (I Jo. 5.9-12).

2. A INSPIRAÇÃO E INFALIBILIDADE DA BÍBLIA
A respeito do conceito de inspiração e inerrância, faz-se necessário analisar os textos de II Tm. 3.16,17 e II Pe. 1.21. Em II Tm. 3.16, Paulo diz que “Toda Escritura é inspirada por Deus” e não que “Toda Escritura, inspirada por Deus, é”, como dizem as traduções baseadas na Vulgata. Um outro aspecto que merece destaque é o termo Escritura, graphê, em grego, que fala do material como um todo (pasa), dizendo ser toda ela, theopneustos, ou seja, soprada por Deus, que seria a tradução mais literal para inspirada. Em consonância a isso, em II Pe. 1.21, Pedro afirma que “homens falaram da parte de Deus, impelidos pelo Espírito Santo”. Entendemos, então, que “homens falaram”, assim, Deus não desconsiderou suas personalidades (Rm. 10.20; I Co. 2.13; 14.37), impelidos, que em grego é pheromene, uma metáfora marítima usada para se referir a um navio levado pelo vento. No que diz respeito ao Novo Testamento, Paulo tinha consciência de que as cartas que escrevia deviam ser lidas e obedecidas (Cl. 4.16; II Ts. 3.14). Além do mais, não podemos esquecer da promessa do Espírito Santo que lembraria, ensinaria e guiaria os apóstolos a toda a verdade (Jo. 14.26; 15.26; 16.13). João, no Apocalipse, declara que aquilo que escreve é a palavra de Deus, a qual não se pode acrescentar ou subtrair (Ap. 1.1,2,11; 22.18,19). Consoante ao exposto, concluímos que a Bíblia não é resultante da mera inspiração humana, mas é, de fato, a Palavra verdadeira de Deus (Jo. 17.17), cabe a nós, portanto, ler o livro e obedecê-lo. No mais, conforme nos adverte Pedro em II Pe. 3.14-18, o problema não se encontra nas Escrituras, mas nos falsos mestres e sua compreensão errônea da Bíblia.

3. A INTERPRETAÇÃO DA BÍBLIA
A Bíblia interpreta a si mesma, essa é uma regra áurea, portanto, devemos lembrar que não podemos torcer o sentido do texto a fim de confirmar pressupostos. Uma interpretação honesta leva em conta os pontos a seguir: 1) Enquanto for possível, é necessário tomar as palavras no seu sentido usual e ordinário; 2) É absolutamente necessário tomar as palavras no sentido que indica o conjunto da frase; 3) É necessário tomar as palavras no sentido que indica o contexto, isto é, os versos que precedem e seguem o texto que se estuda; 4) É preciso considerar em consideração o desígnio ou objetivo do livro ou passagem em que ocorrem as palavras ou expressões obscuras; 5) É indispensável consultar as passagens paralelas explicando as coisas espirituais pelas espirituais (I Cor 2:13). (I Cor 2:13); 6) Um texto não pode significar aquilo que nunca poderia ter significado para seu autor ou seus leitores; 7) Sempre quando compartilhamos de circunstâncias comparáveis (isto é, situações de vida específicas semelhantes) com o âmbito do período quando foi escrita, a Palavra de Deus para nós é a mesma que Sua Palavra para eles. Devemos ter o máximo cuidado na interpretação da Bíblia, ciente que dependemos não apenas da compreensão humana, ainda que essa não deve ser desprezada, considerando que o próprio Deus deu inteligência ao ser humano, e esse deve fazer uso apropriada desta, sobretudo para a glória de Deus. A Bíblia deve ser lida com apreço, e disposição para a obediência, pois ela é autoritativa, e através dela podemos ter acesso à boa, agradável e perfeita vontade de Deus, evitando se coadunar aos princípios deste mundo tenebroso (Rm. 12.1,2). A interpretação apropriada da Bíblia deve considerar a atuação do Espírito Santo, pois as coisas de Deus são discernidas espiritualmente (I Co. 12.15).

CONCLUSÃO
As Sagradas Escrituras, tanto o Antigo quanto o Novo Testamento, são inspiradas (sopradas) por Deus. Elas são a revelação de Deus à humanidade, e nossa infalível e autorizada regra de fé e conduta (I Ts. 2.13; II Tm. 3.15,16; II Pe. 1.21). Por isso, se quisermos viver de acordo com a vontade de Deus, não podemos desprezar o estudo da Sua Palavra, pois essa, pelo poder do Espírito Santo, é suficiente para nos conduzir à santidade.

BIBLIOGRAFIA
BARBOSA, J. R. A. O Cremos da Assembleia de Deus. São Paulo: Reflexão, 2017.
SOARES, E. A razão da nossa fé. Rio de Janeiro: CPAD, 2017. 

JOSÉ, O PAI TERRENO DE JESUS – UM HOMEM DE CARÁTER

Texto Áureo Mt. 1.24  – Leitura Bíblica: Lc. Mt. 1.18-25


INTRODUÇÃO
Jesus é o Filho de Deus, mas não podemos desprezar que, na condição de totalmente homem, foi filho de José. Na aula de hoje estudaremos a respeito desse servo de Deus, que se sacrificou, a fim de preservar sua família. Inicialmente destacaremos sua biografia, com destaque para sua relação com filho e esposa. Ao final, apontaremos algumas virtudes do caráter de José que são dignas de destaque, e servem de exemplo para os cristãos da atualidade.

1. JOSÉ, O PAI DE JESUS
Existem várias pessoas nas Escrituras com o nome de José, sendo este o significado de “Deus faz prosperar”. O José ao qual nos referimos é o marido de Maria, a mãe de Jesus. Este entrou na genealogia de Jesus contribuindo para o cumprimento das profecias, que indicavam o nascimento do Messias da descendência de Davi (II Sm. 7.12,16). Conforme já estudamos anteriormente, Jesus não teve um pai biológico, considerando que Aquele foi gerado pelo Espírito Santo, no ventre de Maria (Lc. 1.35). Por esse motivo, assumimos que José foi o pai adotivo de Jesus, tendo sido aquele da descendência real de Davi (Lc. 1.27). De acordo com as tradições daquela época, Maria estava prometida para se casar com José. Mas este, ao saber que aquele se encontrava grávida, tratou logo de se afastar da moça, resguardando-a para que não viesse a ser incriminada. Essa atitude de José mostra seu caráter, sua disposição para perdoar as pessoas. Ele não teve a intenção de prejudicar Maria, ainda que as ordenanças fossem favoráveis. Isso nos ensina que, na maioria das vezes, não precisamos agir com base naquilo que está estabelecido nas leis. Podemos muito bem depender de Deus, permitindo que Ele mesmo aja em nosso favor. E foi justamente isso que aconteceu, pois ao pensar em deixar Maria em segredo, Deus lhe deu um sonho, no qual revelou que Aquele que se encontrava no ventre daquela mulher não era outro, mas o Salvador prometido a Israel, e que Ele havia sido gerado pelo Espírito Santo. É maravilhoso perceber como Deus age em nossas vidas, Ele é capaz de fazer muito mais do que pensamos (Ef. 3.20).

2. JOSÉ, UM HOMEM OBEDIENTE
José se destacou pela obediência, pois ao receber a ordem de Deus para não deixar Maria, acreditou que tudo estava acontecendo de acordo com a vontade do Senhor (Mt. 1.24). Nem sempre é fácil acreditar na Palavra que Deus dirige a nós, principalmente quando as circunstâncias não são favoráveis. O sonho que recebeu não foi mera especulação, resultado de um significado latente, mas a revelação do Senhor. Precisamos, a partir das Escrituras, atentar para a voz de Deus, pois Ele continua falando conosco. No princípio Ele falou aos pais pelos profetas, e nesses últimos tempos, tem nos falado pelo Seu Filho, Jesus Cristo (Hb. 1.1,2). Mesmo assim, não podemos descartar a manifestação profética. A doutrina escrituristica inclui o dom de profecia, que está incluída dentro dos dons de revelação. É nesse contexto que acreditamos que Deus pode se revelar através de sonhos. Mas é preciso ter cuidado para não construir uma teologia baseada exclusivamente em sonhos. Alguns deles, conforme ressalta a autor sacro, não passam do resultado de muitas preocupações (Ec. 5.3). Os sonhos devem ser confirmados pela Palavra de Deus, e mais importante, nem todo sonho pode ser considerado uma revelação. Por esse motivo, há sonhos que somente podem ser interpretados como elucubrações humanas, e necessariamente não têm significado espiritual. É preciso ter cuidado com aqueles que querem aplicar um significado para todo e qualquer tipo de sonho. Pior ainda, há aqueles que querem controlar a vida das pessoas por meio de supostos sonhos espirituais.

3. JOSÉ, UM PAI E MARIDO
Muito embora tenhamos poucas informações a respeito desse José nas Escrituras, as informações são suficientes para atestar que se tratava de um homem piedoso, e que revelou ser bom pai e marido. Nos momentos mais difíceis na vida de Maria, José esteve ao lado da sua esposa, ajudando-a tanto no período da gravidez quando do nascimento de Jesus (Lc. 2.4-7). Os maridos devem aprender com o exemplo de José, e a partir das orientações de Paulo, a se sacrificarem por suas esposas (Ef. 5.25). Nos dias atuais, muitos casamentos estão fundamentados apenas em interesses particulares, alguns deles são pautados pela influencia midiática. Há maridos que casam com mulheres jovens, mas começam a descartá-las quando o tempo passa. E mais, substituem o termo “amor” por um sentimento aventureiro, que nada tem a ver com o ágape bíblico. O amor-agape é muito mais do que um sentimento, é uma decisão que se toma para a vida, uma disposição a viver e se sacrificar pelo outro. Além de ser um marido exemplar, José também nos deixa um legado em relação à criação de filhos. Ao que tudo indica, este e sua esposa Maria, se responsabilizaram pelo ensino da Palavra de Deus aos filhos. Essa era uma atribuição que não poderia ser esquecida pelos pais, a orientação bíblica deveria ser diária (Dt. 11.18-21). O evangelista destaca que todos os anos os pais de Jesus iam a Jerusalém, à festa da Páscoa, indo Jesus com eles (Lc. 2.41,42). As Escrituras são enfáticas ao destacar que devemos ensinar os filhos no caminho que devem andar, para que esses não venham a se desviar dele no futuro (Pv. 22.6). Evidentemente, no contexto do livro de Provérbios, não se trata de uma promessa, mas de uma orientação prática para a vida.

CONCLUSÃO
A vida de José, o pai adotivo de Jesus, aponta um modelo de caráter que deve ser imitado. Ele, como um piedoso homem de Deus, estava aberto à revelação do Senhor, e se dispôs a obedecer Sua vontade. Nessa disposição, se prontificou ao sacrifício, a fim de preservar a reputação de Maria, sua futura esposa. E mais que isso, ao saber que Jesus era o Salvador, tomou as diligências necessárias para que esse fosse preservado, e também para que crescesse no conhecimento da Palavra do Senhor.

BIBLIOGRAFIA
DURHAM, F. Joseph: the carpenter from Nazareth. Bloomingtom: Westbow Press, 2015.
LIMA, E. R. de. O caráter do cristão. Rio de Janeiro: CPAD, 2017.