A SALVAÇÃO E O ADVENTO DO SALVADOR


        
Texto Áureo Jo. 1.14  – Leitura Bíblica  Lc.2.1-7; Jo. 1.1-14



INTRODUÇÃO
Na aula de hoje estudaremos sobre o nascimento de Jesus, destacaremos que o milagre da encarnação foi singular, e trouxe implicações diretas para a vida dos cristãos. Inicialmente meditaremos a respeito do nascimento propriamente dito, e o contexto no qual ocorreu. Em seguida, nos voltaremos para aqueles que testemunharam essa ocorrência, notadamente os anjos e pastores. Ao final, faremos uma interpretação teológica, do significado desse episódio para história da humanidade.

1. O NASCIMENTO
Cesar Augusto era o governante da Palestina, talvez como político pensasse que estava no controle das situações. Mas Deus, em Sua soberania, estava regendo todas as coisas, usando inclusive o imperador para levar Maria e José até Belém, uma pequena cidade da Judeia que distava cerca de 130 quilômetros de Nazaré. Aquele casal, após receber a revelação do anjo, aprendeu a depender da orientação divina. Maria declarou: “que se cumpra em mim conforme a tua palavra” (Lc. 1.38). O anjo Gabriel foi enviado a Nazaré, onde moravam José e Maria, sendo ela ainda noiva daquele. O anjo anunciou a Maria que ela teria um filho, sem que tivesse relações sexuais, quando descesse sobre ela o Espírito Santo (Lc. 1.35). O nascimento de Jesus, por conseguinte, foi sobrenatural. Nossas vidas, assim como a de Maria, devem estar nas mãos de Deus, nada deve nos dissuadir da fé (Hb. 11.1,6). Não podemos esquecer que Deus está no comando da história, portanto, não temos motivos para temer o futuro. Ele é o Deus dos impossíveis, aquilo que o homem não pode fazer, o Senhor é capaz, pelo Seu poder. Quando Jesus estava para nascer, não houve lugar nos alojamentos de Belém. Restou um estábulo, no qual se encontrava uma manjedoura, que Lhe serviu de berço. Aquele objeto era uma espécie de cocho para os animais (Lc. 2.7-16), naquele pequeno recipiente se encontra o próprio Deus. Em Belém, cujo nome em hebraico significa “casa de pão”, nasceu aquele que é o “Pão da vida” (Jo. 6.35). Nele encontramos a plenitude da divindade (Cl. 2.9).  Em Cristo, o Verbo se fez carne, e habitou no meio de nós, cheio de graça e de verdade (Jo. 1.1,14), esvaziando-se, e assumindo a condição de servo (Fp. 2.7).

2. ANJOS E PASTORES
Quando Jesus nasceu os anjos se maravilharam, por isso Paulo se referiu a esse acontecimento ressaltado a grandeza do mistério da piedade (I Tm. 3.16). A mensagem chegou primeiramente aos pobres, um grupo de pastores desconhecidos, que se encontrava no campo. O evangelho alcança prioritariamente os pobres, aqueles que são considerados escória da sociedade (Lc. 1.51-53; I Co. 1.26-29). Esses pastores testemunharam a glória do evento, o cumprimento da revelação angelical: “Eis aqui vos trago boa-nova de grande alegria, que o será para todo o povo”. Essa declaração nos mostra que a salvação é para todos, que se trata de uma notícia de paz, que nos traz grande alegria. Conforme declarou o filósofo Epiteto, “o imperador pode fazer cessar a guerra, dando paz a terra e aos mares, mas não é capaz de fazer cessar a paixão, aflição e inveja. Não é capaz de dar a paz ao coração, pela qual o homem anseia mais do que qualquer outra paz interior”. Jesus é o Príncipe da paz (Is. 9.6), Ele prometeu nos dá a paz que o mundo não conhece (Jo. 14.27), essa paz é produzida em nós pelo Espírito (Fp. 4.7). O evangelho de Jesus Cristo, ainda que alguns religiosos queiram transformá-lo em más notícias, é uma mensagem alvissareira, que deve nos fazer saltitar de alegria. Os pastores foram impactados pela boa-nova, o espanto da visitação de Deus aos homens deve sempre ser motivo de espanto. Como declarou certo pregador, após a nave espacial Apolo 11 pousar o solo lunar, “o maior acontecimento de todos os tempos não foi o homem ter pisado na lua, mas Deus ter pisado na terra em Cristo Jesus”. Devemos, assim como fizeram os pastores ao encontrar a criança, adorá-Lo, em gratidão pela sua graça maravilhosa (Lc. 2.13,14).

3. O SIGNIFICADO
Jesus nasceu sob a lei, obedecendo a seus preceitos (Gl. 4.1-7), de modo que Ele não veio para abolir, mas para cumprir a lei (Mt. 5.17,18).  Por isso fez-se necessário que Ele fosse circuncidado ao oitavo dia, mostrando Sua ligação com o pacto abraaonico (Gn. 17). O nome da criança traz um significado profundo “Yahweh é a salvação” (Mt. 1.21). Jesus não foi apenas um iniciador religioso, muito menos um líder revolucionário. A vinda de Jesus a terra é a manifestação do próprio Deus, que se fez gente a fim de salvar a humanidade do pecado (Lc. 2.10). Os antigos aguardavam ansiosamente a vinda do Messias prometido. Simeão e Ana representam essa expectação, que se cumpriu em Cristo (Lc. 2.29). Simeão, em sua idade avançada, identificou Jesus como “a consolação de Israel”. Ele somente pode fazê-lo porque estava em consonância com a Palavra de Deus. Somente os que se firmam nas Escrituras podem testemunhar o cumprimento das promessas divinas. A morte e a ressurreição de Jesus trariam dores para Maria, mas através desses eventos, o mundo seria salvo do pecado (I Tm. 2.5,6). Ana, uma mulher cujo nome significava graça, também de idade avançada, foi uma das 43 mulheres citadas no evangelho segundo Lucas. Ela se encontrava no templo, uma pobre viúva que colocava sua esperança em Deus. Aquela mulher idosa foi usada pelo Senhor para transmitir a mensagem salvadora do Senhor. As vidas de Simeão e Ana mostram o significado que os idosos têm no reino de Deus, ninguém despreze as pessoas idosas por causa da sua idade avançada. Devemos fazer coro às palavras do salmista: “na velhice ainda darão frutos, serão viçosos e florescentes” (Sl. 92.14).

CONCLUSÃO
O nascimento de Jesus foi um evento singular, com significado especial para todos aqueles que creem. Ele foi desprezado até mesmo em Seu nascimento, mas aprouve a Deus revelá-Lo aos pobres, aqueles que se consideravam indignos. Ainda hoje, todos aqueles que se dobram diante dessa mensagem, jubilam com a declaração angelical, reconhecendo que essa é uma boa notícia, que enche nossas almas de paz, e que nos traz grande alegria. O verbo se fez carne, e habitou no meio de nós (Jo. 1.1), por isso temos convicção de que Deus é conosco, verdadeiramente o Emanuel.

BIBLIOGRAFIA
GREEN, J. The theology of the gospel of Luke. Cambridge: CUP, 1995.
WEIRSBE, W. Be compassionate (Luke 1-13). Colorado Springs: David Cook, 1988.

A SALVAÇÃO NA PASCOA JUDAICA


Texto Áureo: Ex. 6.6 – Leitura Bíblica: Ex. 12.21-29

INTRODUÇÃO
A morte visitou o Egito e em uma noite de pavor todos os filhos e animais primogênitos morreram (Ex. 11.6; 12.30). Mas a morte não alcançou os hebreus, eles foram preservados pelo Senhor. Na aula de hoje, estudaremos a respeito desse grandioso livramento de Deus, que demarcou a celebração da Páscoa para os hebreus. Ao final, destacaremos que Cristo, o Salvador, tornou-se a Páscoa para os cristãos, e que através do memorial da Ceia do Senhor, celebramos Sua morte e ressurreição.

1. A PÁSCOA ISRAELITA E OS EGIPCIOS
A décima praga foi a mais terrível de todas para os egípcios, pois em virtude do endurecimento do coração de Faraó, os mensageiros da morte visitaram a terra, e como diz o salmista, “lançou contra eles o furor da sua ira: coleta, indignação e calamidade, legião de anjos portadores de males (Sl. 78.49). Moisés inicialmente ouviu a Palavra de Deus, e foi ao palácio a fim de entregar a mensagem profética do Senhor (Ex. 10.24-29). Como profeta de Yahweh, revelou a Faraó que ele pagaria um preço por ter causado tantos danos ao povo de Deus. Todos os primogênitos do Egito seriam mortos, isso porque para aquela cultura os primogênitos eram considerados sagrados, até mesmo entre os hebreus (Ex. 4.22; Jr. 31.9; Os. 11.1). Ademais, não podemos deixar de destacar que outro Faraó quis exterminar os filhos dos hebreus, por isso, o Deus de Israel estava, através dessa praga, vingando a morte dos filhos do Seu povo (Ex. 4.22,23). Muito embora sejamos ensinados a não buscar vingança (Mt. 7.1,2), sabemos, no entanto, que Deus, ao Seu tempo, julgará aqueles que se opõem e perseguem os que servem a Ele, tendo em vista que o homem ceifará o que plantar (Gl. 6.7). A fim de preservar seus primogênitos, os hebreus celebraram sua Páscoa, através da morte de um cordeiro, sendo o seu sangue colocado na verga e nos umbrais das portas das casas onde viviam as famílias israelitas (Ex. 12.6-13;21-14). Essa atitude apontava para o derramamento do sangue do Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo (Jo. 3.14-17), pois sem Ele não haveria remissão de pecados (Hb. 9.22). Jesus foi nosso substituto, tendo morrido pelos nossos pecados, tomando o castigo a nós destinado (Is. 53.4-6; I Pe. 2.24). Quando o anjo da morte passou para ceifar a vida dos primogênitos, não tocou nos filhos dos hebreus, ao verem o sangue nos umbrais (Ex. 12.13). De igual modo, todos aqueles que creem em Cristo como Salvador estão livres da morte eterna (Jo. 3.16; I Jo. 2.2).

2. OS PROCEDIMENTOS PARA A CELEBRAÇÃO DA PÁSCOA
A palavra páscoa quer dizer passagem em hebraico, em alusão à passagem da morte que passaria pelas casas, ceifando as vidas dos primogênitos. Aos hebreus, para escaparam de tal juízo, cabiam observar os procedimentos dados por Deus. Eles mergulhavam os ramos de uma planta denominada hissopo na bacia com o sangue do cordeiro e o colocava nas vergas e umbrais das portas (Ex. 12.22). Em seguida, essa mesma planta era usada para aspergir o sangue que confirmava a aliança de Deus com o Seu povo (Ex. 24.1-8). O cordeiro havia sido assado e comido às pressas, o povo deveria estar pronto para partir logo que fosse dado um sinal (Ex. 12.8,11,46). A refeição consistia do cordeiro assado, pães asmos e ervas amargas, antecipando, assim, o sacrifício vicário de Cristo. O pão era sem fermento porque não havia tempo para que esse crescesse (Ex. 12.39), além de ser este um símbolo de impureza para os hebreus. A Palavra de Deus associa o fermento com o pecado, bem como com os falsos ensinamentos (Mt. 16.6-12; Gl. 5.1-9) e a hipocrisia (Lc. 12.1). A igreja do Senhor não pode se envolver com práticas pecaminosas, antes deve viver em santidade, sem se deixar contaminar com o fermento do mundo (I Co. 5.6-8). Outro procedimento foi usado, qualquer carne que sobrasse da festa deveria ser queimada, aquele cordeiro era especial, não deveria ser tratado como uma alimentação normal. Aquela refeição foi preparada para a família (Ex. 12.3,4), isso mostra que Deus atenta para a proteção dos lares. A igreja, como um todo, é uma família, que se une para lembrar a morte e ressurreição do Cordeiro de Deus (Ef. 2.21; 3.15;4.16).  O caráter memorial da páscoa israelita (Ex. 12.14-43) fora retomado pela fé cristã, a fim de celebrar o sacrifício de Cristo, na cruz do calvário (Mt. 26.26; I Co. 11.23-25). A páscoa israelita era celebrada em nome do Senhor, recordando o cumprimento das Suas promessas (Ex. 11.1-8; 12.31-36). Na noite da Páscoa se cumpriram as promessas dadas por Deus a Abraão, muitos séculos antes (Gn. 15.13,14). De fato, “nem uma só palavra falhou de todas as suas boas promessas, feitas por intermédio de Moisés, seu servo” (I Rs. 8.56). As promessas de Deus não falham, por isso estamos certos que passarão céus e terra, mas Suas palavras não haverão de passar (Lc. 21.33).

3. CRISTO, A NOSSA PÁSCOA
Paulo identifica Cristo como a nossa páscoa, isso porque Jesus é o Cordeiro que foi imolado pelos nossos pecados (I Co. 5.7; Rm. 5.8,9). As igrejas locais se reúnem para celebrar a Ceia do Senhor. A Santa Ceia é um memorial, a fim de que, entre muitas atribuições eclesiásticas, não nos esqueçamos do principal, do sacrifício de Cristo na cruz (I Co. 11.23-25). Por ocasião da Ceia, utilizamos, simbolicamente, o pão que representa o corpo de Cristo (I Pe. 2.22-24), e o vinho, o sangue derramado do Senhor (Mc. 14.24). Esses elementos são simbólicos por isso não podem ser confundidos com o próprio corpo e sangue de Jesus (Jo. 6.35; 10.9), trata-se, portanto, de uma linguagem figurada. Essa deve ser uma observância continua para a igreja, ainda que não seja demarcada a frequência em que deve ocorrer (Lc. 22.14-20). A igreja cristã, desde o primeiro século, atentou para a prática do partir do pão (At. 2.42; 20.7; I Co. 11.26). É importante que a igreja mantenha a reverência por ocasião da celebração da Ceia, esse era um problema grave em Corinto, pois muitos membros da igreja não a levavam a sério (I Co. 11.29,30). Esse deve ser um momento solene, sobretudo de reflexão, a fim de demonstrar nossa identificação com o Cristo que por nós entregou Sua vida. Para evitar distorções no ato da celebração da Ceia, recomendamos: 1) sinceridade na apreciação (Lc. 22.17-19), não se trata apenas de alimentação, mas de percepção do valor do sacrifício de Cristo; e 2) autoexame para não nos tornarmos culpados e participantes daqueles que crucificaram o Senhor (I Co. 11.27). Ninguém se torna, por si mesmo, apto para a Ceia, é o sangue de Jesus, que nos torna aptos para tal. Não ceamos por causa dos nossos méritos, pois se assim fosse, ninguém poderia se aproximar da mesa (Ef. 2.8,9). Mas é preciso demonstrar contrição, reconhecimento do pecado, sobretudo arrependimento (I Jo. 1.9). A Ceia do Senhor é também um momento de irmandade, pois ao partir o pão demonstramos que somos um em Cristo (I Co. 10.16,17).

CONCLUSÃO
Os hebreus, diante da ameaça de Faraó, foram libertados pelo Senhor, com mão forte e braço estendido (Sl. 89.13). A percepção daquele ato libertador fez com que os hebreus, ao longo da sua história, celebrassem a páscoa. Os cristãos também têm motivos para celebrar, através da Ceia, a libertação que nos foi dada através de Cristo Jesus. Quando assim fazemos, apontamos não apenas para o passado, em relação ao que Ele fez, também nos identificamos no presente com Ele, e demonstramos expectação em relação ao futuro, quando com Ele cearemos na eternidade (Mt. 26.29).

BIBLIOGRAFIA
HAMILTON, V. P. Exodus: an exegetical commentary. Grand Rapids: Baker Academics, 2011.
WEIRSBE, W. W. Exodus: be delivered. Colorado Springs: David Cook, 2010. 

A PROMESSA DA SALVAÇÃO


Texto Áureo: Gn. 3.15 – Leitura Bíblica: Gn. 3.9-15



INTRODUÇÃO
Neste trimestre, estudaremos a Soteriologia – doutrina da salvação, com enfoque na pessoa de Cristo, sendo Este: o Caminho, a Verdade e a Vida (Jo. 14.6). Na aula de hoje, trataremos a respeito da promessa da salvação, o denominado, protoevangelho, que se encontra em Gn. 3.15. Inicialmente definiremos salvação, e na segunda parte da lição, nos voltaremos para o texto bíblia que narra a queda de Adão e Eva, bem como a providência de Deus para a salvação da humanidade.

1. SALVAÇÃO, DEFININDO O CONCEITO
No Novo Testamento, o substantivo soteria está estreitamente relacionado à vinda do Messias. Jesus foi convidado a ir à casa de um cobrador de impostos corrupto, cujo nome era Zaqueu. Este, depois de ouvir a mensagem do Mestre, arrependeu-se dos seus pecados. Como resultado, a soteria de Deus entrou naquela casa (Lc. 19.9). A mensagem da soteria encontra maior destaque nos escritos neotestamentários de Paulo e do autor da Epístola aos Hebreus. Ao escrever aos Efésios, o Apóstolo dos Gentios afirma que os crentes daquela cidade, após terem ouvido a palavra da verdade, foram alcançados pela soteria (Ef. 1.13; 2.5,8). Em sua Epístola aos Filipenses, instrui os crentes a desenvolveram a salvação, com temor e tremor (Fp. 2.12). Isso quer dizer que aqueles que foram alcançados pela soteria de Deus, não por meio das obras, mas pela fé (Ef. 2.8,9), devem viver como pessoas salvas (Hb. 6.9). Mas a salvação tanto tem um aspecto passado quanto futuro, está na dimensão do “já” e do “ainda não”. Ela está fundamentada na salvação providenciada por Cristo, na cruz do calvário (Lc. 2.30; 19.9; I Ts. 5.9; II Tm. 2.10; 3.15; Hb. 2.3; 9.28; I Pe. 1.10). A soteria ainda não se completou, pois aguardamos ainda a glorificação, da qual estamos cada vez mais próximos (I Ts. 5.9; Hb. 1.14). A soteria providenciada por Deus é motivo de júbilo e celebração. O livro de Apocalipse está repleto de cânticos que glorificam o Senhor por Sua salvação (Ap. 7.10; 12.10; 19.1). Mas a ekklesia não deve apenas celebrar a salvação de Deus, é sua responsabilidade proclamá-la ao mundo (At. 13.47; 28.28). Não podemos esquecer que a soteria de Deus é o próprio Cristo, pois Ele é o Yeshua, o Salvador, Aquele que morreu na cruz do calvário, e que ressuscitou ao terceiro dia, para que todo aquele que nEle crer, tenha a vida eterna (Jo. 3.16).

2. A QUEDA DE ADÃO E EVA: CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS
Satanás é real, não é um conceito abstrato, nem mesmo uma invenção dos religiosos. Ele é comparado a uma serpente em II Co. 11.3, e assim se apresenta no Jardim do Eden, através do disfarce de uma serpente. Ele é um imitador, não por acaso Paulo destaca que se faz passar por anjo de luz (II Co. 1.31). Precisamos estar atentos aos ardis do Inimigo, pois ainda hoje se apresenta como imitador, e se disfarça de modo a não percebermos suas armadilhas. Seus seguidores tentam apresentar uma falta justiça, diferente daquela providenciada por Deus (Rm. 9.30), e tem seus falsos mestres, que ensinam doutrinas contrárias à palavra de Deus (II Co. 11.13-16). Ele costuma questionar a Escritura, ou então usá-la em benefício próprio, subvertendo seus princípios (Gn. 2.15-17; II Co. 11.3). Deus estabeleceu uma restrição para o primeiro casal no Eden, esses poderiam comer livremente de qualquer fruto, mas não daquele da arvora proibida. Satanás interpreta a Palavra de Deus de maneira equivocada, ao acrescentar que “nem tocareis nele”, a própria Eva também inseriu elementos na mensagem que não foram ditas pelo Senhor, resultando em desconfiança naquilo que o Senhor falou. Devemos ter cuidado para que, influenciados por Satanás, não venhamos interpretar equivocadamente as Escrituras. Ele é o pai da mentira (Jo. 8.44), não podemos fazer concessão quando a Palavra de Deus, pois é nosso pavês e escudo (Sl. 91.4; Ef. 5.16). O resultado de se distanciar da orientação divina é sempre trágico, a desobediência de Adão e Eva resultaram na Queda da humanidade (Rm. 5.12-21; I Co. 15.22). Mas também somos responsáveis pelos nossos pecados, como Adão e Eva também podemos nos deixar seduzir pela concupiscência (Gn. 3.6; I Jo. 2.16). O desejo de ser como Deus tem conduzido a humanidade à destruição, isso pode ser percebido na própria vergonha pela qual Adão e Eva tiveram, quando perceberam que estavam despidos (Gn. 2.25; Rm. 2.12-16). O pecado traz consequências, e uma delas certamente é o medo, a culpa que distancia o ser humano de Deus (Gn. 3.10). Na tentativa de fugir do pecado, ou mesmo da sua realidade, como fizeram Adão e Eva, a humanidade busca subterfúgios, tentado vestir-se pela autojustiça (Gn. 3.21). Ao invés de reconhecerem o pecado, eles transferiram a culpa, deixando de assumir a necessidade de salvação. O resultado foi o castigo divino, para a mulher que passaria a dar à luz com dores (Gn. 3.16) e o homem que sofria diariamente com a labuta do seu trabalho (Gn. 3.17-19).

3. PROTOEVANGELHO: A PROMESSA DA SALVAÇÃO
Mas nem tudo está perdido, pois a uma promessa de salvação para a humanidade, um animal foi morto, para que Adão e Eva fossem vestidos, essa ação divina antecipava a morte do Cordeiro de Deus, desde a fundação do mundo (Ap. 13.8). Na cruz do calvário Jesus morreu pelos pecadores (II Co. 5.21). O salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus (Rm. 3.12; 6.23). Essa mensagem foi antecipada pelo próprio Deus, o chamado protoevangelho, que se encontra em Gn. 3.15. Deus anunciou no Edén: “E porei inimizade entre ti e a mulher e entre a tua semente e a sua semente; esta te ferirá a cabeça e tu lhe ferirás o calcanhar”. Na cruz do calvário Jesus pisou na cabeça da serpente, de modo que hoje temos pleno acesso ao trono da graça de Deus. Em Gn. 3.14,15, aprendemos que o salvador prometido era a Semente da mulher- Deus que se fez homem (Jo. 1.1,14); essa semente feriu a cabeça da serpente – conquistou o pecado, ao levar sobre Si a nossa culpa; e a serpente feriu o calcanhar do Salvador, portanto, Deus experimentou a morte eterna em nosso lugar. Por causa dEle, agora temos salvação do poder do pecado e do poder das trevas (Cl. 1.13), experimentamos a redenção (I Pe. 1.18,19), vivemos segundo o Espírito (Rm. 8.1), passamos pelo novo nascimento (Jo. 3.5) e participaremos da manifestação de Cristo em glória (Cl. 3.4). Por esse motivo, podemos afirmar, já no tempo presente, que fomos salvas na justificação e regeneração (passado), estamos sendo salvos (santificação) e seremos salvos (glorificação). Jesus é a garantia que temos de que nEle as promessas de Deus serão cumpridas em nós.

CONCLUSÃO
A promessa da salvação se cumpriu em Cristo, ao se entregar pelos nossos pecados na cruz do calvário. Isso revela a gravidade do pecado, não apenas o de Adão, mas também os nossos. Ele conduz a humanidade para a morte, o distanciamento eterno do Criador, ao isolamento (Rm. 3.23). Todavia, a salvação prometida no Edén foi concretizada no calvário (Jo. 3.16), de modo que podemos ter a convicção, pela graça por meio da fé (Ef. 2.8,9), que desfrutamos da salvação e vida eterna providenciada por Deus.

BIBLIOGRAFIA
VOS, H. Genesis: Chicago: Moody Publishers, 1999.
WEIRSBE, W. W. Be Basic: Genesis. Colorado Springs: David C. Cook, 2010.

SOBRE A FAMÍLIA E SUA NATUREZA


Texto Áureo: Gn. 2.24 – Leitura Bíblica: Gn. 2.18-24

INTRODUÇÃO
Diferentes modelos de família são apresentados à sociedade, principalmente na mídia, como alternativas. Mas, de acordo com a Bíblia, a Palavra de Deus, existe apenas um padrão bíblico para o casamento. Na lição de hoje, mostraremos, a princípio, que a Bíblia, a Palavra de Deus, determina como deve ser o casamento, ainda que as culturas modernas, e pós-modernas, queiram impor seus modelos antibíblicos. Ao final, destacaremos o modelo bíblico para a família, e mais especificamente, para o casamento cristão.

1. DEUS, A BASE DA FAMÍLIA
A sociedade ocidental, e mais especificamente os cristãos, estão diante do desafio de apresentarem uma definição do que seja família e casamento. Isso porque o padrão de família normal, em conformidade com a Bíblia, está sendo cada vez mais questionada. A visão judaico-cristã de família, exarada nas Escrituras, está sendo substituída por valores pautados nos direitos humanos. A família cristã, no entanto, parte do pressuposto que a família é uma instituição divina, por conseguinte, Ele, e não os homens, devem determinar a partir de quais princípios a família deve ser estabelecida. A ideologia libertária, que predomina na sociedade, e respaldada pela mídia, propõe um conceito de família que supervaloriza a liberdade humana em detrimento da vontade de Deus. Não existe outro modelo bíblico, e mais especificamente cristão, para a família e o casamento, diferente daquele revelado por Deus. A partir de Gn. 1-3, compreendemos que: 1) o homem e a mulher foram criados à imagem de Deus para governar a terra para Deus; 2) o homem foi criado primeiro e incumbido da responsabilidade final pelo relacionamento conjugal, enquanto a mulher é colocada junto ao homem para ser sua ajudadora; e 3) a queda da humanidade no pecado implicou em consequências negativas tanto para o homem quanto para a mulher. Ao longo do tempo, a família se constituiu, dentro dos parâmetros bíblicos, a partir de um paradigma patriarcal, ou seja, o pai, no Antigo Pacto, era o senhor da família, de cunho heterossexual, isto é, macho e fêmea, e monogâmico, um homem para uma mulher, e vice-versa.

2. FAMÍLIA, PRINCÍPIO RELACIONAL PARA O CRESCIMENTO
O Deus da Bíblia é trinitário, portanto, relacional: Pai, Filho e Espírito Santo, no Gênesis, Ele é revelado como o Elohim. Essa premissa fundamenta o relacionamento conjugal, para a mutualidade (Gn. 1.26,27). Esse relacionamento tem a ver com distinção e unidade, isto é, pessoas diferentes estão envolvidas em uma unidade. Assim como o Deus estabeleceu uma aliança com Seu povo, o casamento, e a própria família, é uma aliança entre pessoas, com vistas ao crescimento. Mas não existe crescimento sem envolvimento das partes envolvidas, essa é uma premissa. Não existe possibilidade de construção da família, a menos que todos se sintam participantes e responsáveis por ela. O crescimento familiar pode ser interrompido caso um dos componentes da aliança deixe de contribuir. Os pontos fundamentais para o crescimento é o ciclo de amor, graça, empoderamento e intimidade. Isso porque o casamento, como todo relacionamento, é dinâmico, e envolve mudanças. Se o casamento e a família não estiverem preparadas para enfrentar os ciclos de mudanças, correm o risco de se desintegrarem. Quando as mudanças chegarem, caso não sejam bem resolvidas, tudo resultará em um mero contrato, ao invés de aliança (pacto), estará fundamentado na lei (legalismo) e não na graça (favor imerecido), será mantido pelo poder possessivo e não pelo empoderamento, e pela distância ao invés da proximidade. Não podemos esquecer que o Deus da Bíblia deseja se relacionar com a humanidade e espera que as pessoas também se relacionem. Estamos cientes dos desafios porque temos a convicção de que somos pessoas caídas, por isso falhamos, não apenas no relacionamento com Deus, mas também com outras pessoas. Mas temos Cristo como modelo de relacionamento, e o Espírito Santo que nos guia a fim de que possamos crescer em graça nos relacionamentos, inclusive os familiares.

3. FUNDAMENTOS PARA A FAMÍLIA CRISTÃ
A aliança que fundamenta a família é o amor, a convicção de amar e ser amado, cuja expressão maior é o próprio amor de Deus (Jo. 3.16). A primeira aliança de Deus com a humanidade se encontra em Gn. 6.18, na qual Deus faz um pacto com Noé, e por extensão, a toda sua família. Em seguida, Deus faz um pacto com Abrão, e nele, todas as famílias da terra recebam a promessa de bênçãos (Gn. 17.1-2). A aliança de Deus com o Seu povo é o fundamento do casamento e da família cristã, que está sustentado no amor, tendo em vista que o próprio Deus é amor (I Jo. 4.10-16). Por isso a vida familiar deve se pautar pela mutualidade, disposição entre os cônjuges, e também dos filhos, para o amor-agape, que envolve sacrifício (I Co. 13). Outro fundamento para a família cristã é a graça, para perdoar e ser perdoado, esse princípio se encontra já no Antigo Pacto (Ex. 22.25-27), por isso se espera que o ambiente familiar seja pautado na graça, não em mero legalismo. O amor de Deus, manifestado em Sua graça maravilhosa, é a base para o amor e o perdão no casamento (Rm. 10.4). O autoritarismo, ou melhor, o poder possessivo, não é o sustentáculo da família cristã. O contexto familiar precisa ser um ambiente de empoderamento. As pessoas que fazem parte dessa aliança têm como propósito servirem e serem servidas. Não há como uma família subsistir, a não ser que essa seja um espaço de vida abundante (Jo. 10.10). Não podemos esquecer que o Verbo, Jesus, se fez carne, e habitou entre nós, por conseguinte, a família deve ser encarnacional, com espírito de serviço, de diaconia (Jo. 1.1,14). O fruto do Espírito, listado por Paulo em Gl. 5.22,23 deve ser o alimento principal da família cristã, é a partir dele que o crescimento se concretiza (I Co. 8.1). A proximidade, em amor, é o padrão para a família cristã, desde os tempos antigos (Gn. 2.25), é ela que afasta o medo (I Jo. 4.18,19).

4. O MODELO BÍBLICO DE FAMÍLIA 
O princípio fundamental do casamento bíblico é o de que Deus, e não os homens, o ordenou, portanto o casamento não é uma opção, mas uma orientação divina. A primeira cerimônia de casamento foi realizada pelo próprio Deus no Jardim do Éden (Gn. 1.28), tornado homem e mulher, uma só carne (Gn. 2.24). A união do primeiro homem e mulher no Éden reafirma o modelo bíblico para o casamento: monogâmico, heterossexual e indissolúvel. A natureza pecaminosa, carnal, impulsionou os primeiros homens à bigamia e poligamia (Gn. 4.18; 5.25), que resultou em invejas e intrigas (I Sm. 1.4-8). Os patriarcas, que optaram pela poligamia, pagaram um custo alto pela decisão (Gn. 29.21-23; 28-31; 30.1-10), bem como os reis de Israel (I Rs. 11.4.7-9). No Novo Testamento, tanto Jesus quanto Paulo foram contundentes  quanto à proibição da poligamia (Mt. 19.3-6; I Co. 7.1,2), não permitindo que essa fosse uma prática comuns entre os cristãos, especialmente entre aqueles que atuam no ministério pastoral (I Tm. 3.2,12). A heterossexualidade é outro aspecto do casamento cristão, já que Deus criou “macho e fêmea” (Gn. 1.26; 2.24). Na religião judaica, o homossexualismo deveria ser punido com a morte, sendo este considerado uma abominação aos olhos de Deus (Lv. 18.22). Não há brecha para a prática homossexual no contexto cristão, sendo essa reprovada pelo apóstolo Paulo (Rm. 1.26). Mas isso não deve ser motivo para homofobia, não podemos esquecer que Jesus ama a todos, inclusive aos homossexuais, por isso, devemos orar por eles, e conduzi-los à verdade, que é Cristo. Não podemos esquecer que todos pecaram (Rm. 3.23), não apenas os homossexuais, e que o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna (Rm. 6.23). O casamento cristão deve ser indissolúvel, portanto, não separe o homem o que Deus ajuntou (Mt. 19.6). Leis e mais leis estão sendo criadas pelas autoridade a fim de favorecer o divórcio, mas os cristãos seguem o princípio bíblico para o casamento, por isso, independentemente das leis humanos, optam por obedecer antes a Deus do que aos homens (At. 5.29).

CONCLUSÃO
Vivemos em uma cultura pós-moderna, e pós-cristã, que nega o Absoluto, e defende o relativismo. Diante desse contexto, nós, os cristãos, precisamos nos fundamentar na doutrina bíblica. No que tange ao casamento, o modelo bíblico é o monogâmico, heterossexual e indissolúvel. Não podemos, enquanto cristãos comprometidos com a Palavra, fazer concessões. Os modelos humanistas, que estão sendo admitidos na sociedade contemporânea, têm fundamentação na filosofia, não na Bíblia Sagrada, a Palavra de Deus.

BIBLIOGRAFIA
BARBOSA, J. R. A. O Cremos da Assembleia de Deus. São Paulo: Reflexão, 2017.
SOARES, E. A razão da nossa fé. Rio de Janeiro: CPAD, 2017. 

O MUNDO VINDOURO


                                 Texto Áureo: Ap. 21.1 – Texto Bíblico Básico: Ap. 21.1-5


INTRODUÇÃO
Estamos nos encaminhando para o final deste trimestre, e nesta penúltima aula, estudaremos a respeito dos novos céus e nova terra. A princípio destacaremos a beleza e singularidade do céu. Em seguida, nos voltaremos propriamente para os novos céus e a nova terra. Ao final, reconhecendo as limitações humanas, e as poucas informações bíblicas a respeito do céu, tentaremos descrevê-lo, destacando, sobretudo, que esse será um lugar no que Deus estará presente. Mas antes desse novo céu e nova terra, haverá um julgamento, não o das obras dos crentes, mas o das obras do descrentes, para a condenação, trata-se do Juízo Final.

1. DEPOIS DA MORTE, SEGUE-SE A JUIZO
Em Hb. 9.27 está escrito que depois da morte segue-se a juízo. O julgamento final é uma doutrina bíblica, exarada em várias passagens das Escrituras, tanto do Antigo quanto do Novo Testamento. O texto de Ap. 20.11-15 descreve como acontecerá o Juízo Final, que acontecerá ao final do reino Milenial de Cristo. Esse julgamento não deve ser confundido com o Tribunal de Cristo (II Co. 5.10), que acontecerá logo após o arrebatamento, e será exclusivo para Igreja, para recompensa das obras realizadas pelos crentes. De acordo com Ap. 20.11-15 acontecerá após o Milênio um julgamento severo sobre aqueles que desprezaram a mensagem do Senhor Jesus. Nessa passagem é descrito um “grande” trono “branco”. Grande porque Aquele que está assentado sobre ele é Grandioso (Ap. 20.4), bem como da importância que esse irá ocupar no cenário escatológico. Ele será branco porque Aquele que está assentado sobre ele é puro, trata-se um Juiz perfeito, que evoca a equidade. O texto não menciona o nome dAquele que estará sentado sobre o Trono, mas podemos inferir que se trata de Cristo com base em Jo. 5.22, considerando que “o Pai a ninguém julga, mas deu ao Filho todo o juízo”. Paulo reforça essa doutrina ao se referir ao “dia em que Deus há de julgar os segredos dos homens por Jesus Cristo” (Rm. 2.16).

2. VÁRIOS LIVROS SE ABRIRÃO
Durante o julgamento vários livros se abrirão, a fim de explicitar os pensamentos e atos daqueles que agiram impiamente. Salomão antecipa esse momento em Eclesiastes, afirmando que “Deus há de trazer a juízo toda obra e até tudo o que está encoberto, quer seja bom, quer seja mau” (Ec. 12.14). Em relação ao Juízo Final, o autor da Epístola aos Hebreus destaca que “toda transgressão e desobediência deve receber a justa retribuição” (Hb. 2.2). Isso nos faz acreditar que haverá níveis diferenciados de tormento no inferno, essa concepção pode ser reforçada em Mt. 11.21-24. Jesus explicou que aquele que escuta Sua mensagem e a rejeita está sujeito a maior condenação. Os condenados no Juízo Final serão lançados no Lago de Fogo, que é um castigo preparado para Satanás e seus anjos, bem como para todos aqueles que recusaram o Senhor Jesus (Mt. 25.41,46). O Juiz, por sua vez, estará assentado sobre o Trono e dará o veredito final com base nos livros, nos quais estarão registrados os atos de todos os réus. Eles serão condenados pelas suas próprias obras, pois essas são abomináveis aos olhos de Deus (Rm. 8.8). Eles desprezaram o Mediador, o Único entre Deus e os homens (I Tm. 2.5), sendo condenados por seus atos (Mt. 16.27). Há um livro que se encontra no singular, trata-se do Livro da Vida, que traz o nome daqueles que salvos por Deus, a esses nenhuma condenação há (Rm. 8.1).

3. AQUELES QUE SERÃO JULGADOS
O juízo Final não será para a salvação, aqueles que se apresentarem perante o Trono receberão o veredito de condenados, e serão lançados no Lago do Fogo. O texto de Ap. 20 diz que se apresentarão “os mortos, grandes e pequenos”, todas as pessoas que viveram ao longo de todos os tempos, e das diferentes condições socioeconômicas. Essa doutrina precisa ser divulgada em meio a essa sociedade corrupta. As pessoas devem ser alertadas quanto ao Dia em que comparecerão, perante o Supremo Juiz, para se apresentarem perante Ele. Os príncipes deste mundo, que agem apenas para destruir as pessoas, receberão a justa paga no Juízo Final. Todos aqueles que morreram, e que desconheceram a Cristo, ou agiram contrários a vontade dEle, ressuscitarão para a vergonha eterna (Dn. 12.2). Por enquanto a alma dos ímpios se encontra no Hades, para onde seguem aqueles que morreram sem Cristo, e que ressuscitarão para o Juízo Final. Esses não poderão corromper o Justo Juiz, que com sabedoria e equidade, declarará sua sentença sobre todas as camadas sociais, e pessoas das mais diferentes posições políticas. Na presença de Jesus fugirão a terra e a atmosfera, Pedro descreve que “os céus passarão com grande estrondo, e os elementos, ardendo, se desfarão, e a terra e as obras que nela há se queimarão” (II Pe. 3.10). Por esse tempo toda corrupção será dissipada, pois na presença de um Deus Santo não há lugar para o engano.

4. O CÉU É UM LINDO LUGAR
As Escrituras dizem muito pouco a respeito do céu, mas o suficiente para anelar esse lugar, para o qual o Senhor nos levará (Jo. 14.1). Antes de tratar a respeito dos céus – shamaim em hebraico – e ouranos – em grego, os diferenciamos dos outros tipos de céus. Existe o céu atmosférico, que faz alusão à imensidão do espaço (Dt. 11.11,17; 28.12,24; Js. 10.11; Sl. 18.13; 147.8; Pv. 23.5; Zc. 6.5; Is. 55.9-11). Há também o céu que é o firmamento dos céus (Gn. 1.14; 15.5; Ex. 20.4). Ainda o céu que é a morada de Deus (Mt. 10.32,33; Sl. 33.13,14; Is. 63.15; Mt. 5.16,45; 6.1,9). A morada de Deus é reconhecida pelos estudiosos como o terceiro céu, mencionado por Paulo em II Co. 12.2. Essa é a pátria superior, de acordo com a descrição do autor da Epístola aos Hebreus (Hb. 11.13-16). Existem especulações em relação à quantidade de céus existentes, para alguns são sete céus. Essa é uma especulação teológica, fundamentada em crenças judaicas, sem qualquer fundamento bíblico. Há ainda uma discussão entre os estudiosos se as descrições de João no Apocalipse são literais ou figuradas. Acreditamos que a beleza da Cidade Celestial vai além daquilo que o texto expressa, considerando que o olho não viu e o ouvido não ouviu, e não subiram ao coração do homem, são as que Deus preparou para os que O amam (I Co. 2.9). O que sabemos a respeito do céu, mesmo com a revelação poética do Apocalipse, é como um espelho, que não condiz totalmente à realidade (I Co. 13.12).

5. NOVOS CÉUS, NOVA TERRA
Depois do Juízo Final, após o Milênio, acontecerá uma destruição da Jerusalém terrenal (Mt. 24.34; II Pe. 3.10), que dará lugar a uma nova cidade, descrita nos capítulos 21 e 22 de Apocalipse. Essa Nova Jerusalém será Cidade Eterna, essa foi a cidade que Jesus prometeu preparar (Jo. 13.2,3). Pedro explicou que depois da destruição da cidade terrena (II Pe. 3.10), descerá  dos céus um novo céu e nova terra (Ap. 21.1-3). Esse será um ambiente favorável à adoração, sendo essa a principal atividade no céu (Ap. 19.1-8). A adoração no céu acontecerá porque esse será um lugar de comunhão e relacionamento com Deus (Ap. 21.3). Ali haverá um muro com doze portas, sendo cada porta uma pérola, e a praça de outro puro, como vidro transparente (Ap.21.21). O muro será de jaspe, por se tratar de uma cidade de ouro puro, semelhante a vidro puro (Ap. 21.18,21). O mais importante, nela não haverá templo, pois o templo é o Senhor, Deus Todo-Poderoso, e o Cordeiro (Ap. 21.22). É confortador saber que nessa Cidade também não haverá mais tristeza, pois Deus limpará dos olhos lágrima, e não haverá mais morte, nem pranto, nem clamor, nem dor, porque já as primeiras coisas são passadas (Ap. 21.16,17). Os crentes estarão em corpos glorificados, semelhantes ao corpo ressuscitado de Cristo (I Jo. 3.2). A esse respeito Paulo esclarece que nosso corpo de humilhação será transformado, para ser igual ao corpo da sua glória, segundo a eficácia do poder que ele tem de até subordinar a si todas as coisas (Fp. 3.21).

6. COMO SERÁ O NOVO CÉU
O Céu é a habitação de Deus (Sl. 103.19), dos anjos (Dn. 7.10; Is. 6.1-6), e dos crentes (Fp. 3.20). É maravilhoso saber que encontraremos lá alguém que muito nos amou, e se entregou pelos nossos pecados (At. 1.9-11). Uma análise honesta das Escrituras nos mostrará que pouco sabemos a respeito dos Céus, mas, em linhas gerais,  afirmamos, com base em Mc.13.27, ali Cristo reunirá os eleitos. Em Fp.2.10 está escrito que Cristo receberá honra no céu, e em Jo.17.24 nos é dado a saber que Sua glória será manifestada. A manifestação do Reino de Deus, o lugar em que Deus estará no trono (Ap.4.1-3), por isso o céu será um lugar de recompensa para aqueles que venceram em Cristo (Ap.2.7;3.21); que também estará cheio da presença e da glória de Deus (Ap.4.11;21.1-10). Por fim, esse será um lugar de louvor e adoração a Deus (Ap.19.1-7). O que nos é dito nessas passagens é suficiente para que desenvolvamos um relacionamento amoroso com o Deus do céu. É importante fazer esse destaque porque, infelizmente, muitos adoram apenas o céu de Deus, mas esquecem do Deus do céu. Falam do céu, cantam o céu, almejam o céu, mas não vivem para Cristo, não buscam a Cristo, não amam a Cristo. Sem Cristo, o céu não passa de um lugar sem luz. A beleza do texto bíblico nos motiva a aguardar com expectativa por esse lugar. Isso porque, conforme afirma o autor do Apocalipse: “a cidade não necessita de sol nem de lua, para que nela resplandeçam, porque a glória de Deus a tem iluminado, e o Cordeiro é a sua lâmpada” (Ap. 21.23).

CONCLUSÃO
A Nova Jerusalém é a Cidade Perfeita (Hb. 12.22), que vem de cima (Gl. 4.26), que desce de Deus (Ap. 21.2,10). Vivemos na cidade dos homens, que pode se tornar um lugar aprazível, na medida em que contribuímos para sua melhoria. Mas estamos certo que somente desfrutaremos de bem-estar quando descer dos Céus a Cidade de Deus, enfim estará construído o tabernáculo de Deus com os homens (Ap. 21.3), que será um Templo tanto físico (Ap. 21.12-21), quando espiritual (Ap. 21.22).

BIBLIOGRAFIA
BARBOSA, J. R. A. O Cremos da Assembleia de Deus. São Paulo: Reflexão, 2017.
SOARES, E. A razão da nossa fé. Rio de Janeiro: CPAD, 2017. 

A SEGUNDA VINDA DE CRISTO

Texto Áureo: Mt. 24.27 – Texto Bíblico Básico: I Ts. 4.13-18; Lc. 21.25-27

 

INTRODUÇÃO
A doutrina bíblica aponta para a realização de um arrebatamento pré-tribulacional, isto é, que antes do período de sete anos, comumente conhecido como Tribulação, todos os membros do corpo de Cristo (vivos e mortos) serão tomados para se encontrarem com Cristo, nos ares, sendo, posteriormente, levados para o céu. A passagem mais específica sobre esse evento se encontra em I Ts. 4.13-18, os textos evangélicos, em especial o sermão profético de Jesus, em Mt. 24 e Lc. 21, fazem alusão à vinda de Cristo em glória, para estabelecer Seu reino milenial.

1. DEFININDO ARREBATAMENTO
Na passagem de I Ts. 4.13-18, Paulo informa seus leitores de que os crentes que estiverem vivos por ocasião do arrebatamento serão reunidos aos que morreram em Crsito antes deles. A palavra arrebatados, no versículo 17, é harpazo em grego e significa, literalmente, “dominar por meio da força” ou “capturar”. Essa palavra é usada 14 vezes no Novo Testamento grego, tendo, em contextos diferenciados, com significados distintos (Mt. 12.29; Jo. 10.12; Jo. 6.15; 10.28-29; At. 23.10; Jd. 23; At. 8.39; II Co. 12.2,4; Ap. 12.5). Além do termo harpazo, o NT usa outros termos para se referir ao arrebatamento: episynagoge (reunião – II Ts. 2.1); allatto (mudar – I Co. 15.51-52); paralambado (levar – Jo. 14.3); epifanéia (manifestação – Tt. 2.13); rhuomai (atrair para si – I Ts. 1.10); apocalypsis (revelação – I Pe. 1.13) e parousia (presença – Tg. 5.7-8). Em suma, com base nas referências citadas, o arrebatamento será um acontecimento iniciado por Cristo, que virá até às nuvens, onde reunirá os crentes para Ele mesmo, tanto aqueles que estiverem vivos, os quais serão transformados, quanto os que morreram em Cristo, os quais serão ressuscitados.

2. A DISTINÇÃO ENTRE O ARREBATAMENTO E A VINDA DE CRISTO
O arrebatamento é apresentado no Novo Testamento como um “translado” (I Co. 15.51-52; I Ts. 4.15-17), no qual Cristo virá para a sua Igreja. A vinda de Cristo, propriamente dita, com seus santos, descendo do céu, acontecerá por ocasião do estabelecimento do reino milenial (Zc. 14.4-5; Mt. 24.27-31). Paulo trata do arrebatamento como um “mistério” (I Co. 15.51-54), isto é, uma verdade não revelada até seu desvendamento pelos apóstolos (Cl. 1.26), sendo, assim, um evento em separado, já a segunda Vinda de Cristo, foi predita no Antigo Testamento (Dn. 12.1-3), justamente por ter uma relação maior com Israel. Depois do arrebatamento, haverá um período de aflição, denominado de Grande Tribulação, será um tempo de angústias incomuns para Israel, cuja duração específica será de três anos e meio (Dn. 9.27). Costuma-se fazer a distinção entre a Tribulação da Grande Tribulação, cada uma durará três anos e meios, perfazendo os sete anos totais. No livro do Apocalipse, a Grande Tribulação vai dos capítulos 6 ao 19. A respeito da Tribulação (ou Grande Tribulação) veja as seguintes passagens: Mt. 24.21; Ap. 7.14; Dn. 7.25; Ap. 13.5-8; Mt. 21.21,23; Dt. 4.30; Jr. 25.29-39.

3. A IMANÊNCIA DO ARREBATAMENTO
No Novo Testamento, o ensino é o de que Cristo pode voltar a qualquer momento e arrebatar a sua igreja, sem sinais ou advertências prévias. É isso que significa imanência, um acontecimento que pode acontecer sem aviso prévio (I Co. 1.7; 16.22; Fp. 3.20; 4.5; I Ts. 1.10; 4.15-18; I Ts. 5.6; I Tm. 6.14; Tt. 2.13; Hb. 9.28; Tg. 5.7-9; I Pe. 1.13; Jd. 21; Ap. 3.11; 22.7,12,20; 22.17,20). Todas essas passagens mostram que não haverá sinais específicos antes do arrebatamento da igreja. Os sinais de Mt. 24 não são para a igreja, mas para os santos da Tribulação, e, como bem sabemos, nenhuma passagem da Tribulação se refere à igreja, mas à Israel (Dt. 4.29,30; Jr. 30.4-11; Dn. 8.24-27; 12.1,2). Se existe algum sinal para a igreja, que precede ao arrebatamento, esses se encontram em I Tm. 4.1 e II Tm. 3.1.

4. A VINDA DE CRISTO EM GLÓRIA
A manifestação (gr. epiphaneia) de Jesus para reinar durante o Milênio é um dos mais importantes eventos escatológicos, previsto em várias passagens das Escrituras, especialmente no Antigo estamento. Vários Salmos e muitos textos proféticos aludem a manifestação gloriosa de Cristo, quando virá para vencer as hostes de Satanás. O capítulo 19 de Apocalipse descreve detalhadamente o que acontecerá por ocasião da vinda de Jesus em glória. Antes da Vinda de Jesus em glória, alguns sinais evidenciarão a proximidade desse evento. O principal sinal para a volta de Cristo para estabelecer Seu reino será o arrebatamento da igreja (I Ts. 4.13-18). Contudo, no contexto da religiosidade judaica, Jesus elencou uma série de sinais em Mt. 24 e Lc. 21, em Seu sermão profético, quanto àqueles dias. Esse será um tempo de guerras e conflitos, nações se levantarão umas contra as outras, e reinos contra reinos (Lc. 21.10); haverá catástrofes naturais, muito mais intensas que o Tsunami asiático. No mundo religioso, se levantarão falsos cristos, pessoas que serão apresentadas como o Salvador, e que enganarão a muitos, inclusive os judeus (Mt. 24.5). O anticristo, juntamente com o falso profeta, farão conchavos, para perseguir aqueles que professarem o nome de Cristo (Ap. 13.1-10). Além de terremotos, fomes e pestilências em vários lugares (Lc. 21.11). A diminuição do amor, em razão da multiplicação do pecado (Mt. 24.12), tornando as pessoas cada vez mais insensíveis. O evangelho do Reino, não o da salvação em Cristo, será pregado no mundo inteiro (Mt. 24.14), isso quer dizer que pessoas serão convertidas durante a Tribulação. Durante esse período a Igreja não estará mais na terra, pois terá sido transladada, para se encontrar com o Senhor Jesus nos ares (I Ts. 4.13-18). Na terra predominará o caos, em todas as esferas humanas, tanto na política, quanto na econômica. A natureza será diretamente afetada, isso pode ser identificado ao longo do relato joanino, no livro do Apocalipse. Jesus se referiu a esse período como “o princípio de dores” (Mt. 24.7,8), destacando, assim, que não será ainda o final de todas as coisas.

CONCLUSÃO
A Igreja é instruída a amar a volta de Cristo, como uma noiva que aguarda o seu amado para o casamento (I Pe. 1.8). Não para sermos salvos, mas porque somos salvos, devemos aguarda esse acontecimento buscando uma vida pura a fim de agradar aquele que nos salvou (I Jo. 3.2-3; II Pe. 3.11-15). Enquanto esse momento não chega, não precisamos ficar ansiosos, mas trabalharmos na seara no Senhor, sem desperdiçar oportunidades para levar outros a confiarem em Cristo (II Pe. 3.8,9,14,15).

BIBLIOGRAFIA
BARBOSA, J. R. A. O Cremos da Assembleia de Deus. São Paulo: Reflexão, 2017.
SOARES, E. A razão da nossa fé. Rio de Janeiro: CPAD, 2017. 

AS MANIFESTAÇÕES DO ESPÍRITO SANTO


Texto Áureo: At. 2.39 – Texto Bíblico Básico: At. 2.1-6; I Co. 12.1-7




INTRODUÇÃO

Uma das doutrinas basilares da Assembleia de Deus, e do Movimento Pentecostal como um todo, é o batismo no Espírito Santo, com evidência inicial de falar línguas, e a atualidade dos dons espirituais. Por isso, nos estenderemos um pouco mais nessa aula, a fim de apontar os aspectos fundamentais dessas doutrinas. Inicialmente trataremos a respeito do batismo no Espírito Santo, e em seguida, dos Dons Espirituais, com ênfase em I Co. 12. 1-7, reconhecendo que existem outras passagens alusivas aos dons espirituais.

1. OBJETIVO DO BATISMO NO ESPÍRITO SANTO
O objetivo central do batismo com o Espírito Santo não é a santificação, mas a preparação para o serviço. Essa é a razão pela qual Jesus ordenou aos seus discípulos, conforme o registro de Lucas, 24.49: “E eis que sobre vós envio a promessa de meu Pai; ficai, porém, na cidade de Jerusalém, até que do alto sejais revestidos de poder”. Ainda em outra oportunidade: E, estando com eles, determinou-lhes que não se ausentassem de Jerusalém, mas que esperassem a promessa do Pai, que (disse ele) de mim ouvistes.  Porque, na verdade, João batizou com água, mas vós sereis batizados com o Espírito Santo, não muito depois destes dias” (At. 1.4,5).

1. A PROMESSA DO BATISMO NO ESPÍRITO SANTO
Em At. 1.8, Jesus, antes de ascender ao Céu, disse aos seus discípulos: “Mas recebereis a virtude do Espírito Santo, que há de vir sobre vós; e ser-me-eis testemunhas, tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria, e até aos confins da terra”. Devemos observar que essa foi uma promessa ao discípulos que já desfrutavam de profunda comunhão com Cristo, pois seus nomes já estavam escritos nos Céus (Lc. 10.20) e já haviam sido purificados pela Palavra de Cristo (Jo. 13.10; 15.3). É válido ressaltar aqui que João Batista profetizou a respeito desse batismo: Mt. 3.11; Mc. 1.8; Lc. 3.16; Jo. 1.33.

2. TERMINOLOGIA BÍBLICA DO BATISMO NO ESPÍRITO SANTO
Outros termos, do Novo Testamento, definem o que seja o batismo com o Espírito Santo. Ele é chamado de “enchimento” (At. 2.4), “derramamento”, conforme profecia de Jl. 2.28,29 (comp. At. 2.33; 10.45), “recebimento” do dom (At. 2.38, 8.17), “descida sobre” (At. 10.44; 11.15; 19.16). Conforme já vimos em lição anterior, esse é uma experiência recorrente, como diz Pedro, em At. 2.39) e como comprovação disso, vemos em At. 19.1-7, onde o verbo “crestes” é pisteusantes, particípio aoristo, que indica ação anterior à do verbo principal, reforçando, assim, a interpretação de que o “recebimento” do dom do Espírito foi posterior à “crença”.

3. O MOTIVO DO BATISMO NO ESPÍRITO SANTO
Conforme depreendemos de At. 1.8, o propósito primordial do batismo com Espírito Santo é dotar o cristão de um poder sobrenatural para servir, através do qual, o indivíduo se torna um canal de testemunho para o mundo. Assim, o Senhor nos direciona no sentido de percebermos que não podemos testemunhar “até os confins da terra”, a menos que dependamos do “poder” dEle. A palavra poder, no grego, é dunamis, que se refere a capacidade dada por Deus para realizar coisas maravilhosas, incluindo, aqui, milagres, algo comum no livro de Atos. Um outro destaque para a palavra testemunha “martus”, que, no grego, tem tanto uma conotação legal quanto histórica, os apóstolos foram testemunhas da morte e ressurreição de Cristo (At. 2.32; 3.15; 5.32) e, na verdade, se tornaram “mártires”, que vem da palavra testemunha, isto é, entregaram suas próprias vidas por amor a Cristo.

4. O RECEBIMENTO DO BATISMO NO ESPÍRITO SANTO
É comum, no meio evangélico, pensar que alguém recebe o batismo com o Espírito Santo por merecimento. Quando alguém vai a frente, pede, mas não recebe, pode achar que não obteve o “dom” porque deixou de cumprir algum ritual. Mas a experiência do Batismo com o Espírito Santo é um justamente isso, um “dom” (At. 10.45), sendo assim, não esperemos ser perfeitos para buscá-lo, pois como nos lembra o Senhor, aquele que batiza: “Pois se vós, sendo maus, sabeis dar boas dádivas aos vossos filhos, quanto mais dará o Pai celestial o Espírito Santo àqueles que lho pedirem?” (Lc. 11.13). Se alguém tiver de fazer alguma coisa para receber o batismo com o Espírito Santo, siga o exemplo dos discípulos, integre-se à adoração ao Senhor com júbilo sincero, do íntimo do nosso ser (Lc. 24.52), permaneçamos unanimemente em oração e súplicas (At. 1.14;2.1).

5. DONS ESPIRITUAIS: DEFINIÇÃO E CLASSIFICAÇÃO
A palavra comum, no grego, para dons é charismata que, nos textos bíblicos, referem-se, no plural, às manifestações sobrenaturais provenientes do Espírito Santo para a edificação do corpo de Cristo (I Co. 12.4), tal palavra vem de charis (graça), sendo, portanto, assim como a salvação, dádiva divina, sem que haja merecimento. Conforme apontado anteriormente, tais dons são espirituais, isto é, pneumaticos (em grego), sendo assim, não se pode pensar que sejam resultantes do esforço meramente humano (I Co. 12.7; 14.1). Assim, o estudo desses vocábulos, a partir do grego do Novo Testamento, nos leva a concluir que os dons são dádivas espirituais, concedidas pelo Espírito Santo, sem que haja merecimento humano, a fim de favorecer a edificação da igreja. Em I Co. 12.8-10, temos a seguinte classificação teológica:  Palavra da Sabedoria – este dom, geralmente, transmite uma palavra de sabedoria para orientar a igreja, assim como em Jo. 4.17,18; At. 6.10; 15.13-22;  Palavra do Conhecimento – esse dom vem da revelação de um conhecimento antecipado de uma determinada verdade espiritual, como aconteceu em Jo. 4.23,24; At. 5.1-10; I Co. 14.24,25. Fé – esse dom tem como objetivo a operação de milagres, não se trata, portanto da fé para a salvação (Ef. 2.8,9), e muito menos da fé como aspecto do fruto do Espírito (Gl. 5.22). Essa é a fé dada instantaneamente por Deus para a realização de curas e milagres (Mt. 17.20; Mc. 11.22-24; Lc. 17.6).; Curas – no plural, são concedido para à restauração da saúde física, por meios divinos e sobrenaturais (At. 3.6-8; 4.30). O plural (dons) indica curas de diferentes enfermidades e sugere que cada ato de cura vem de um dom especial de Deus;  Operação de milagres – atos sobrenaturais de poder que intervêm nas leis da natureza com o objetivo de glorificar a Deus (At. 9.40; 13.9-11; 20.10; 27.43; 28.5); Profecia – capacita o crente a transmitir uma mensagem uma palavra ou revelação diretamente de Deus, sob o impulso do Espírito Santo (I Co. 14.24-31), a igreja não pode ter essas mensagens como infalíveis, pois há falsos-profetas (I Jo. 4.1), por isso, toda profecia deve ser julgada (I Co. 14.29,32; I Ts. 5.20,21); Discernimento de espíritos – para discernir e julgar corretamente as profecias e distinguir se uma mensagem provém do Espírito Santo ou não. Esse dom é fundamental na medida em que existem muitas distorções dos ensinos cristãos (I Tm. 4.1), eis alguns exemplos: At. 5.3; 8.20-23; 16.16-18; Variedade de línguas – não se trata de uma língua aprendida, e, geralmente, não é entendida nem pelo que fala (I Co. 14.14) nem pelo que a ouve (I Co. 14.16). Quem fala em línguas edifica-se a si mesmo, por isso, quem fala línguas ore para que haja interpretação (I Co. 14.3,27,28); e Interpretação de línguas – capacidade concedida pelo Espírito Santo, não através do conhecimento prévio de determinado idioma, para que o portador do dom compreenda e transmita o significado de uma mensagem dada em línguas (I Co. 14.6,13,16). 

CONCLUSÃO
Os dons espirituais, conforme nos instrui o apóstolo Paulo, são dados para “cada um para o que for útil” (I Co. 12.7) e visam, acima de qualquer coisa, à edificação e à santificação da igreja (I Co. 12.7). Tantos os dons (charismata) de I Co. 12.8-10 quanto os de Rm. 12-6-8 são espirituais (pneumaticos), concedidos de acordo com a vontade do Espírito Santo (I Co. 12.11) a fim de suprir as necessidades da igreja (I Co. 12.31; 14.1)

BIBLIOGRAFIA
BARBOSA, J. R. A. O Cremos da Assembleia de Deus. São Paulo: Reflexão, 2017.
SOARES, E. A razão da nossa fé. Rio de Janeiro: CPAD, 2017.