RÁDIO CRISTÃ - 24 HORAS NO AR! - Pedidos de Oração e-mail: teinho@teinho.com, WhatsApp: (75)98194-7808
   
 

QUEM É O ESPÍRITO SANTO


Textos: Jo. 14.16 – Jo. 14.16,17,26; 6.13-15
e-mail:irmaoteinho@irmaoteinho.com
Twitter: @cdkm


OBJETIVO: Mostrar aos cristãos que o Espírito Santo é a Terceira Pessoa da Trindade Santíssima e, à semelhança do Pai e do Filho, é Deus.

INTRODUÇÃO: Vamos começar um trimestre histórico para o movimento pentecostal no Brasil. No estudo desta semana, veremos a respeito da pessoa e obra do Espírito Santo, com ênfase na Sua divindade.

1. O ESPÍRITO SANTO NO ANTIGO TESTAMENTO: No Antigo Testamento o Espírito Santo está presente já no ato da criação (Gn. 1.2). O Espírito Santo estava atuando na criação, pois, conforme está escrito no livro de Jó, Pelo seu Espírito, ornou os céus (Jó. 26.13). No Dilúvio, também lemos a respeito da manifestação do Espírito Santo. O dilúvio foi a resposta de Deus, já que “o meu Espírito não agira para sempre no homem” (Gn. 6.3). Desde aquele tempo, já estava manifesta a rebeldia do ser humano contra o Espírito de Deus (Hb. 3.7,8). No exercício da liderança no Antigo Testamento, o Espírito Santo exerceu papel preponderante. Durante a caminhada do povo de Israel, o Espírito Santo deu sabedoria e autoridade a Moisés para liderar (Nm. 11.16,17). O Espírito de Deus também capacitou Bezaleel para a construção do tabernáculo (Ex. 31.1-4), dando-lhe também habilidade para ensinar (Ex. 35.35). Josué, o sucessor de Moisés, recebeu do Espírito Santo a autoridade para comandar o exército do Todo Poderoso (Js. 6,10). Saul, o primeiro rei de Israel, foi agraciado pelo Espírito Santo com autoridade para reinar e profetizar (I Sm. 10.6; 10.10). Mas foi Davi, o sucessor de Saul, que desfrutou com maior impacto da presença do Espírito Santo (I Sm. 16.13), por isso, quando esse pecou, pediu ao Senhor que não retirasse dele o Seu Espírito Santo (Sl. 51.11). Os profetas do Antigo Testamento profetizaram pelo Espírito Santo (Ez. 2.2; 3.24).

2. O ESPÍRITO SANTO NO NOVO TESTAMENTO: No Novo Testamento, o Espírito Santo age de maneira especial. Ao anunciar o nascimento de João Batista, o anjo declara que este “será cheio do Espírito Santo já do ventre materno” (Lc. 1.15). A Maria, o anjo Gabriel anunciou o nascimento sobrenatural do Messias, pelo Espírito Santo (Lc. 1.34,35). O Espírito Santo atuou não apenas na concepção de Jesus, mas em todo Seu ministério. No Seu batismo, o Espírito Santo veio sobre Ele (Jô. 1.33; Lc. 3.22). O próprio Espírito Santo se encarregou de conduzir Jesus ao deserto, quando esse foi tentado por Satanás (Mt. 4.1; Mc. 1.12; Lc. 4.1). Ao longo do Seu ministério terreno, Jesus, mesmo sendo Deus, não quis usar suas prerrogativas divinas, por isso, atuou pelo Espírito Santo (Lc. 4.14). Jesus não só realizou milagres e maravilhas pelo Espírito Santo, Ele também batizou a Sua igreja a fim de que essa testemunhasse com Poder da Sua morte e ressurreição (Jo. 1.33; At. 1.8; 2.33). O Espírito Santo também conduziu a igreja na ordenação de ministros (At. 132.2-4), na solução de conflitos (At. 15.28) e na obra missionária (At. 16,6,7,9). Para o futuro, durante o milênio, existe a promessa de um derramamento total do Espírito Santo, principalmente sobre os judeus (Is. 32.15-18). Em Is. 44.3 está prometido: “derramarei água sobre o sedento e torrente sobre a terra seca; derramarei o meu Espírito sobre a tua posteridade e a minha benção sobre os teus descendentes”.

3. A PESSOA E A OBRA DO ESPÍRITO SANTO: O Espírito Santo não é, conforme afirmam algumas seitas, uma força ativa de Deus. A Escritura Sagrada revela a personalidade do Espírito Santo. Ele é apresentado com títulos humanos, como um Consolador (I Jo. 2.1), ou conforme lemos em Jo. 14.16, um Outro Consolador, enviado pelo Pai, para substituiu Cristo, uma pessoa divina. O Espírito Santo é identificado, na Bíblia, com o Pai e com o Filho (Mt. 28.19; II Co. 13.13). Existem atributos pessoais que são direcionados ao Espírito Santo: pensamento (Rm. 8.27), ter vontade (I Co. 12.11), sentir tristeza (Ef. 4.30) sofre resistência (At. 7.51). Como pessoa, o Espírito Santo revela (II Pe. 1.21), ensina (Jo. 14.26), testemunha (Gl. 4.6), intercede (Rm. 8.26),fala (Ap. 2.7), testifica de Jesus (Jo. 15.26) e comanda (At. 16.6,7). O Espírito Santo não é apenas uma pessoa, Ele é Deus, pois é reconhecido pelos apóstolos como tal (At. 5.3,4), tendo atributos divinos de eternidade (Hb. 9.16), onipresença(estar em todos os lugares ao mesmo tempo) (Sl. 139.7-10), onipotência(um ser capaz de fazer tudo) (Lc. 1.35) e onisciência(capacidade de saber tudo infinitamente) (I Co. 2.10). Sendo Deus, o Espírito Santo tem poder para transformar seres humanos em novas criaturas por meio do novo nascimento (Jo. 3.3-8). O Espírito Santo tem poder para dar vida, pois Ele levantou Cristo da morte mediante a ressurreição (Rm. 8.11; I Co. 15.26). Assim como o Espírito Santo vivificou a Cristo, também, nós, no arrebatamento, passaremos pela transformação provida por esse mesmo Espírito Vivificador (Rm. 8.11).

CONCLUSÃO: O Espírito Santo não é apenas uma força ativa, mas uma Pessoa da Trindade Divina. Ele atuou tanto no Antigo quanto no Novo Testamento. Nos dias de hoje também podemos depender desse adorável Espírito Santo. Ele continua vivo e ativo, por isso, “quem tem ouvidos ouça o que o Espírito diz às igrejas” (Ap. 2.7,11).PENES NISSO!

Deus é Fiel e Justo!

PAULO TESTIFICA DE CRISTO EM ROMA


Textos: At. 23.11 – At. 27.18-25
E-mail:irmaoteinho@irmaoteinho.com Msn:irmaoteinho@hotmail.com
Twitter:@cdkm


OBJETIVO: Refletir sobre a necessidade urgente de fazer missões, assim como fez Paulo em Roma, mesmo em cadeias.

INTRODUÇÃO: Paulo foi feito prisioneiro, mas como ele mesmo o revelou em suas epístolas, o evangelho de Cristo não estava em cadeias. Esta semana veremos a respeito de como o Apóstolo, mesmo preso, não se eximiu da responsabilidade de pregar Cristo, o Crucificado. Ao final, destacaremos o caráter inconcluso do livro de Atos, considerando que a história da igreja prossegue.

1. A PRISÃO DE PAULO: Paulo permaneceu preso em Cesaréia por dois anos, isso porque Felix esperava receber alguma propina para livrá-lo. Posteriormente, Felix fora substituído por Festo como governador e mal havia assumido o cargo, fora convidado a comparecer ao julgamento de Paulo em Jerusalém. Por não compreender bem a natureza da acusação contra Paulo, Festo contou com a assessoria de Agripa II e da sua mulher Berenice. Na ocasião o Apóstolo apresentou sua defesa, destacado o processo de conversão à fé cristã. O Apóstolo, por ter cidadania romana, apelou para César, sendo conduzido a Roma. Logo após o julgamento, Agripa II admitiu que Paulo poderia ter sido libertado se não tivesse apelado para César. Certamente esse era o objetivo de Paulo, pois sabia da necessidade de expandir o evangelho na capital do império, a difusão da mensagem de Cristo tinha prioridades sobre os seus interesses.

2. A VIAGEM DE PAULO A ROMA: Paulo embarcou para Roma em um “navio adramitino” (At. 27.2) que depois de ter chegado a Sidom, conduziu os viajante até Mirra, levando ao norte de Chipre, ao invés de seguir a rota comum do sul, isso porque os ventos eram contrários. Durante o percurso, Paulo animava os marinheiros revelando-lhes uma visão que tinha tido durante a noite. Na décima quarta noite, depois que tinha saído de Bons Portos, os marinheiros pensavam que estavam próximos a terra. Em meio à tempestade, a tripulação quis deixar os passageiros entregues à sorte, procurando salvar-se no bote. Mas Paulo compreendeu a situação, por isso, mandou cortar o cabo que prendia o batel, e desta forma, os marinheiros foram obrigados a ficar a bordo do nativo, para ajudarem no salvamento de todos. Durante os momentos difíceis, Paulo trouxe mensagens de esperança, estimulando os soldados e marinheiros a se alimentarem e a confiarem em Deus. Em seguida, orientou para que as cargas fossem lançadas ao mar, a fim de aliviar o fardo do navio. Quando o dia amanheceu, a tripulação pode ver um lugar apropriado, mas os soldados pretenderam matar a todos, para que nenhum fugisse. Mas o centurião impediu que isso fosse feito, certamente devido à influência de Paulo. Por fim, o navio encalhou, os que se salvaram conseguiram chegar a ilha de Malta. Naquele lugar permaneceram por três meses, sendo tratados com hospitalidade pelos habitantes, principalmente pelo líder da ilha, denominado Públio. Paulo teve a oportunidade de orar pelo pai daquela autoridade, sendo esse curado quando o Apóstolo impôs sobre ele as suas mãos. Em seguida, Paulo seguiu viagem rumo a Roma e ali permaneceu por dois anos em sua própria casa, sempre guardado por um soldado (At. 28.16-30). Essa foi a sua primeira prisão em Roma, sempre preso a um soldado da guarda pretoriana, o que favoreceu a evangelização e discipulado na casa imperial (Fp. 1.12; 4.22). Durante esse período em que Paulo esteve preso em Roma, ele escreveu as epístolas aos Efésios, Colossences, Filipenses e a Filemon.

3. ATOS, UM LIVRO INCONCLUSO: A maioria dos livros da Bíblia apresenta uma conclusão. As epístolas, por se tratarem de um gênero com início, meio e fim, costumam apresentar uma abertura, desenvolvimento e fechamento. O livro de Atos dos Apóstolos, por sua vez, termina sem ser concluído. Alguns teólogos acreditam que Lucas pretendia dar continuidade a sua narrativa eclesiástica, mas isso não foi possível. A continuidade dos anos iniciais da igreja cristã ficou reservada aos historiadores, dentre eles, Eusébio de Cesaréia, em sua História Eclesiástica. Fato é que a história da igreja cristã prossegue, ela não teve o seu fim no livro de Atos. Segundo a narrativa extra bíblica – não necessariamente antibíblica – Paulo teria sido decapitado em Roma, quando preso naquela cidade em outra oportunidade, durante a perseguição de Nero. O evangelho seguiu o seu rumo, tendo alcançado plena expansão no império, ao mesmo tempo em que incomodava as autoridades, resultando em perseguição por parte dessas. Pouco anos depois, quando Constatino se tornou imperador de Roma, esse mesmo império que outrora perseguiu a igreja, a assumiu como religião oficial, causado maiores males que benefícios, alguns deles irreversíveis. A Reforma Protestante, tendo Lutero como seu maior expoente, tentou conduzir a igreja aos fundamentos escriturísticos. Nesses últimos duzentos anos a igreja precisou responder aos ataques do liberalismo – em virtude do iluminismo. Ao mesmo tempo em que experimentou grandes avivamentos, dentre eles, nos Estados Unidos, com Jonathan Edwards, e na Inglaterra com George Whitefield e os irmãos John e Charles Wesley. No limitar do século XX, o Espírito Santo soprou sobre a Rua Azuza, na América do Norte, dando início ao movimento pentecostal moderno, com William Seymour, tendo alcançado ampla expansão no Brasil a partir de 1911, com os missionários suecos Daniel Berg e Gunnar Vingren.

CONCLUSÃO: A história da igreja continua, existem linhas nessas páginas que ainda precisam ser preenchidas. Enquanto aguardamos a vinda de Jesus, devemos estar imbuídos da responsabilidade de levar o Seu evangelho até aos confins da terra. Para tanto, a igreja não pode perder o rumo, e principalmente, deve manter-se sob o comando do Eterno Capitão. O estudo do livro de Atos, neste trimestre, possibilitou a aferição do trajeto à luz da Bíblia, a bússola sagrada. Permaneçamos, pois, no rumo certo, desse modo as portas do inferno não prevalecerão contra a igreja de Cristo (Mt. 16.18). PENSE NISSO!

Deus é Fiel e Justo!

AS VIAGENS MISSIONÁRIAS DE PAULO


Textos: At. 13.2 – se: At. 13.46-49
e-mail:irmaoteinho@irmaoteinho.com
msn:irmaoteinho@hotmail.com

Twitter: @cdkm

OBJETIVO: Mostrar que a expansão da igreja é um processo que envolve a ação do Espírito Santo e a obediência irrestrita do crente ao ide evangelístico de Jesus.

INTRODUÇÃO: Antes de ascender ao Céu, Jesus reuniu seus discípulos a fim de lhes passar determinadas instruções. Esse momento costuma ser denominado de Grande Comissão e se encontra registrado ao final dos quatro evangelhos e no início de Atos. Seguindo as instruções do Senhor, os discípulos deveriam fazer discípulos (Mt. 28.19) em todas as etnias (Mc. 16.15), pregar sobre a Sua morte e ressurreição (Lc. 24.46), partir como enviados de Cristo (Jo. 20.21) e depender sempre do poder do Espírito do Santo para no testemunho do evangelho (At. 1.8). O Apóstolo Paulo levou a sério a ordem do Senhor e, em três viagens missionárias, foi poderosamente usado pelo Espírito na expansão do evangelho.

1. PRIMEIRA VIAGEM MISSIONÁRIA: A primeira viagem missionária de Paulo está registrada em Atos 13.1 a 14.28. Essa foi uma missão para os gentios e o Apóstolo partiu de Antioquia. Do Porto da Selêucia, ele seguiu juntamente com seus companheiros. A partir de Salamina viajaram toda a extensão da ilha, pregando inicialmente nas sinagogas dos Judeus. Durante essa viagem Paulo teve contato com o Proconsul Sergio Paulo. Seguindo viagem, aportou em Perge na Panfília. Naquela ocasião Barnabé era o líder, Paulo o pregador, e João Marcos – primo de Barnabé – um auxiliar. Ao deixar Chipre – cidade de Barnabé – Paulo assumiu a liderança e Marcos os abandonou, retornando para Jerusalém (At. 13.13). Paulo e Barnabé seguiram rumo ao norte, em direção da província da Galácia. Ele visitaram Antioquia (da Psídia), Icônio, Listra e Derbe. Em Antioquia Paulo pregou na sinagoga, discorrendo sobre a história de Israel e o cumprimento das promessas de Deus a respeito da vinda do Salvador, Jesus. A ênfase do Apóstolo foi posta sobre o perdão dos pecados e da justificação por meio da fé em Cristo (At. 13.38-39). Esses temas seriam enfatizados na Epístola aos Gálatas, escrita durante essa primeira viagem, na qual se opõe veemente à doutrina judaizante (Gl. 1.1-9). Enquanto se encontravam em Icônio, o Senhor realizou muitos sinais e maravilhas pelas mãos dos apóstolos (At. 14.3; Gl. 3.5). Em Listra, cidade em que Zeus e Hermes eram adorados (At. 14.11,12), Paulo curou um homem aleijado desde o ventre da mãe e isso fez com que as pessoas da cidade quisessem adorar a ele e Barnabé como deuses. Mesmo assim, judeus vieram de Antioquia e Icônio a fim de persegui-los, e por fim, apedrejaram a Paulo. Milagrosamente Ele se levantou após o apedrejamento e seguiu no dia seguinte juntamente com Barnabé para a cidade de Derbe. Ao retornar para Antioquia, Paulo passa, então, a ser como o Apóstolo do evangelho da incircuncisão (At. 15.22-26; Gl. 2.7).

2. SEGUNDA VIAGEM MISSIONÁRIA: A segunda viagem missionária de Paulo se encontra registra em At. 15.36 a 18.22. Essa pretendia ser uma viagem para visitar as cidades nas quais o evangelho de Cristo havia sido pregado (At. 15.36). Antes da partida ocorreu um desentendimento entre Paulo e Barnabé, por causa do interesse de João Marcos de acompanhá-los, e isso acabou por separá-los, então, Paulo decidiu seguir com Silas em direção a Siria e Cilicia, com a benção da igreja (At. 15.40), iniciando pela Galácia. O interesse central de Paulo estava na Macedônia e em Acaia. Paulo tomou também consigo seu filho na fé, Timóteo, quando passavam por Listra (At. 16.3). Em resposta a uma visão (At. 16.9,10), os missionários embarcaram para a Macedônia (At. 16.6-10), dando iniciou a evangelização em solo europeu. Na Macedônica, três cidades foram escolhidas como pontos centrais para a evangelização: Filipos (At. 16.12-40), Tessalônica (At. 17.1-9) e Beréia (At. 17.10-14), e em Acaia, duas cidades foram visitadas: Atenas (At. 17.15-34) e Corinto (At. 18.1-18). Em Filipos Paulo encontrou pessoas tementes a Deus (At. 16.12) e Lídia, uma adoradora do Senhor (At. 16.14). Esse gentios foram os primeiros a responderem ao evangelho de Cristo e a serem salvos (At. 16.31-34). Nessa cidade os mensageiros do Senhor sofreram perseguição e foram postos na prisão, onde oravam e louvavam ao Senhor, e, após intervenção divina, o carcereiro e sua família se converteram ao Senhor (At. 16.20,21). Após ser liberado da prisão, Paulo apelou para sua cidadania romana, algo que poderia ter prevenido que ele fosse açoitado (At. 16.22-24). Tessalônica era a capital da província da Macedônia e naquele lugar Paulo começou a pregar na sinagoga, confrontando os ouvintes à luz das Escrituras (At. 17.2). Os missionários acabaram sendo acusados de sedição contra o império romano, por apregoarem outro rei, Jesus (At. 17.7). Por causa disso, eles tiveram que fugir da cidade e seguiram para Beréia, onde permaneceram por pouco tempo, atentando, que naquela cidade, havia nobreza, pois os ouvintes eram criteriosos no exame das Escrituras (At. 17.10-15). Em seguida Paulo entrou na província de Acaia, em uma das suas mais importantes cidades, Atenas, famosa pela quantidade de ídolos, causando incômodo ao Apóstolo (At. 17.16). Em Atenas ele tanto pregou nas sinagogas quanto nos lugares públicos, onde encontrou os filósofos epicureus e estóicos, que consideraram Paulo não mais do que um falastrão (At. 17.18). Em Atenas Paulo pregou sobre o Deus Desconhecido dos atenienses, e falou a respeito de Jesus e da ressurreição. Em oposição ao pensamento filosófico, Ele expôs a doutrina de um Deus pessoal e vivo que criou o mundo e que o sustenta e que um dia haverá de julgá-lo, portanto, argumentou o Apóstolos, todos devem se arrepender (At. 17.22-34). Após sair de Atenas Paulo seguiu para Corinto onde permaneceu por um ano e meio. Na cidade Paulo foi hospedado por um casal, Áquila e Priscila, companheiros de fé e profissão, também fabricantes de tendas (Rm. 16.3-5). Em Corinto Paulo foi acusado pelos judeus de adorar a Deus de modo contrário à Lei, resultando na sua apresentação, perante Gálio, no tribunal (At. 18.15-17). Após uma rápida visita a Éfeso, Paulo seguiu viagem, prometendo retornar se essa fosse à vontade do Senhor, e logo retornou para Antioquia (At. 18.19-21). Durante essa segunda viagem missionária Paulo escreveu duas cartas: I e II Epístolas aos Tessalonicenses.

3. TERCEIRA VIAGEM MISSIONÁRIA: A terceira viagem missionária de Paulo se encontra registrada em At. 18.23 a 21.14. O Apóstolo segue mais uma vez em direção a região da Galácia e da Frigia. Em seguida, segue rumo a Ásia, para sua principal cidade, Éfeso. Nesse local ele permaneceu por aproximadamente dois a três anos, sua estada mais longa em um mesmo lugar (At. 19.8-10; 20.31). Lucas testemunha que durante a permanência de Paulo na cidade, todos que habitavam na Ásia ouviram a palavra do Senhor, tanto judeus quanto gregos (At. 19.10) e que a palavra de Deus prevalecia poderosamente (At. 19.20). Após deixar Éfeso, Paulo seguiu rumo a Trôade (II Co. 2.12-13), depois para a Macedônia e Grécia, onde passou três meses (At. 20.3). Enquanto se encontrava em Corinto, escreveu sua Epístola aos Romanos. Quando retornava de Filipos e Trôade, passou por Mileto e encontrou-se com os presbíteros da igreja de Éfeso (At. 20.17-35) com o objetivo de reafirmar seu ministério perante eles, e encarregá-los de responsabilidades pastorais, advertindo-os também quanto ao perigo das heresias que viriam após a sua partida (At. 20.28-31). Desejoso de ir a Jerusalém, para Festa de Pentecoste (At. 20.16), Paulo partiu em direção a Tiro e Cesaréia (At. 21.3-6; 8-16), onde foi advertido a respeito dos perigos que sobreviriam sobre ele. Mesmo assim, seguiu para Jerusalém (At. 21.13), levando consigo a coleta dos irmãos para os necessitados (I Co. 16.1-4; II Co. 8-9; Rm. 15.25-27). Enquanto era recebido por Tiago e os anciãos da igreja, alguns judeus da Ásia, que estavam presentes em Jerusalém, para celebrar a Festa de Pentecoste, acusaram Paulo de profanar a área do templo (At. 21.27-36), o que resultou em sua prisão pela capitão romano da cidade. Nessa viagem missionária, além da Epístola aos Romanos, Paulo escreveu I e II Coríntios.

CONCLUSÃO: As viagens missionárias de Paulo revelam seu profundo amor a Jesus Cristo, bem como a seriedade que esse atribuía à obra evangelizadora. Ele tinha profunda convicção do seu chamado para levar o evangelho às nações (Gl. 1. 15,16; Rm. 1.1; I Co. 1.1). Ele não se envergonhava do evangelho, pois reconhecia neste o poder de Deus para salvação de todo aquele que crer (Rm. 1.16). O Apóstolo dos Gentios não temia oposição e muito menos adversidades, pois estava ciente da responsabilidade que recaia sobre os seus ombros (I Co. 9.16). O teor da mensagem missionária paulina era, repetidamente, Jesus Cristo, o Ressuscitado (I Co. 1.30; II Co. 4.5). A dedicação de Paulo à obra missionária era tão intensa que o fazia afirmar que ele não mais vivia, mas Cristo vivia nele (Gl. 2.20), e que para ele o viver era Cristo e o morrer era lucro (Fp. 1.20). Paulo a nada temia, e como muitos missionários espalhados pelo mundo atualmente, pelo quais devemos orar e contribuir, testemunhava de Jesus, a fim de que o Senhor fosse manifestado na vida dele (II Co. 4.10,11). Que como Paulo, e esses destemidos missionários, sejamos também capazes de, pelo Espírito, afirmar: “ai de mim se não pregar o evangelho”. PENSE NISSO!

Deus é Fiel e Justo!

O PRIMEIRO CONCÍLIO DA IGREJA DE CRISTO


Textos: At. 15.28,29 – At. 15.6-12
e-mail:irmaoteinho@irmaoteinho.com
msn:irmaoteinho@hotmail.com

Twitter: @Cdkm


OBJETIVO: Mostrar aos cristão que a intenção de um concílio eclesiástico, convocado sob orientação divina, é preservar a unidade da igreja no Espírito e conservar a sã doutrina.

INTRODUÇÃO: Desde os seus primórdios, a igreja cristã precisou lidar com controvérsias que colocaram em risco a unidade doutrinária. No estudo desta semana, veremos a respeito da questão judaizante, que se espalhou em algumas igrejas e comprometia o evangelho de Cristo. Neste estudo, veremos como a igreja primitiva respondeu às tentativas religiosas de minar a doutrina, e, ao mesmo tempo, conseguiu manter o equilíbrio entre preservar a doutrina e cultivar o amor pelos irmãos.

1. O CONCÍLIO EM JERUSALÉM: A realização de um concílio em Jerusalém se fez necessária por causa de uma crença predominante entre alguns judeus que para os gentios serem salvos esses precisariam se tornar membros do povo de Deus e aceitar as obrigações da lei judaica. Além disso, havia também um problema, pois, para alguns judeus, os gentios, ao participarem da mesa da comunhão, a tornavam impura, por causa do alimento que traziam. Os mais preocupados com a inclusão dos gentios no seio da igreja eram os judaizantes. Eles argumentavam, a respeito dos gentios, que se esses não se circuncidassem, conforme o uso de Moisés, não podiam ser salvos (At. 15.1,2). Esse grupo permanecia atado às praticais e rituais do judaísmo, eles não admitiam desconsiderar os rituais judaicos, na verdade, eram mais fariseus do que cristãos (At. 15.5). Logo a princípio, Paulo percebeu que esse ensinamento era contrário à fé cristã, e que punha em risco o evangelho de Cristo, desconsiderando a Sua morte expiatória (Gl. 2.21; 5.1-6). Caso a igreja optasse pela doutrina dos judaizantes, a morte de Cristo perderia a razão de ser, e o cristianismo não passaria de uma facção de judaísmo (Gl. 3.1-3). O posicionamento contundente de Paulo em relação aos judaizantes revelava o risco que o evangelho passava, a necessidade de defender os princípios básicos da fé cristã que estão sendo questionados, e com esses, o futuro da igreja de Jesus Cristo. Durante o concílio, Pedro lembrou do episódio de Cesaréia, na residência de Cornélio, como testemunho de que “Deus me escolheu dentre vós para que, por meu intermédio, ouvissem os gentios a palavra do evangelho e cressem” (At. 15.7). Ninguém pode acusar Pedro se ser judaizante, haja vista que, conforme declarou no concílio “Cremos que fomos salvos pela graça do Senhor Jesus, como também aqueles o foram” (At. 15.11), consoante ao que afirmou Paulo aos Gálatas (Gl. 2.16). Tiago, o irmão do Senhor, autor da Epístola que leva seu nome, e líder da igreja em Jerusalém, também “expôs Simão como Deus primeiro visitou os gentios, a fim de construir dentre eles um povo para o seu nome” (At. 15.14). Tiago destacou ainda que essa realidade confirmava “as palavras dos profetas” (At. 15.15). A partir de tal declaração, aprendemos que qualquer concílio eclesiástico somente é legítimo se esse se pautar pela autoridade das Escrituras.

2. A CARTA DO CONCÍLIO: Os debates ocorridos naquele concílio resultaram na produção de uma Carta que deveria ser enviada às igrejas. O teor dessa missiva deixava explícito o repúdio dos cristãos aos postulados judaizantes, e os desautorizava a proclamar os falsos ensinamentos que comprometiam a verdade da fé cristã. Por isso, “pareceu bem aos apóstolos e aos presbíteros, com toda a igreja, tendo elegido homens dentre eles, envia-los juntamente com Paulo e Bernabé, a Antioquia: foram Judas, chamado Barsabás e Silas”, homens que, segundo Lucas, eram “notáveis entre os irmãos” (At. 15.22). Além de reprovar aqueles que perturbavam com palavras, transtornando as almas dos crentes, os líderes reconheciam que não se fazia necessário “impor maior encargo além destas coisas essenciais: que vos abstenhais das coisas sacrificadas aos ídolos, bem como do sangue, da carne de animais sacrificados e das relações sexuais ilícitas”. Tais recomendações devem servir de alerta a certos líderes eclesiásticos que querem impor sobre a igreja fardos pesados, que eles mesmos não são capazes de cumprir, e que servem apenas para alimentar a vaidade ministerial. É preciso destacar também que essas orientações eram predominantemente rituais, a exceção da imoralidade sexual, e se tratavam mais de uma recomendação do que uma ordem, por isso, “fareis bem se vos guardardes” (At. 15.29). O objetivo primordial de tais recomendações era a preservação dos irmãos mais fracos, os judeus que não comiam carne se o sangue não tivesse sido tirado, nem a de animais estrangulados ou que morriam por doença. Por isso, era preciso que os gentios fizessem algumas concessões com respeito à alimentação. Assim fazendo, estavam seguindo a lei do amor, evitando o escândalo dos irmãos mais judeus mais fracos na fé (Rm. 14.21). Os cristãos de hoje também precisa fazer concessões em relação aos mais fracos na fé, por amor, mas, ao mesmo tempo, devem conduzi-los ao crescimento, a fim de que esses não permaneçam na meninice (I Co. 3.1; 14.20; Gl. 4.3).

3. RESULTADOS DO CONCÍLIO: O concílio de Jerusalém, a respeito da questão judaizante, trouxe alguns resultados para a igreja cristã. O primeiro deles foi o conforto, pois todos “sobremaneira se alegraram, pelo conforto recebido” (At. 15.31). O fardo pesado imposto sobre os falsos mestres judaizantes seria a partir de então aliviado pelo jugo suave do evangelho de Cristo (Mt. 11.28,29). Além disso, Judas e Silas, ao contrário dos legalistas, “consolaram os irmãos com muitos conselhos e os fortaleceram” (At. 15.32). Os cristãos gentios puderam finalmente desfrutar da liberdade cristã, e, ao invés de serem controlados por práticas externas, passaram a desfrutar da lei do amor. A partir do momento que compreendemos o amor de Deus, podemos finalmente amá-lo, mais que isso, obedecê-lo, não porque isso apaziguará a Sua ira, mas porque nos agrada fazer a Sua vontade, essa é a lei que passar a conduzir as atitudes do coração (Jr. 31.33). Essa liberdade, por outro lado, não deva dar margem para a libertinagem, pois, conforme lembrou Paulo aos coríntios: “Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas convêm; todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas edificam. Ninguém busque o proveito próprio; antes cada um o que é de outrem” (I Co. 10.23,24). O cristão precisa agir com bom senso, tendo o amor como fundamento, para perceber quando uma determinada prática pode comprometer o evangelho de Cristo ou quando essa pode ser observada a fim de que outro irmão não seja escandalizado. Em se tratando de alimento, podemos comer tudo, até mesmo a comida que foi sacrificada aos ídolos, contanto que não perguntemos, por questão de consciência, ou, se for caso, para que a fé de um determinado irmão seja abalada (I Co. 10.25).

CONCLUSÃO: As igrejas cristã costumam apresentar costumes religiosos, alguns deles não são doutrinários. Contanto que esses não comprometam a doutrina do evangelho de Cristo, ou seja, não sejam impostos como condições para a salvação, nada há de errado em observá-los. Alguns usos e costumes são saudáveis à igreja, mas não podem ser transformados em regras legalistas. Há igrejas que demonstram zelo pelos usos e costumes dos pioneiros, outras já não mais os consideram válidos. A regra áurea continua sendo a mesma aplicada aos gentios pelo concílio de Jerusalém: o equilíbrio entre a preservação da doutrina e o respeito aos costumes. Para tanto, é de bom alvitre atentar para a recomendação do Apóstolo dos Gentios, “quer comais quer bebais, ou façais outra qualquer coisa, fazei tudo para glória de Deus” (I Co. 10.31). PENSE NISSO!