UMA ALIANÇA SUPERIOR


Texto Áureo: Hb. 8.10 – Texto Bíblico: Hb. 8.1-10


INTRODUÇÃO
Como estudamos em lições anteriores, Jesus é Sumo Sacerdote Rei, alinhado a ordem de Melquisedeque. Na aula de hoje, destacaremos o exercício do Seu sacerdócio, reforçando que se trata de outra ordem, firmada em uma aliança superior. A princípio, discutiremos a respeito da atuação desse Sumo Sacerdote no Santuário Celestial. Em seguida, demarcaremos que Ele é de um Nova Aliança. E ao final, que essa Aliança é superior, e mais, tornou a Aliança Antiga obsoleta.

1. O SUMO SACERDOTE NO SANTUÁRIO
A Epístola aos Hebreus é iniciada com a declaração de que “Deus falou” (Hb. 1.1,2). No capítulo 8, nos deparamos com outra afirmação emblemática: “temos um Sumo Sacerdote” (8.1). Na conjuntura da religiosidade judaica, o sacerdócio ocupava lugar de destaque, pois através desse seria possível cumprir os rituais da lei mosaica. Os cristãos, porém, dispõem de um Sacerdote diferente “que está assentado nos céus à destra do trono da Majestade” (Hb. 8.1). O fato dEle está “assentado nos céus” contrasta com a posição dos sacerdotes terrenas. No antigo tabernáculo, antes da edificação do templo de Salomão, o sacerdócio era exercido na esfera terrestre, e pelo que apreendemos da declaração do autor, não passava de uma sombra do santuário celestial, sendo esse o “verdadeiro tabernáculo” (8.2). Aquele santuário terreno, mesmo sendo construído por homens piedosos, e sob a direção do Espírito Santo, ainda assim era limitado. O próprio templo, com sua edificação suntuosa, símbolo da habitação de Deus, não era capaz de apreendê-LO, pois o céu dos céus não é capaz de contê-LO, muito menos o santo dos santos (I Rs. 8.27). Jesus, como o Sumo Sacerdote, que se encontra no Tabernáculo Celestial, tem alcance superior em Seu exercício, ao ser comparado com os sacerdotes terrenais, da ordem levítica. Nos tempos em que a Epístola foi escrita, o templo ainda estava erguido em Jerusalém, é possível que o sacrifício com animais ainda fosse feito diariamente.

2. SACERDOTE DE UM NOVA ALIANÇA
Os sacerdotes da Aliança Antiga atuavam à sombra de uma realidade superior, que haveria de se manifestar no futuro, e que se materializou em Cristo (Hb. 84,5). Eles estavam, como atesta o próprio escritor da Epístola a “sombra das coisas celestiais”. É provável que Moisés tenha visto o santuário eterno, do qual Cristo é Sumo Sacerdote, pois o da terra apontava para outro, tendo sido Moisés avisado: “olha, faze tudo conforme modelo que, no monte, se te mostrou” (Hb. 8.5). A revelação do santuário terreno veio do céu, uma imitação de outro que se encontrava no céu, sendo Jesus a manifestação terrena desse santuário celestial. A esse respeito é importante ressaltar que quando o Verbo se fez carne, Deus tabernaculou-se entre os homens (Jo. 1.14). Ele não era apenas um reflexo da gloria divina celestial, antes o próprio Deus-Incarnado, a expressa imagem do Deus Invisível. Por isso Seu sacerdócio, em comparação com o terreno, é “tanto mais excelente” (Hb. 8.6). Ele inaugurou uma Nova Aliança, e isso é significativo no contexto da judaico. Reis e sacerdotes, e também os profetas, eram regidos por uma aliança, estabelecida por Deus e confirmada pelos hebreus. Mas de vez em quando o povo rompia com os termos dessa aliança, e por causa disso arcava com as consequências. 

3. A ABOSOLUCÊNCIA DA ANTIGA ALIANÇA
Em virtude das limitações daquela aliança, Deus decidiu subscrevê-la, e torná-la obsoleta. Para tanto, estabeleceu um novo pacto, com um novo sacerdócio, segundo a ordem de Melquisedeque (Jr. 31.31-34). Jeremias alertou os judeus em relação aos seus pecados, e antecipou uma aliança futura, que iria tornar a aliança antiga desnecessária. Um novo pacto foi estabelecido, enquanto aquele foi estabelecido pela retirada do povo do Egito, este se dá pelo ato de Deus, que testifica: “porei as minhas leis no entendimento e em seu coração as escreverei; e eu lhes serei por Deus, e eles me serão por povo” (Hb. 8.10). O “depois daqueles dias” é chagado através da Nova Aliança em Cristo, que torna desnecessária e obsoleta a aliança anterior. Nessa nova aliança, não dependemos mais de preceitos humanos para nos conduzir, temos a direção do Espírito Santo por meio da Palavra, que nos conduz a Deus (Hb. 8.11). Os crentes, como bem ressaltou os reformadores, são agora sacerdotes em Cristo, por isso podemos ter acesso direto ao trono da graça. A Nova Aliança é capaz de fazer aquilo que o Antiga não teve êxito, uma expiação completa dos pecados, pois dos nossos pecados o Senhor não mais se lembrará (Hb. 8.12). Na Antiga Aliança os sacrifícios eram contínuos e repetitivos, mas no sacerdócio de Cristo, fomos alcançados pela graça de Deus, nenhuma condenação há para aqueles que estão em Jesus (Rm. 8.1).

CONCLUSÃO
A Aliança Antiga, firmada no Sinai, “envelheceu” (Hb. 8.12), diante da Nova Aliança em Cristo. E de fato, pouco tempo depois da escrita dessa Epístola, o templo em Jerusalém foi destruído. Essa é uma metáfora concreta do final da Antiga Aliança, e da inauguração de um novo tempo, no qual Cristo é Sumo Sacerdote Eterno, de um Santuário Celestial. Por isso, podemos ter a convicção de que não devemos pecar, mas se pecarmos temos um Intercessor nos céus, que também é a propiciação pelos nossos pecados (I Jo. 1.9;2.1).

BIBLIOGRAFIA
PFEIFFER, C. The Epistle to the Hebrews. Chicago: Moody Press, 1962.
WEIRSBE, W. Be confident: Hebrews. Colorado Springs: David Cook, 2009.

JESUS – SUMO SACERDOTE DE UMA ORDEM SUPERIOR

Texto Áureo: Hb. 7.26 – Texto Bíblico: Hb. 7.1-19


INTRODUÇÃO
O sacerdócio araônico tinha extrema relevância na religiosidade judaica, de modo que mesmo os cristãos hebreus destinatários da Epístola se sentiam atraídos por ele. O autor da Epístola, conforme estudaremos na lição de hoje, argumenta que existe um sacerdócio superior, não da ordem de Arão, mas de Melquisedeque, o qual tipifica o sacerdócio de Cristo. Ao final da aula mostraremos, com base no capítulo 7 da Epístola aos Hebreus, os fundamentos escriturísticos para a superioridade do sacerdócio de Cristo sobre o de Arão.

1. MELQUISEDEQUE, SACERDOTE-REI
Melquisedeque aparece no livro de Gêneses como um personagem bíblico, relacionado à história de Abrãao e seu sobrinho Ló, que habitou na cidade de Sodoma, e acabou se envolvendo na vida política daquela cidade. No contexto de uma batalha, os sodomitas e seus aliados foram capturados, entre eles Ló. Abraão, a fim de resgatar seu sobrinho, empreendeu uma batalha, juntamente com uma coalisão de forças. Após retornar vitorioso desse desafio, Abraão acampou em Salém, cidade que futuramente seria conhecida como Jerusalém. Naquele local, se encontrou com Melquisedeque, o sacerdote-rei da cidade, que abençoou Abraão (Gn. 14.19,20). Do texto apreendemos que ele era sacerdote de El Elyon, o Deus Altíssimo, e que assim foi reconhecido por Abraão, que lhe entregou seus dízimos. O autor da Epístola aos Hebreus faz alusão a esse personagem como um tipo do sacerdócio de Cristo, sendo Ele também Rei-Justo. Na verdade, Deus é justo, e justificador daqueles que creem em Jesus (Rm. 3.26). É importante destacar que Deus fez aquilo que o homem não poderia fazer para ser salvo (Rm. 4.6). O sacrifício de Jesus na cruz do calvário foi suficiente para salvar os pecadores (Jo. 3.16), trazendo a paz entre Deus e os homens (Lc. 2.14), justamente por ser Ele o Príncipe da paz (Is. 9.6). Ele é também o Reconciliador entre Deus e os homens, o que restaura o relacionamento rompido por causa do pecado (II Co. 5.20). Por isso Melquisedeque é tipo de Cristo, pois aponta para Aquele que se fez justiça por nós, de eternidade a eternidade (Jr. 23.6; Ap. 1.8).

2. SUPERIORIDADE DE MELQUISEDEQUE SOBRE ARÃO
O argumento do autor é que o fato de Abraão ter entregue dízimo a Melquisedeque é um sinal da grandeza do seu sacerdócio-reinado em Salém (Hb. 7.4). O patriarca reconheceu que Melquisedeque tinha autoridade espiritual, pois apenas aqueles que eram instituídos como sacerdotes recebiam dízimos (Hb. 7.5). O fundamento do sacerdócio, por conseguinte, remete ao tempo de Abraão, indo além da instituição levítica. Levi, um dos doze filhos de Jacó, era descendente de Abraão (Hb. 7.5). Por isso, Melquisedeque, ainda que não fosse descendente de Levi, se antecipou ao sacerdócio desse, demonstrando ser ainda maior, tendo recebido dízimo do próprio Levi, através do patriarca Abraão (Hb. 7.6,7). Além disso, o sacerdócio levítico é composto por homens que morrem (Hb. 7.8), enquanto que o de Melquisedeque, não há registro da sua morte. O autor da Epístola aos Hebreus cita Sl. 110.4, para legitimar nas Escrituras o sacerdócio de Cristo, pondo na ordem de Melquisedeque. Isso mostra também a limitação do sacerdócio levítico, considerando que os sacerdotes dessa ordem eram imperfeitos, e que precisavam sacrificar não apenas pelos outros, também por eles mesmos. Jesus é o Grande Sumo Sacerdote, não da ordem de Levi, pois não era daquela tribo. Ele era da tribo de Judá (Hb. 7.14), e remete a um sacerdócio ainda mais antigo, estabelecido anterior a Lei, que estava além do “mandamento carnal” (Hb. 7.16). O sacerdócio da aliança carnal, para o autor da Epístola, através de Cristo se tornou “ab-rogado por causa da sua fraqueza e inutilidade” (Hb. 7.18).

3. A SUPERIORIDADE DO SACERDÓCIO DE CRISTO
A referência ao Sl. 110 é bastante enfática no capítulo 7 da Epístola aos Hebreus, a fim de confirmar a superioridade do sacerdócio de Cristo. A começar pela necessidade de muitos sacerdotes, que vinham uns após os outros (Rm. 7.23). A sucessão era uma demonstração de fraqueza daquele tipo de sacerdócio. O sacerdócio de Cristo, por sua vez, não carece de sucessor, pois é eterno, estando Ele entronizado para sempre. Por esse motivo, Ele é capaz de interceder continuamente por aqueles que creem (Hb. 7.25). A demonstração da superioridade, e legitimidade eterna desse sacerdócio, é demonstrada na ressurreição de Cristo, que se encontra entronizado à direita do Pai. Esse Sumo Sacerdote se tornou um de nós (Hb. 7.26), cumprindo as necessidades do Seu povo. E mais, Ele é santo, imaculado, separado dos pecadores (Hb. 7.26). Ele é digno de confiança, de modo que podemos nos aproximar do Pai. Os sacerdotes levíticos precisam sacrificar por eles mesmos, antes de sacrificar pelo povo (Hb. 7.27). O mesmo não ocorre com Cristo, que é um sacerdócio definitivo. Por isso, apenas Jesus – maior que tudo que Deus havia concedido como revelação a povo de Israel e ao mundo - constituiu uma nova aliança, concretizada através do derramamento do seu sangue, dando-nos a garantia de que somos aceitos pelo Pai, não por causa de nós mesmos, mas porque Ele foi aceito por nós. Em Cristo podemos ser filhos de Deus, e a Ele nos dirigir como Aba, mediante o Espírito de adoção, concedido por Sua graça (Gl. 4.5).

CONCLUSÃO
Temos um Sacerdote Eterno, que se identifica com nossa condição, ainda que não tenha pecado (I Pe. 2.22). Por causa dEle, sabemos que fomos aceitos por Deus, porque o próprio Cristo, o Sumo Sacerdote segundo a ordem de Melquisedeque, se fez pecado por nós (II Co. 5.21). Diante dessa realidade eterna, com a qual fomos agraciados, devemos nos aproximar do trono da graça, com toda confiança, para receber misericórdia e poder, sobretudo nos momentos de necessidades (Hb. 4. 16).

BIBLIOGRAFIA
PFEIFFER, C. The Epistle to the Hebrews. Chicago: Moody Press, 1962.
WEIRSBE, W. Be confident: Hebrews. Colorado Springs: David Cook, 2009.

A PERSEVERANÇA E FÉ EM TEMPO DE APOSTASIA


Texto Áureo: Hb. 6.12 – Texto Bíblico: Hb. 6.1-15


INTRODUÇÃO
Na aula de hoje discutiremos a respeito da perseverança e fé em tempos de apostasia. É preciso destacar que alguns crentes hebreus daquela comunidade estavam desertando da fé, e retornando para a religiosidade judaica. Diante dessa realidade, o autor da Epístola os admoesta para seguirem adiante, crescendo em entendimento da fé, tendo cuidado para que não venham a perder o que haviam adquirido por meio de Cristo, tendo como garantias as promessas do Senhor.

1. A IMPORTÂNCIA DA MATURIDADE CRISTÃ
Em continuidade à discussão do capítulo anterior, o autor da Epístola aos hebreus amoesta os irmãos para que não fiquem apenas nos “rudimentos da doutrina de Cristo” (Hb. 6.1). Evidentemente não há uma reprovação em relação aos ensinamentos fundamentais da fé, tais como: arrependimento, fé em Deus, doutrina dos batismos, imposição das mãos, ressurreição dos mortos e juízo eterno (Hb. 6.2,3). Algumas dessas práticas religiosas eram conhecidas dos cristãos hebreus, e ao que tudo indica, eles a circunscreviam ao judaísmo, em consonância com o evangelho de Cristo. Essas doutrinas incluíam: 1) arrependimento das obras mortas – a prática das obras é necessária, mas não garante a salvação, pois somente pela fé em Cristo podemos ser salvos (Ef. 2.8-10); 2) fé em Deus – é verdade que sem fé é impossível agradar a Deus (Hb. 11.6), essa fé, no entanto, deve instigar à maturidade, não ao comodismo; 3) doutrina dos batismos – a igreja cristã tem basicamente um batismo (Ef. 4.5), mas entre os judeus eram comuns vários banhos cerimoniais; 4) a imposição de mãos – era uma prática comum no judaísmo, como uma forma de transferência de atribuição, que se dava por meio da oração (Mc. 5.23; At. 6.6); 5) ressurreição dos mortos – Jesus morreu e ressuscitou pelos pecadores, essa se tornou uma doutrina fundamental da fé, e que também os que creem haverão de ressuscitar (I Co. 15.18); e 6) o juízo eterno – o julgamento vindouro é uma realidade bíblica, assegurada no ensinamento dos apóstolos (At. 10.42). Mas fazia-se necessário que eles avançassem, que saíssem do “jardim de infância”, e partissem para a “formação acadêmica”. Na verdade, essa é uma metáfora do significado do crescimento espiritual dos crentes. Há cristãos que ficam muito à vontade no “educandário espiritual”, pois nesse ambiente há muitas diversões, e quase nenhum compromisso.

2. O PERIGO DA APOSTASIA, A DESERÇÃO DA FÉ
A preocupação do autor da Epístola aos hebreus não é com aqueles que passam por altos e baixos na fé Cristo. Mas propriamente neste capítulo, se volta para a apostasia – que se trata da deserção premeditada da fé. O texto trata a respeito daqueles que “uma vez foram iluminados” (Hb. 6.4), por conseguinte, aqueles que tiveram uma experiência real de fé. Há elementos bíblicos suficientes para fazer essa afirmação, considerando que tais crentes: “provaram o dom celestial, e se fizeram participantes do Espírito Santo, e provaram a boa palavra d Deus e as virtudes do século futuro” (Hb. 6.4,5). Esse é um texto cujo significado é disputado por calvinistas – aqueles que acreditam na segurança eterna dos salvos; e arminianos – que defendem a possibilidade da apostasia, mesmo para aqueles que foram salvos. A esse respeito, é preciso ter cuidado para evitar qualquer tipo de extremo. Por um lado, podemos ter convicção de que temos a segurança da salvação, e não podemos viver instáveis em relação à providência divina para a vida eterna. A salvação não depende de nós, é um ato divino do início até ao fim, de modo que temos firmeza que Aquele que iniciou a boa obra a concluirá (Fp. 1.6). De outro modo, não podemos negar a possibilidade da apostasia, inclusive para aqueles que uma vez professaram a fé cristã, esse é justamente o significado da apostasia - deserção. Esse, na verdade, é o pecado contra o Espírito Santo, resultando na impossibilidade do arrependimento, tendo em vista que é o Espírito que convence do pecado (Lc. 12.8-10; Mt. 12.31; Mc. 3.29; Jo. 16.8). Portanto, calvinistas e arminianos devem se render à veracidade desse texto, e não acharem que uma vez salvos, salvos para sempre. E ao mesmo tempo, também não devem achar que a salvação se perde por qualquer motivo.

3. A ESPERANÇA POR COISAS MELHORES
A abordagem do autor da Epístola aos hebreus é a de um pastor-mestre, não apenas está interessado em apresentar uma série de doutrinas, mas também em estimulá-los a seguir adiante. Por isso a eles se dirige afirmando esperar “coisas melhores e coisas que acompanhem a salvação” (Hb. 6.9). O pastor-mestre não apenas adverte os crentes, também os impulsiona a seguirem adiante, admoestando-os a buscarem crescimento espiritual. É bem verdade que, por causa da fé, enfrentamos muitas adversidades, mas “Deus não é injusto para se esquecer da vossa obra e do trabalho de amor que, para com o seu nome mostrastes, enquanto servistes aos santos e ainda servis” (Hb. 6.10). Essa é uma mensagem que os motivou a enfrentarem as lutas, a fim de que perseverassem “até o fim, para completa certeza da esperança” (Hb. 6.10). E, de igual modo, não serem negligentes na caminhada, antes “sendo imitadores dos que, pela fé e paciência, herdam as promessas” (Hb. 6.12). Um desses exemplo é Abraão, pois demorou muito tempo até que ele visse o cumprimento das promessas do Senhor em sua vida. Mas não se desesperou, “esperando com paciência, alcançou a promessa” (Hb. 6.15). O Deus nos qual cremos é de promessas, e Ele vela pela Sua palavra para cumprir (Mt. 24.35). Temos a esperança de que ao Seu tempo Ele fará tudo aquilo que prometeu. Essa deve ser a âncora da nossa alma (Hb. 6.19), a bússola que norteará nossas decisões, ainda que essas sejam contrárias à maioria. Temos ainda um exemplo maior que o de Abraão, o próprio Cristo, que é Sacerdote e Precursor do crente, ou seja, aquele que está adiante de nós, mostrando o caminho que deve ser seguido (Hb. 6.20).

CONCLUSÃO
A perseverança na fé deve ser ensinada nas igrejas, como forma de estimular os crentes a seguirem adiante, não se acomodando nos rudimentos da doutrina. Mas isso precisa ser feito com equilíbrio, a fim de evitar que resulte em insegurança em relação à salvação, que nos foi providenciada graciosamente, através do nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo, que é Sacerdote e Precursor, daqueles que carregam a cruz do discipulado (Mt. 16.24).

BIBLIOGRAFIA
LAUBACH, F. Hebreus. Curitiba: Esperança, 2000.
WEIRSBE, W. Be confident: Hebrews. Colorado Springs: David Cook, 2009.

CRISTO É SUPERIOR A ARÃO E À ORDEM LEVÍTICA

                     Texto Áureo: Hb. 4.14 – Texto Bíblico: Hb. 4.14-16; 5.1-14


INTRODUÇÃO
O escritor da Epístola aos Hebreus ressalta a superioridade do sacerdócio de Cristo em comparação com o de Arão. E nesse particular, observamos uma predominância temática, recorrente em várias passagens. Ele destaca, conforme estudaremos na aula de hoje, que Jesus foi chamado por Deus como um Sumo Sacerdote, segundo a ordem de Melquisedeque (Hb. 5.10). A partir dessa temática, o escritor irá mais uma vez admoestar seus destinatários para que não sejam de dura cerviz, e para que deem ouvidos à Palavra de Deus (Hb. 5.11).

1. A SUPERIORIDADE DO SACERDÓCIO DE CRISTO
Antes da destruição do Templo de Jerusalém (70 a. C.), o ofício sacerdotal era fundamental na prática do judaísmo. Em tais ocasiões o sangue de animais era derramado e orações eram direcionadas a Deus, pelo pecado dos israelitas. Tais práticas remetem a tempos antigos na tradição hebraica, o próprio Abel e seu irmão Caim, o fizeram. A esses podem ser acrescentados: Abraão, Isaque e Jacó, os patriarcas do povo hebreu. De certo modo, podemos afirmar que o cristianismo tem seu fundamento no próprio judaísmo, pois “visto que temos um grande sumo sacerdote, Jesus, Filho de Deus, que penetrou nos céus” (Hb. 4.14). Ele não é um sacerdote comum, mas um “grande sumo sacerdote”, e essa é a razão pela qual devemos reter “firmemente a nossa confissão”. E mais, na perspectiva negativa, “não temos um sumo sacerdote que não possa compadecer-se das nossas fraquezas: porém um que, como nós, em tudo foi tentado, mas sem pecado” (Hb. 4.15). A identificação desse Grande Sumo Sacerdote é importante, pois Ele foi tentado em tudo: na concupiscência da carne, na concupiscência dos olhos, e na soberba da vida. E porque Ele foi tentado em tudo “mas sem pecado”, pode nos representar diante do Pai, pois como caímos todos em Adão, em Cristo igualmente somos vivificados. Ele se identifica com cada um de nós, sendo capaz de entrar não apenas no Santo dos Santos, mas no trono do próprio Deus, nos céus. Oportunizando que: “cheguemos, pois, com confiança ao trono da graça, para que possamos alcançar misericórdia e achar graça, a fim de sermos ajudados em tempo oportuno” (Hb. 4.16).

2. AS QUALIFICAÇÕES DO SACERDÓCIO DE CRISTO
Para que o sacerdócio levítico fosse aprovado por Deus, bem como o próprio sacerdócio de Cristo, fazia-se necessário que algumas qualificações fossem consideradas. A esse respeito, é preciso destacar que a “ordem” do sacerdócio de Cristo se difere daquele dos sacerdotes levíticos. Em ambos os casos, um homem foi escolhido, para representar o povo, na presença de Deus. Por isso, como sacerdote, Jesus foi “tomado dentre os homens” (Hb. 5.1). E seguindo a prática sacerdotal judaica, “para que ofereça dons e sacrifícios pelos pecados” (Hb. 5.1). Como Sumo Sacerdote, Jesus “pode compadecer-se”, isso mostra que Ele não desconsidera nossa condição humana, e mais que isso, que ele tem simpatia, no sentido etimológico do termo”, sofre conosco. Ele conhece nossa natureza, e sabe que somos pó, e que dependemos de Deus, inclusive para vencer as tentações/provações. Uma das qualificações de Cristo, em comparação ao sacerdócio levítico, é que o sacerdote levítico deveria oferecer sacrifícios “tanto pelo povo como também por si mesmo” (Hb. 5.3). Por oposição, o sacerdócio de Cristo tinha procedência divina, para tanto o autor recorre a Sl. 2.7 e ao 110.4, a fim de mostrar que Jesus, diferentemente do sacerdócio aaronico, seguia a ordem de Melquisedeque. Este foi um sacerdote-rei da cidade estado de Salém – antiga Jerusalém – nos tempos em que Abraão resgatou Ló do cativeiro. E seguindo essa ordem, Jesus mostrou ser superior, pois Ele não apenas morreu pelos pecados da humanidade, também ressuscitou vindo a ser “a causa de eterna salvação para todos os que lhe obedecem” (Hb. 5.9). A obediência é importante no contexto da Epístola aos Hebreus, pois o próprio Cristo “aprendeu a obediência”, e todos aqueles que O seguem também devem aprendê-la.

3. CHAMADOS PARA A MATURIDADE ESPIRITUAL
A maturidade cristã é um dos desafios fundamentais para o desenvolvimento da fé. Espera-se que, com o passar do tempo, os cristãos sejam “mestres” (Hb. 5.12), ou seja, que possam ensinar a outros os fundamentos da verdade. A esse respeito, devemos ressaltar que o ministério do ensino, muito embora seja específico para alguns (Ef. 4.11), também tem sua expressão coletiva, para a totalidade da igreja. Não podemos deixar de destacar que na Grande Comissão Jesus ordenou aos seus discípulos, o ministério do ensino quando os instruir para que “ensinassem todas as nações” (Mt. 28.19). A esse respeito, aproveitamos para ressaltar que uma igreja séria obrigatoriamente estará comprometida com o ensino da Palavra de Deus. Essa não é uma opção, antes uma condição, para a própria existência da igreja. A busca pela maturidade espiritual deve ser perseguida, por isso os pastores, e a liderança em geral, devem envidar esforços, para que a igreja esteja alicerçada na doutrina de Cristo. O problema daquela comunidade cristã, e de muitas outras nos dias atuais, é que eles não estavam avançando, por isso careciam sempre está retornando aos rudimentos das palavras de Deus (Hb. 5.12). Nada há de errado em voltar aos fundamentos da nossa fé, mas é preciso ter cuidado para não ficar apenas neles (II Pe. 3.18; Ef. 4.15). E no caso específico daqueles crentes, eles queriam permanecer na religiosidade judaica, algo que já havia caducado, depois da suprema revelação em Cristo (Hb. 1.1,2).

CONCLUSÃO
Temos um sacerdócio que é superior ao levítico, pois nosso Sumo Sacerdote é “grande”, maior que o de Arão, cujos sucessores precisavam sacrificar não apenas pelo povo, mas por eles mesmos. Cristo é Sumo Sacerdote segundo Melquisedeque, portanto, de uma ordem que não é meramente humana, antes eterna e celestial, por isso deve nos motivar a seguirmos crescendo na fé, e a não permanecermos restritos aos rudimentos antigos da fé.

BIBLIOGRAFIA
PFEIFFER, C. The Epistle to the Hebrews. Chicago: Moody Press, 1962.
WEIRSBE, W. Be confident: Hebrews. Colorado Springs: David Cook, 2009.

JESUS É SUPERIOR A JOSUÉ O MEIO DE ENTRAR NO REPOUSO DE DEUS


Texto Áureo: Hb.3.11 – Texto Bíblico: Hb. 4.1-13


INTRODUÇÃO
Um dos maiores anseios do povo hebreu, depois de peregrinar pelo deserto, era o de chegar a Canaã, onde encontraria repouso. Na verdade, o shabat sempre foi uma marca distintiva da aliança daquele povo com Deus. No entanto, conforme estudaremos na lição de hoje, aquele apenas apontava para “outro repouso”, o que seria dado por Jesus, que haveria de aliviar a carga daqueles que estavam entregues à mera religiosidade (Mt. 11.28).

1. UMA MENSAGEM SUPERIOR A DE JOSUÉ
Josué, o sucessor de Moisés, foi o responsável de conduzir o povo até Canaã. Tanto este quanto aquele foram veementes em relação à necessidade de obediência à Palavra de Deus. O autor da Epístola aos Hebreus considera que a mensagem de Josué foi um tipo de evangelho, que exigiu a credulidade dos israelitas, casos esses quisessem entrar na Terra Prometida. Em Hb. 4.2 e 6, aparece o verbo grego euangelizomai, que significa evangelizar. A mensagem trazida por Josué aos antigos israelitas não deixa de ser uma “boa nova”, mas que não se compara ao evangelho de Jesus Cristo. O que há de comum tanto em um quanto em outro, é a exigência de obediência, e em relação ao último, o perigo seria maior, casos aqueles cristãos hebreus se tornassem incrédulos. A desobediência (gr. apeithei) é uma demonstração de infidelidade, uma condição que se põe à graça de Deus. Por isso o autor alerta quanto ao risco de “cair no exemplo de desobediência” dos antigos hebreus, que desprezaram tanto a mensagem de Moisés quanto a de Josué. Portanto, deveriam ser sensíveis à Palavra de Deus, e não endurecerem (gr. sklerinõ) o coração. O coração do homem é endurecido pela sua incredulidade, apenas no contexto de um hebraísmo linguístico, pode-se conceber que é Deus, como a causa principal de todas as coisas, que endurece o coração do homem (Rm. 1.28, 29).

2. AINDA A PROMESSA DE OUTRO REPOUSO
O povo de Israel sempre viveu sob a égide da promessa do repouso de Deus, isso porque Ele mesmo estabeleceu o shabat como o descanso, e sinal da aliança mosaica. Após o processo da criação, conforme registrado no Genesis, o próprio Deus descansou (Gn. 2.1-3). Esse descanso teve um significado importante para os israelitas, e antecipava um repouso mais amplo, que para eles se concretizou em seu estabelecimento na terra prometida. O autor da Epístola aos Hebreus expande o alcance dessa promessa, ao reconhecer que “resta ainda um repouso para o povo de Deus” (Hb. 4.9). Esse repouso é o próprio Cristo, por meio de quem encontramos descanso para nossas almas (Mt. 11.28), nEle podemos ter a convicção de que a fé cristã não é mera religiosidade. Antes é um encontro com uma Pessoa, um Salvador que nos livra do fardo do pecado, e que nos conduz à vida eterna (Jo. 3.16). A terra prometida, e conquistada pelos israelitas, ainda é objeto de disputa nos dias atuais. Mas nós, os cristãos salvos em Jesus Cristo, temos a certeza de uma habitação celestial, onde estaremos para sempre com o Senhor. Quando ali chegarmos, a morte terá sido tragada na vitória (I Co. 15.54). Não podemos perder o céu de vista, por isso devemos manter firmes nossa esperança, cientes que a trombeta vai soar, e que os mortos em Cristo ressuscitarão (I Ts. 4.13-17). Portanto, “procuremos, pois, entrar naquele repouso, para que ninguém caia no mesmo exemplo de desobediência” (Hb. 4.11).

3. A EFICÁCIA DA PALAVRA DE DEUS
Na expectativa de adentrar àquele repouso, devemos atentar para a Palavra de Deus, sendo essa viva, eficaz e penetrante. Essa é uma palavra vivificadora, (gr. zoe) pois é o próprio Filho de Deus, que é o logos de Deus (Jo.1.1), que é poderoso para dar vida àqueles que se dobram diante da voz do Espírito, que se expressa por meio da Palavra, cujo testemunho se encontra nas Escrituras. Ela também é eficaz (gr. energes) e tem poder para cumprir o que se propõe, não retornando vazia (Is. 55.11). A palavra de Deus é capaz de transformar o pecador, de fazer com que esse mude a rota da sua vida, e passe a se conduzir não pelas suas vontades, mas pela agradável, boa e perfeita vontade de Deus (Rm. 12.1,2). O poder dessa Palavra é atestado pelo seu alcance: “mais penetrante do que qualquer espada de dois gumes, e penetra até à divisão da alma, e do espírito, e das juntas e medulas, e é apta para discernir os pensamento e intenções do coração” (Hb. 4.12). Quando nos colocamos diante da Palavra de Deus, não apenas a escutamos e a interpretamos, ela também discerne nossos pensamentos e intenções. Podemos afirmar, com convicção que somos lidos pela Palavra de Deus, ela perscruta nossas ideologias, de tal modo que não podemos negar sua eficácia. A palavra dos homens deve submeter-se à Palavra de Deus, pois passarão céus e terra, mas Sua Palavra não passará (Mt. 24.35).

CONCLUSÃO
Vivemos na expectativa do repouso, trabalhos diuturnamente, na esperança que chegue nosso descanso. Este é legítimo, e mais importante, necessário, contudo, “há ainda um descanso para o povo de Deus”. Não podemos esquecer que o céu é nossa morada celestial, e que um dia estaremos para sempre com o Senhor Jesus (Jo. 14.1). Para tanto devemos manter firmes nossa convicção na Palavra de Deus, e não endurecer o coração, amando mais o presente século que a habitação celestial.

BIBLIOGRAFIA
LAUBACH, F. Hebreus. Curitiba: Esperança, 2000.
WEIRSBE, W. Be confident: Hebrews. Colorado Springs: David Cook, 2009.

A SUPERIORIDADE DE JESUS EM RELAÇÃO A MOISÉS


Texto Áureo: Hb.3.3 – Texto Bíblico: Hb. 3.1-19


INTRODUÇÃO
Os crentes hebreus tinham Moisés na mais alta estima, por considerarem ter sido ele um fiel servo de Deus, e mediador de uma sublime aliança. Em resposta a esse postulado, o autor da Epístola aos Hebreus destaca que Cristo é superior a Moisés, pois aquele foi o edificador da Casa, enquanto que este foi apenas um servo. Na lição de hoje, a partir de elementos comparativos, destacaremos o papel desses dois personagens, ressaltando Cristo, como servo de uma aliança superior.

1. O APOSTOLADO DE CRISTO
O autor da Epístola aos Hebreus se dirige aos “irmãos santos”, considerando que esses foram santificados por Cristo (Hb. 3.1). Essa referência mostra que eles se encontravam em uma condição privilegiada, tendo se tornado participantes (gr. metachoi) de uma vocação celestial (Hb. 6.4; 12.8). Jesus é o enviado de Deus, a fim de realizar uma obra sublime, superior àquela desenvolvida por Moisés. Isso porque Deus nos falou, nesses últimos dias, através do Seu Filho (Hb. 1.2). Por esse motivo, somos advertidos a confessar que Cristo é o Senhor, apóstolo e sacerdote de Deus. Jesus é alguém que se identifica conosco, que conhece nossas limitações, Ele sabe o que é padecer (Is. 53). É o enviado de Deus não apenas para proclamar a verdade, mas também para manifestá-la (Hb. 1.2,3). Ele veio para estabelecer uma casa, na qual constituiu filhos, irmãos e irmãs, na edificação de uma família (Hb. 3.6). Por causa dessa realidade, somos advertidos a manter nossa confissão (gr. homologia), colocando nossa confiança nEle, a fim de que possamos desfrutar da segurança eterna. Não apenas em condições favoráveis, mas também em situações difíceis, semelhantes àquelas que passavam os crentes hebreus. Os cristãos devem professar o senhorio de Cristo em suas vidas, e saber que isso não lhes garantirá qualquer benefício, na verdade, em alguns contextos, identificar-se como cristão pode trazer muito problemas. Mas é o que devemos fazer, para não sermos envergonhados na eternidade (Mt. 10.32-29).

2. MOISÉS E JESUS, MISSÕES COMPARADAS
É inegável o papel que Moisés exerceu na fé judaica, sendo respeitado por ter comunicado a palavra de Deus ao povo. O pressuposto era o de que os anjos haviam declarado a Lei, e Moisés a entregou lealmente ao povo (Hb. 3.2,5). Mas Jesus obteve maior glória que Moisés, pois este foi um servo temporário, enquanto Cristo é o Filho eternamente. Moisés não passou de uma testemunha que testificou das coisas que iriam acontecer posteriormente, enquanto que Cristo é a própria revelação (Hb. 1.1,3). Moisés foi um mordomo na casa, mas Cristo era o próprio dono. Por isso Moisés tinha apenas parte na casa, Cristo, por sua vez, foi o Construtor (Hb. 3.6). Moisés foi um servo fiel e amoroso a Deus, mas Cristo era e é Deus eternamente. Sendo assim, desconsiderar Cristo e retornar para Moisés representava, no contexto da Epístola aos Hebreus, bem como na aos Gálatas (Gl. 1.7-9), voltar do Maior para o menor, abandonar o eterno em favor do temporário. Por analogia, seria como sair do Ensino Médio e retornar para o Ensino Fundamental. Portanto, os crentes hebreus deveriam lembrar que deixar Cristo seria abandonar a casa de Deus, e perder a segurança que Ele mesmo proveu. Não é difícil encontrar nestes dias, em alguns arraiais evangélicos, líderes que querem substituir a graça de Cristo pelo legalismo judaico. Existem até aqueles que querem transformar a igreja em verdadeiras comunidades judaicas, restaurando rudimentos antigos, que não fazem sentido, nem têm respaldo bíblico, à luz do evangelho de Jesus.

3. UMA ADVERTÊNCIA Á PERSEVERANÇA
O autor da Epístola aos Hebreus adverte os crentes para que atentem para o passado de Israel, que endureceu seu coração diante da palavra de Deus (Hb. 3.7). Os cristãos, naqueles tempos difíceis, bem como nos dias atuais, devem manter a confiança em Deus até o fim (Hb. 3.14). O perigo da apostasia ronda os arraiais cristãos, e não poucos, por causa da perseguição, abandonam a fé. Com base no Sl. 95, o autor mostra o juízo que sobreveio a uma geração porque não creu na Palavra de Deus. Em Ex. 17 e Nm 20, os israelitas esqueceram e se rebelaram contra o Senhor, trazendo sobre eles mesmos as penalidades da transgressão. Essa mensagem é bastante contundente ainda hoje, considerando que muitos não estão levando a sério a Palavra de Deus. Há pessoas que aderem com facilidade a determinados modelos evangélicos, sobretudo aqueles que prometem prosperidade material, mas se distanciam do convívio cristão, tão logo passam pela primeira provação. No cristianismo não é importante apenas começar bem, é preciso também terminar bem. De nada adiante começar pelo Espírito, mas finda na carne. A fé cristã deve estar alicerçada na Palavra de Deus, e não em nossos sentimentos enganadores, muito menos em milagres, que ao invés de fortalecerem a confiança, podem nos tornar dependentes deles. Os israelitas viram muitos sinais durante a peregrinação pelo deserto, mas esses não foram suficientes para mantê-los firmes na Palavra.

CONCLUSÃO
A palavra de Deus deve ser ouvida constantemente, não podemos incorrer no risco de nos afastar dessa grandiosa salvação. Se por um lado, podemos desfrutar positivamente do livramento que nos foi dado pelo Senhor, por outro, negativamente, poderemos trazer condenação sobre nós, caso venhamos a desistir da caminhada. Portanto, quem tem ouvidos ouça o que o Espírito diz às igrejas, e “se ouvirdes a sua voz, não endureçais o vosso coração, como na provação” (Hb. 3.15).

BIBLIOGRAFIA
BROWN, R. The message of Hebrews. Downers Grove: IVP, 1982.
LAUBACH, F. Hebreus. Curitiba: Esperança, 2000.

UMA SALVAÇÃO GRANDIOSA


Texto Áureo: Hb. 2.3 – Texto Bíblico: Hb. 2.1-18


INTRODUÇÃO
Os cristãos hebreus arriscavam-se, caso deixassem de atentar para a grandiosa salvação, providenciada por Deus. Por isso, conforme estudaremos na lição de hoje, fazia-se necessário persistir, mesmo diante do sofrimento, tendo Jesus como Expoente. Isso porque, através do Seu sacrifício, nos proveu a libertação, dando-nos, também, pelo Seu Espírito, a capacidade para vencer as provações.

1. UMA TÃO GRANDE SALVAÇÃO
A salvação que nos foi favorecida em Cristo é superior a atuação dos anjos, por isso não pode ser ignorada, ou mesmo esquecida. Essa “tão grande salvação” não foi trazida por intermédio dos anjos, como se acreditava ter ocorrido no judaísmo (Dt. 33.2; Gl. 3.19). A salvação tem relação direta com sua mensagem, não se trata, portanto, apenas de uma experiência subjetiva, distanciado do conteúdo bíblico. E essa mensagem foi declarada inicial pelo Senhor, e se encontra registrada nos Evangelhos, mas que também foi confirmada por aqueles que a ouviram, e pode ser conferida no texto neotestamentário. O testemunho desses é confirmado pelo próprio Deus, que se revelou nesses últimos dias através do Seu Filho (Hb. 1.1,2). Jesus é o Logos que se fez carne, e por esse motivo, nenhuma revelação pode ser comparada a Ele, pois nEle habita a plenitude da divindade, sendo Ele a Palavra Definitiva de Deus à humanidade (Jo. 1.1,14; Cl. 2.9). Por esse motivo, aqueles que se apartam dessa “grandiosa salvação” correm grave risco, pois se colocam debaixo da justa retribuição divina. Nesses tempos de lassidão evangélica, que não leva a sério a mensagem salvífica de Deus em Cristo, é preciso lembrar que há um juízo para aqueles que desconsideram o evangelho.

2. ALCANÇADA PELO SOFRIMENTO DE CRISTO
Conforme ressaltamos anteriormente, os anjos eram estimados naquela comunidade, por isso são abordados pelo autor, principalmente para ressaltar a supremacia de Cristo sobre eles. A fim de mostrar essa distinção e superioridade, o autor recorre a várias passagens do Antigo Testamento, que apontam para a autoridade de Cristo. Com base no Sl. 8, enfatiza não apenas que Jesus assumiu nossa humanidade, mas que também é o Homem Ideal, o projeto inicial de Deus (Hb. 2.9). E digno de destaque, para concretizar a salvação da humanidade, precisou adentrar pelo caminho do sofrimento (Hb. 2.10). Devemos atentar para essa condição, sobretudo nos dias atuais, nos quais os cristãos querem a glória, antes de carregarem a cruz. Aqueles que são discípulos de Jesus devem saber que existe uma cruz a ser carregada, e essa é uma demonstração de que nos identificamos com Ele (Mt. 16.24). O slogan evangélico “pare de sofrer” nada tem a ver com a mensagem genuinamente cristã. O próprio Cristo disse: “no mundo tereis aflições” (Jo. 16.33), e Paulo declarou que: “todos aqueles que piamente querem viver em Cristo Jesus padecerão perseguições” (II Tm. 3.12). O cristianismo sem sofrimento, que não admite uma cruz, é um cristianismo sem Cristo.

3. NOSSO LIBERTADOR
Uma das principais necessidades do homem é a de um Libertador, ainda que esse o busque onde não pode ser encontrado. Uma das maiores ilusões da filosofia moderna é a política, pois promete aquilo que não pode oferecer à humanidade. O grande mal que assola a sociedade é o pecado, com seu poder destrutivo, além de corromper os relacionamentos humanos, ainda distancia o pecador dAquele que o criou (Rm. 3.23). O salário desse é terrível, e o conduz à angústia extrema, por não saber como lidar com a morte (Rm. 6.23). Esta certamente era temida por alguns daqueles crentes hebreus, que estavam sendo perseguidos, e não sabiam o que lhes aconteceria, depois que a morte os alcançasse. Muitos cristãos, influenciados pela cultura moderna, também vivem assustados diante da morte, desconsiderando que essa é uma inimiga vencida no calvário (I Co. 15.54,55). Reconhecemos, no entanto, que essa vitória será consumada em sua plenitude no futuro, por ocasião da vinda de Jesus para ressuscitar e arrebatar os Seus (I Ts. 4.13-17). Enquanto esse dia não chega, devemos permanecer firmes nas promessas divinas, não podemos vacilar diante das perseguições. E temos motivos para perseverar, pois temos um Sacerdote que se idêntica com nossos sofrimentos, “sendo tentado, padeceu, pode socorrer aos que são tentados” (Hb. 2.18). A palavra peirazo, no grego do Novo Testamento, tanto pode significar “tentação” quanto “provação”. Nessa passagem, é mais apropriado considerar que Jesus foi provado, que sabe o que é ser testado, por isso se identifica com nossas dores.

CONCLUSÃO
Jesus é superior aos anjos, a mensagem por Ele anunciado, e confirmada pelos discípulos, é digna de crédito. Ela nos liberta dos medos, especialmente da morte, pois Ele é a ressurreição e a vida (Jo. 11.24,25). A grandiosa salvação que nos foi favorecida, através do sacrifício vicário de Cristo, é a garantia de que seremos alcançados por Sua misericórdia, sendo Ele nosso Sacerdote. E mais, nos dará forças para prosseguir, e sermos mais do que vencedores (Rm. 8.37).

BIBLIOGRAFIA
BROWN, R. The message of Hebrews. Downers Grove: IVP, 1982.
KISTEMAKER, S. HebreusSão Paulo: Cultura Crista, 2003.

A CARTA AOS HEBREUS E A EXCELÊNCIA DE CRISTO


TEXTO ÁUREO
Havendo Deus, antigamente, falado, muitas vezes e de muitas maneiras, aos pais, pelos profetas, a nós falou-nos, nestes últimos dias, pelo Filho(Hb 1.1).

VERDADE PRÁTICA
Por meio de Cristo, Deus revelou-se de uma forma especial e definitiva ao seu povo.

LEITURA DIÁRIA
Segunda — 2Tm 3.16
Hebreus, uma carta inspirada como as demais do Novo Testamento
Terça — 1Tm 3.16
Cristo, manifestado em carne
Quarta — Hb 1.1
A revelação profética na Antiga Aliança
Quinta — Hb 1.2,3
Cristo, a revelação final de Deus
Sexta — Hb 1.4,5
Cristo, superior aos anjos em natureza e essência
Sábado — Hb 1.6-8
Cristo, superior aos anjos em majestade e deidade

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE

Hebreus 1.1-14.
1 — Havendo Deus, antigamente, falado, muitas vezes e de muitas maneiras, aos pais, pelos profetas, a nós falou-nos, nestes últimos dias, pelo Filho,
2 — a quem constituiu herdeiro de tudo, por quem fez também o mundo.
3 — O qual, sendo o resplendor da sua glória, e a expressa imagem da sua pessoa, e sustentando todas as coisas pela palavra do seu poder, havendo feito por si mesmo a purificação dos nossos pecados, assentou-se à destra da Majestade, nas alturas;
4 — feito tanto mais excelente do que os anjos, quanto herdou mais excelente nome do que eles.
5 — Porque a qual dos anjos disse jamais: Tu és meu Filho, hoje te gerei? E outra vez: Eu lhe serei por Pai, e ele me será por Filho?
6 — E, quando outra vez introduz no mundo o Primogênito, diz: E todos os anjos de Deus o adorem.
7 — E, quanto aos anjos, diz: O que de seus anjos faz ventos e de seus ministros, labareda de fogo.
8 — Mas, do Filho, diz: Ó Deus, o teu trono subsiste pelos séculos dos séculos, cetro de equidade é o cetro do teu reino.
9 — Amaste a justiça e aborreceste a iniquidade; por isso, Deus, o teu Deus, te ungiu com óleo de alegria, mais do que a teus companheiros.
10 — E: Tu, Senhor, no princípio, fundaste a terra, e os céus são obra de tuas mãos;
11 — eles perecerão, mas tu permanecerás; e todos eles, como roupa, envelhecerão,
12 — e, como um manto, os enrolarás, e, como uma veste, se mudarão; mas tu és o mesmo, e os teus anos não acabarão.
13 — E a qual dos anjos disse jamais: Assenta-te à minha destra, até que ponha os teus inimigos por escabelo de teus pés?
14 — Não são, porventura, todos eles espíritos ministradores, enviados para servir a favor daqueles que hão de herdar a salvação?

HINOS SUGERIDOS
306, 439 e 561 da Harpa Cristã.

OBJETIVO GERAL
Apresentar as características da Carta aos Hebreus e a superioridade de Cristo.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS
Abaixo, os objetivos específicos referem-se ao que o professor deve atingir em cada tópico. Por exemplo, o objetivo I refere-se ao tópico I com os seus respectivos subtópicos.

  • I. Pontuar a autoria, o destinatário e o propósito da Carta de Hebreus;
  • II. Expor a superioridade de Cristo em relação aos profetas;
  • III. Mostrar a superioridade de Cristo em relação aos anjos.
INTERAGINDO COM O PROFESSOR
Prezado(a) professor(a), iniciaremos mais um trimestre pela graça de Deus. A carta de Hebreus é o objeto do nosso estudo nestes próximos três meses. Antes de iniciar o estudo da primeira lição em classe, apresente o comentarista deste trimestre: pastor José Gonçalves, escritor, conferencista, comentarista de Lições Bíblicas Adultos da CPAD, membro da Comissão de Apologética da CGADB e líder da Assembleia de Deus em Água Branca — PI.

INTRODUÇÃO
Nesta lição introdutória do nosso estudo da Carta aos Hebreus, queremos iniciar dizendo que assim como todos os escritos da Bíblia, esta carta é um documento especial. Em nenhum outro documento do Novo Testamento encontramos um apelo exortativo tão forte. Isso possuía uma razão de ser — os crentes hebreus davam sinais de enfraquecimento espiritual e até mesmo o risco de abandonarem a fé! Era, portanto, urgente admoestá-los a perseverarem. Jesus, a quem o autor mostra ser maior do que os profetas, maior do que todas as hostes angélicas, maior do que Arão, Moisés, Josué e até mesmo os céus, é nosso grande ajudador nessa jornada.

PONTO CENTRAL
A carta de Hebreus é uma mensagem de instrução e exortação que serve à Igreja de Cristo ao longo dos séculos.

I. AUTORIA, DESTINATÁRIO E PROPÓSITO
1. Autoria. A Carta aos Hebreus não revela o nome do seu autor. Esse fato fez com que surgissem inúmeras controvérsias em torno de sua autoria. É certo que os cristãos primitivos sabiam quem realmente a escreveu; todavia, já por volta do segundo século da nossa era não havia mais consenso quanto a isso. Clemente de Alexandria, no final do segundo século, atribuiu ao apóstolo Paulo a sua autoria, contudo, ao afirmar que Paulo a escreveu em hebraico e que Lucas a teria traduzido para o grego, passou a ser duramente questionado. As razões são basicamente duas: O texto de Hebreus, um dos mais rebuscados do Novo Testamento grego, não parece ser uma tradução. Por outro lado, o estilo usado na carta não parece ser de forma alguma de Paulo. Outros nomes surgiram como possíveis autores de Hebreus: Barnabé, Apolo, Lucas, Clemente Romano, etc. O certo é que somente Deus sabe quem é o seu autor. Por outro lado, o fato de ter sua autoria desconhecida em nada diminui a sua autoridade.
2. Destinatários. Não há dúvida de que a Carta aos Hebreus foi escrita para cristãos judeus. Deve ser observado que essa carta foi endereçada a uma comunidade específica de cristãos e não a um grupo indeterminado. O autor conhece o público a quem endereça o seu texto e espera até mesmo encontrar-se com eles (Hb 13.19,23). Onde viviam esses crentes é um ponto debatido pelos teólogos. Baseados na expressão “os da Itália vos saúdam” (Hb 13.24), muitos eruditos argumentam que esses crentes se encontravam fora de Roma, capital do Império Romano. A data da carta é motivo de disputa, mas as evidências internas permitem-nos situá-la antes da destruição do Templo de Jerusalém no ano 70 d.C.
3. Propósito. O escritor I. Howard Marshal observa que Hebreus combina instrução com exortação. De fato, essa carta possui uma grande carga exortativa. Ela exorta os crentes a terem ânimo, confiança e fé em um tempo marcado pela apostasia. Muitos pareciam estar desanimados com a oposição que a nova fé vinha sofrendo e em razão disso estavam voltando às antigas práticas judaicas. A carta, portanto, exorta esses crentes a suportarem as pressões e perseguições, lembrando-os que não haviam ainda derramado sangue pela sua fé (Hb 12.4). Essas palavras continuam ecoando nesses dias quando muitos crentes demonstram apatia e falta de fervor espiritual diante de um mundo hostil.

SÍNTESE DO TÓPICO (I)
A autoria de Hebreus é desconhecida; seus destinatários eram cristãos judeus; seu propósito, exortar os cristãos a terem ânimo e fé.

SUBSÍDIO DIDÁTICO
Professor(a), para introduzir o primeiro tópico desta lição, se possível, reproduza o quadro-resumo que se encontra abaixo. O objetivo é pontuar as questões de autoria, destinatário e propósito da carta em estudo.

CONHEÇA MAIS
Hebreus: Inigualável e não convencional
“Com relação à sua forma inigualável e não convencional, Orígenes observou: ‘Começa como um tratado, prossegue como um sermão e termina como uma carta’. Ao invés de iniciar com uma saudação, o primeiro parágrafo de Hebreus é semelhante às palavras de abertura de um tratado teológico formal (1.1-4). Então, o livro prossegue mais como um sermão do que como uma carta convencional do Novo Testamento, alternando-se entre um argumento cuidadosamente construído (baseado em uma exposição do Antigo Testamento) e uma séria exortação”. Para conhecer mais leia Comentário Bíblico Pentecostal Novo Testamento, CPAD, pp.1529-39.

II. CRISTO — A PALAVRA SUPERIOR A DOS PROFETAS
1. A revelação profética e a Antiga Aliança. Ao falar da supremacia de Jesus, o autor de Hebreus primeiramente o faz em relação aos profetas. Deus falou no passado pelos profetas e no presente pelo Filho (Hb 1.1). A revelação profética no antigo Israel fez com que esse povo se distinguisse dos demais. O autor mostra um Deus que se revela, que se comunica com os seus. Ele fala de uma forma direta a seu povo, não é um Deus mudo! Os advérbios gregos polymerôs (“muitas vezes”) e polytropos (“muitas maneiras”), que modificam o verbo falar, mostram a intensidade dessa comunicação. Deus, em nenhum momento da história, deixou o seu povo sem orientação. Ele fala, e fala sempre o que é necessário.
2. A revelação profética e a Nova Aliança. Aos cristãos da Nova Aliança, Deus falou por intermédio do seu Filho (Hb 1.1). O uso das expressões “havendo falado” ou “depois de ter falado” (Hb 1.1,2) por parte do autor mostra que essa ação de Deus foi um fato consumado. Isso tem levado alguns intérpretes a dizer que a partir daquele momento, Deus não falaria mais diretamente com ninguém. Mas isso é ir além daquilo que o autor tencionava dizer. O uso dessa expressão é mais bem entendida como significando que Deus falou de forma completa nos dias do autor, todavia, sem a conotação temporal de que não falaria mais no futuro. O Espírito profético, que é o Espírito de Cristo (1Pe 1.11; Rm 8.9,10), continua dando à Igreja hoje a percepção do plano e vontade de Deus para o seu povo (Jo 14.26; 15.26; 16.13). E isso sempre em consonância com as Escrituras.
3. Cristo: a revelação final. O objetivo do autor aqui, evidentemente, é mostrar que Cristo é o clímax da revelação profética. Ele é a revelação final! O ministério profético na Antiga Aliança era de importância ímpar. O Senhor disse que falaria por intermédio de seus profetas: “Certamente o Senhor Jeová não fará coisa alguma, sem ter revelado o seu segredo aos seus servos, os profetas” (Am 3.7). O silêncio profético, portanto, era a pior forma de castigo que poderia vir ao antigo Israel. Os profetas eram importantes, mas a relevância deles estava muito longe daquela possuída por Jesus Cristo, o Filho de Deus. Os profetas eram apenas servos, mas o Filho era o herdeiro de Deus e o agente da Criação (Hb 1.2). Ele é o redentor do mundo! Nenhum profeta morreu de forma vicária pelo povo de Deus.

SÍNTESE DO TÓPICO (II)
Da Antiga à Nova Aliança, Cristo é a revelação plena de Deus Pai, por isso, Ele é superior aos profetas.

SUBSÍDIO LEXICOGRÁFICO
REVELAÇÃO — [Do gr. apokalupsis; do lat. revelatio, tirar o véu] Manifestação sobrenatural de uma verdade que se achava oculta. Tendo em vista o caráter e a urgência das profecias do último livro da Bíblia, Apocalipse é considerado a revelação por excelência (Ap 1.1-3).
REVELAÇÃO BÍBLICA — Conhecimento divino preservado nas Sagradas Escrituras, e posto à disposição da humanidade. Consta do Antigo e do Novo Testamento. É a nossa única regra de fé e prática.
REVELAÇÃO PROGRESSIVA — Evolução progressiva e dispensacional das verdades divinas que, tendo a sua gênese no Antigo Testamento, culminaram e se completaram no Novo. O texto-áureo da revelação progressiva acha-se em Hebreus 1.1,2” (ANDRADE, Claudionor Corrêa de. Dicionário Teológico. RJ: CPAD, 1999, pp.255,56).

III. CRISTO — SUPERIOR AOS ANJOS
1. Cristo: superior em natureza e essência. Devemos ter sempre em mente que o autor de Hebreus tenciona mostrar a superioridade de Cristo em relação às demais ordens da criação. O seu foco aqui são os anjos. A cultura judaica via os anjos como seres de uma ordem superior e mediadores da revelação divina (At 7.53; Gl 3.19; Hb 2.2). Mesmo cercados de força e poder, os anjos eram inferiores ao Filho (Hb 1.4). Jesus é o reflexo da glória de Deus e possuidor da mesma essência divina (Hb 1.3). O autor usa dois vocábulos gregos que deixam isso bem definido: apaugasma e character, que significam respectivamente “radiância” e “reflexo”, traduzidos aqui como resplendor e “caráter”, com o sentido de expressão exata do seu ser. Embora sendo pessoas diferentes, tanto o Filho como o Pai possuem a mesma essência. Cristo é o Deus revelado!
2. Cristo: superior em majestade e deidade. O autor passa então a mostrar a supremacia de Cristo em relação aos anjos por meio de vários fatos documentados nas Escrituras. Os anjos são criaturas, o Filho é Criador. O filho é gerado, não criado. C. S. Lewis observa que o que Deus gera é Deus; assim como o que o homem gera é homem. O que Deus cria não é Deus; da mesma forma que o que o homem faz não é homem. Daí a razão de os homens não serem filhos de Deus no mesmo sentido que Cristo. Eles podem assemelhar-se a Deus em certos aspectos, mas não pertencem à mesma espécie. O mesmo se pode dizer dos anjos. Eles não possuem a mesma essência divina que o Filho. É por essa razão que o autor destaca que o Filho é chamado de “Deus” (v.8) e que por isso merece adoração (v.6). A Ele toda honra e glória!

SÍNTESE DO TÓPICO (III)
Jesus Cristo é superior aos anjos em relação à natureza, essência, majestade e deidade.

SUBSÍDIO BIBLIOLÓGICO
ANJOS. A palavra ‘anjo’ (hb. Malak; gr. angelos) significa ‘mensageiro’. Os anjos são mensageiros ou servidores celestiais de Deus (Hb 1.13.14), criados por Deus antes de existir a terra (Jó 38.4-7; Sl 148.2,5; Cl 1.16).
(1) A Bíblia fala em anjos bons e em anjos maus, embora ressalte que todos os anjos foram originalmente criados bons e santos (Gn 1.31). Tendo livre-arbítrio, numerosos anjos participaram da rebelião de Satanás (Ez 28.12-17; 2Pe 2.4; Jd 6; Ap 12.9; Mt 4.10) e abandonaram o seu estado original de graça como servos de Deus, e assim perderam o direito à sua posição celestial.
(2) A Bíblia fala numa vasta hostes de anjos bons (1Rs 22.19; Sl 68.17; 148.2; Dn 7.9,10; Ap 5.11), embora os nomes de apenas dois sejam registrados nas Escrituras: Miguel (Dn 12.1; Jd 9; Ap 12.7) e Gabriel (Dn 9.21; Lc 1.19,26). Segundo parece, os anjos estão divididos em diferentes categorias: Miguel é chamado de arcanjo (lit.: ‘anjo principal’, Jd 9; 1Ts 4.16); há serafins (Is 6.2), querubins (Ez 10.1-3), anjos com autoridade e domínio (Ef 3.10; Cl 1.16) e as miríades de espíritos ministradores angelicais (Hb 1.13,14; Ap 5.11)” (Bíblia de Estudo Pentecostal. RJ: CPAD, 1995, p.386).

CONCLUSÃO
O autor de hebreus não quis se identificar, mas isso em nada compromete a autoridade desse documento. Desde os primórdios, a igreja valeu-se dos ensinos dessa carta para fortalecer a fé dos crentes. Clemente de Alexandria fez amplo uso das exortações encontradas nessa carta e, ao assim fazer, reconhecia o profundo valor espiritual de Hebreus. Nesses últimos dias, onde os joelhos de muitos cristãos parecem vacilantes, faz-se necessário atentarmos diligentemente para o conselho encontrado em Hebreus, “se ouvirdes hoje a sua voz, não endureçais o vosso coração” (3.7).

PARA REFLETIR
A respeito de a Carta aos Hebreus e a Excelência de Cristo, responda:

Quem é o autor da carta aos Hebreus?
A carta aos Hebreus não revela o nome do seu autor.
Para quem a carta foi escrita e por quê?
Ela foi escrita para os cristãos judeus. O propósito da carta foi para exortar aos cristãos a terem ânimo e fé em tempos de apostasia.
Segundo as Escrituras, o Espírito de Deus deixou de falar nos dias atuais?
Não. Deus, em nenhum momento da história, deixou o seu povo sem orientação.
Qual a pior forma de castigo que poderia vir ao antigo Israel?
O silêncio profético.
Por que o escritor da Carta aos Hebreus diz que os anjos são inferiores ao Filho?
Porque os anjos são criaturas, o Filho é Criador.

SUBSÍDIOS ENSINADOR CRISTÃO

A Carta aos Hebreus e a excelência de Cristo
O tema deste 1º trimestre é sobre uma importante epístola, Hebreus, por isso, leve em conta algumas sugestões abaixo:
• Estude com afinco a Carta aos Hebreus, lendo quantas vezes puder, e for necessário, os 13 capítulos da carta;
• Faça uma análise histórico-cultural da carta. Para essa atividade, leia a introdução da Bíblia de Estudo Pentecostal (editada pela CPAD) da Carta aos Hebreus e a introdução do Comentário Bíblico Pentecostal Novo Testamento (editado pela CPAD). Por meio desse exercício é possível complementar mais informações importantes como: o propósito do autor, o contexto histórico dos destinatários da epístola.
• Faça uma análise teológica da carta. Aqui o assunto “Lei e Evangelho” tem grande relevância. Nesse aspecto, as obras mencionadas acima, bem como outras editadas pela CPAD, muito o ajudarão.
Ao iniciar seus estudos, tenha sempre em mente os objetivos gerais da lição, por exemplo, os da primeira lição: (I) Objetivo Geral: Apresentar as características da Carta aos Hebreus e a superioridade de Cristo; (II) Objetivos específicos: [1] Pontuar a autoria, o destinatário e o propósito da Carta de Hebreus; [2] Expor a superioridade de Cristo em relação aos profetas; [3] Mostrar a superioridade de Cristo em relação aos anjos.
Note como os objetivos específicos obedecem rigorosamente cada Tópico e subtópico da lição. E que o objetivo geral é o resultado do desdobramento de todos esses tópicos e subtópicos: ou seja, as características da carta e superioridade de Cristo. É importante ter toda essa estrutura da lição bem construída e compreendida na mente, pois esse entendimento é essencial para elaborar uma aula objetiva e com conteúdo.

Sugestão Pedagógica
Ao introduzir o conteúdo da primeira lição, é importantíssimo reproduzir e explicar resumidamente o esboço da Epístola aos Hebreus. Faça isso conforme as suas possibilidades. Você garantirá maior eficiência no processo de ensino-aprendizagem. Bom trimestre!

Material didático, visete: http://livroserevistasdaebd.blogspot.com.br/