RÁDIO CRISTÃ - 24 HORAS NO AR! - Pedidos de Oração e-mail: teinho@teinho.com, WhatsApp: (75)98194-7808
   
 

A ORAÇÃO NO ANTIGO TESTAMENTO


Textos: II Cr. 30.27 – I Rs. 18.31-39
E-mail: teinho@teinho.com
Msn: irmaoteinho@hotmail.com

OBJETIVO: Meditar sobre a oração no Antigo Testamento, ressaltando a intimidade dos patriarcas (Pentateuco), profetas (Maiores e Menores) e poetas (Salmos) com Deus, exemplo de fé para os cristãos.

INTRODUÇÃO: O Antigo Testamento está repleto de orações de pessoas que desfrutaram de um relacionamento íntimo com o Senhor. No estudo desta semana, enfocaremos a oração no Pentateuco (Gênesis, Êxodo, Levítico, Números e Deuteronômio), Proféticos (Isaias, Jeremias, Ezequiel, Daniel, Joel, Amós, Jonas e Habacuque) e Poéticos (Jó e Salmos). A oração dos patriarcas, profetas e salmistas, à luz do evangelho, servem de instrução para a igreja cristã.

1. A ORAÇÃO NO PENTATEUCO: O ser humano foi criado para se relacionar com Deus. Em Gn. 3.8 está escrito que Deus andava com Adão e Eva e com eles passeava no jardim pela viração do dia. Esse relacionamento rompeu-se por causa do pecado (Gn. 3.10,21). Mesmo assim, outras pessoas andaram com Deus em oração, dentre elas destacamos: Sete que começou a invocar o nome do Senhor (Gn. 4.26). Enoque é um exemplo de homem que andou com Deus, por isso, o Senhor O tomou para si (Gn. 5.24), do mesmo modo Noé, que fez tudo que o Senhor O ordenara (Gn. 7.5). Entre os patriarcas, Abraão destaca-se em intimidade com Deus, sendo esse um amigo de Deus (Gn. 15.1-4; 17.1-4). Eliezer, o servo de Abraão, aprendeu com o seu senhor a confiar em Deus (Gn. 24.13,14). Do mesmo modo o filho de Abraão, Isaque, que costumava sair para orar ao Deus de seu pai (Gn. 24.63; 26.24,25). Jacó, após padecer com os seus erros, voltou-se para o Senhor, e aprendeu a depender dEle em oração (Gn. 28.20-22). Moisés também merece lugar de destaque entre aqueles que buscavam a Deus em oração no Antigo Testamento. Ele orou a Deus desde a sua chamada, na ocasião em que reconheceu o Senhor como o EU SOU (Ex. 3.1-4). Várias vezes Moisés orou a Deus pedindo Sua intervenção (Ex. 14.13-15; 33.15-17). Mas Moisés não queria apenas receber de Deus, ele queria mais de Deus, por isso, pediu ao Senhor que se revelasse perante ele. A resposta do Senhor, foi negativa, pois ninguém poderia ver a Deus continuar vivo, mesmo assim o Deus de Israel decidiu passar Sua bondade diante de Moisés (Ex. 33.18-23). A resposta do Senhor também foi negativa quando Moisés insistiu em entrar na terra prometida (Dt. 20.12; Dt. 3.26).

2. A ORAÇÃO NOS PROFETAS: Os profetas eram arautos de Deus, homens e mulheres que buscavam a Deus e recebiam seus oráculos. Por meio da oração os profetas de Deus foram chamados à proclamar a mensagem do Senhor, assim aconteceu com Isaias (Is. 6.1-4) e Jeremias (Jr. 1.18). Diante da grandeza de Deus, esses homens reconheceram sua pequenez e condição pecaminosa. Nas Lamentações de Jeremias percebemos a intimidade de um homem que se queixa da tragédia humana diante de Deus (Lm. 5.1-3,5-9,16,17,19-22). Ezequiel, o profeta exilado, também prateia e lamenta a condição do povo de Judá no cativeiro (Ez. 9.8; 11.13). Daniel é outro profeta que intercede pelo povo, sendo este preso e condenado por buscar ao Senhor em oração (Dn.9.3-10,13,16,18,19). Os profetas, em geral, sentem a dor do povo, eles são simpáticos com as agruras de Israel e Judá, em suas orações eles clamam a Deus por livramento (Jl. 1.19,20) e atentam para os pecados e suas conseqüências (Am. 7.2,5,14,15). O profeta Jonas é um caso singular entre os profetas, pois esse foi comissionado a pregar arrependimento a nação inimiga de Israel. Ele preferiu evadir-se da responsabilidade, fugindo, mas a providência de Deus O conduziu à obediência. Jonas, por fim, ora a Deus, pedindo que o livre do perigo (Jn. 2.5-9), ainda que ele não tenha se conformado com a Soberania divina, até que, finalmente, perceba a misericórdia e longanimidade do Senhor (Jn. 4.2,3). Habacuque nos deixa um exemplo sublime de oração em meio à adversidade (Hc. 1.2-4). Ele ora pedindo um avivamento e se propõe a confiar em Deus, mesmo diante das situações desfavoráveis (Hc. 3.2-19).

3. A ORAÇÃO NOS POÉTICOS: Os livros bíblicos de poesia estão repletos de orações. A história do patriarca Jó, narrada em poesia, revela um homem de oração, que intercedia pela sua família. As orações de Jó, bem como as dos salmistas, nos ensinam a como orar e como não orar. Em meio ao desespero, Jó deseja que o Senhor o mate (Jó. 6.8,9; 9.27-34). As orações de Jó, e a de alguns salmos, não podem ser assumidas pelos cristãos. Jó chega, em determinadas circunstâncias, a mostrar desequilíbrio mental e emocional (Jó 10.1-21). A grande contribuição da narrativa de Jó está na percepção final de que Deus é soberano e que cevemos nos submeter à Sua vontade (Jó. 42.1-6). O livro de Salmos, lido à luz do evangelho de Cristo, é um compêndio instrutivo para as orações cristãs. Davi, o mavioso salmista, revela em suas orações-cânticos, intimidade profunda e adoração a Deus (Sl. 8.1; 9.1,2; 48.1; 93.1-2). Os salmitas, em geral, são pessoas dependentes do Senhor (Sl. 5.8; 6.2,3; 10.1; 13.1,2). Nos tempos de aflição eles se dirigem Àquele que pode livrar (Sl. 18.6). Diante dos seus pecados, pedem perdão a Deus (Sl. 25.18; 51.10). Por meio da oração eles confessam os seus pecados (Sl. 32.5; 51.1-8) e também agradecem a Deus pelos Seus cuidados (Sl. 30.12; 69.30; 116.17). Através dos Salmos podemos aprender a orar a Deus, a desfrutar de intimidade com Ele, a nos prostrar diante da Sua soberana vontade.

CONCLUSÃO: A oração cristã tem seu fundamento no Antigo Testamento. Os patriarcas, profetas e salmistas eram pessoas que buscavam a Deus em oração. Se quisermos aprender a orar, precisamos voltar a esses fundamentos. À luz do evangelho, podemos crescer espiritualmente atentando para as orações de homens e mulheres, tais como Davi e Ana, que desfrutaram de um relacionamento íntimo com o Senhor. E, como Elias, a orar, reconhecendo que somente o Senhor é Deus (I Rs. 18.38,39). PENSE NISSO!

Deus é Fiel e Justo!