RÁDIO CRISTÃ - 24 HORAS NO AR! - Pedidos de Oração e-mail: teinho@teinho.com, WhatsApp: (75)98194-7808
   
 

UM TIPO DO FUTURO ANTICRISTO


Textos: Dn. 11.1-36



•INTRODUÇÃO
No estudo desta semana retornaremos ao tema do anticristo, a partir da análise do império grego, com destaque para a figura de Antíoco Epifânio. Inicialmente mostraremos como o império grego se tornou proeminente. Em seguida, analisaremos historicamente o papel de Antíoco Epifânio, que viria a perseguir o povo de Deus. Ao final nos voltaremos para o anticristo, àquele que haverá de vir, e que é revelado por Jesus em Mateus, por Paulo e João em suas epístolas, e no Apocalipse.

•1. A PROEMINÊNCIA DO IMPÉRIO GREGO
Neste capítulo 11 o anjo que apareceu a Daniel no capítulo anterior continua a mostrar-lhe a revelação do futuro (Dn. 11.2). Através desse descortinamento o Senhor demonstra Sua soberania, e que está no comando da história. Como caiu o grande poder da Babilônia, cairia também os reinos da Pérsia, que seriam suplantados pelo império grego. Daniel recebe a revelação a respeito de quatro reis persas (Dn. 11.1,2), que sucederiam a Dario, o medo, e de um governante que apoiaria uma disputa contra a Grécia. Os três reis mencionados são Cambises II (530 a. C.), Gautama (522 a. C.), e Dario I (522 – 428 a. C.). O quarto rei é Xerxes (486 – 465 a. C.,), sendo esse o mais rico (Et. 1.4). Nos versículos 3 e 4 há uma alusão a Alexandre, tendo esse se tornando o grande imperador grego. Ele morreu prematuramente aos 33 anos, decorrente de uma vida dissoluta, regada bebedeira e vaidade, após ter conquistado praticamente todo o mundo conhecido. Posteriormente Daniel mostra vários reis da Síria e do Egito (Dn. 5. 2-20), em um processo de alternância entre as duas forças da época. Nos versículos 21 a 35 Daniel descreve um rei sírio bastante perverso, referência a Antíoco IV, que conquistou o poder por volta de 175 a. C., aos 40 anos de idade, tendo reinado por onze anos, até 154 a. C. Ele deu a si mesmo o título de Epifânio (o ilustre), ainda que o povo o denominasse de Epimanes (o louco). Como costumam fazer alguns governantes, conduziu seu governo com tramas maquiavélicas, recorrendo à astúcia, crueldade e intolerância. Ele foi conduzido ao império através de intrigas e adulação (Dn. 11.21), fazendo guerra contra os ptolomeus do Egito (Dn. 11.22) e alianças com inimigos (Dn. 11.23).

•2. ANTÍOCO EPIFÂNIO, UM TIPO DO ANTICRISTO
Antíoco Epifânio é considerado um tipo de anticristo por causa do seu confronto direto aos israelitas (Dn. 11.28,30). Ele odiava o povo de Deus, certamente por causa da oposição que fazia ao seu governo. Por isso profanou o templo e fez cessar os sacrifícios diários (Dn. 11.31). Teve a audácia de levantar um altar pagão no templo e mandou sacrificar um porco no altar e borrifar o sangue no templo. Ainda que tenha conseguido o apoio de alguns judeus apóstatas, a maioria deles resistiu à violência (Dn. 11.32). Muitos homens de Deus se levantaram contra aquele império, ensinando as Sagradas Escrituras (Dn. 11.33). Por causa do compromisso com a Palavra, alguns deles foram executados pelo império (Dn. 11.35). A política humana, quando centrada em determinadas pessoas, é capaz de destruir vidas inocentes. A Bíblia não respalda a obediência cega às autoridades, muito pelo contrário, devemos antes obedecer a Deus do que aos homens (At. 5.29). No caso dos cristãos, esses estão no mundo, mas não são do mundo (Jo. 15.17), por isso devem pagar impostos (Mt. 28.17-21), e respeitar as autoridades, com vistas à vivência coletiva (Rm. 13.1-7). Por isso devemos orar pelos governantes (I Tm. 2.1,2), obedecer às leis, considerando inclusive o direito de defesa (I Pe. 2.13). Retornando ao assunto de Antíoco Epifânio, após um momento de perseguição intensa contra os judeus, o sacerdote Matatias o resistiu, dando início a guerra dos Macabeus. A partir dos versículos 36 a 45 Daniel passa a retratar um governo satânico, o do próprio anticristo, que haverá de vir, do qual Antíoco Epifânio era apenas um tipo.

•3. O ANTICRISTO QUE HAVERÁ DE VIR
O anticristo que haverá de vir é comumente designado como escatológico, isso porque ele se manifestará no futuro. De acordo com o texto de Daniel, esse será um homem extremamente perverso (Dn. 11.36-39), totalmente dependente das suas forças políticas (Dn. 11.38,39). Como fez Antíoco Epifânio na antiguidade, o anticristo também perseguirá os israelitas, de forma sanguinária (Dn. 11.40-44). Por fim esse anticristo será derrotado (Dn. 11.45), sugerindo que o próprio Deus derrotará o anticristo (II Ts. 2.8). Esse anticristo escatológico é o homem da iniquidade de II Ts. 2.3,4. Conforme já estudamos em Dn. 9.27, no contexto das setenta semanas, o anticristo estabelecerá uma aliança com o povo de Israel, rompendo-a posteriormente. Esse episódio acontecerá no desdobramento da Tribulação, a respeito da qual se referiu Jesus, em Mt. 24.15, e por Paulo em II Ts. 2.3-12. O livro do Apocalipse descreve esse período, no qual haverá um governo tripartido, essa a razão do número 666, que significa número de homem três vezes (Ap. 13.5). Para João esse anticristo, cujo espírito já opera entre nós, é o mentiroso e a besta (I Jo. 2. 18-22; Ap. 13.1). Para Paulo ele é o homem da iniquidade (II Ts. 2.3), o iníquo (II Ts. 2.8), o filho da perdição (II Ts. 2.3). Para Jesus, esse homem é o abominável da desolação (Mt. 24.15-28). O prefixo anti é grego e significa oposto, por isso ele se colocará contra Cristo, e todos aqueles que O seguem. A origem desse anticristo é satânica (Ap. 13.2) e do mundo (Dn. 7.8). Mas seu governo não durará para sempre, pois a tríade satânica será lançado no fogo (Ap. 19.20), por ocasião da vinda de Cristo em glória (II Ts. 2.8).

•CONCLUSÃO


Antíoco Epifânio, e todos aqueles que governam se opondo a Deus, são anticristos. Todos eles prefiguram ou tipificam um reino futuro que será cruel e totalitário. Isso acontecerá por ocasião da septuagésima semana de Dn. 9. E coincide com os acontecimentos descritos por João no livro do Apocalipse. O governo do anticristo, e dos seus adeptos, passará, somente Deus governará para sempre. A destruição desse reino por Cristo é a segurança da igreja, que pode confiar no Deus que está no comando de todas as coisas. PENSE NISSO!

Deus é Fiel e Justo!