RÁDIO CRISTÃ - 24 HORAS NO AR! - Pedidos de Oração e-mail: teinho@teinho.com, WhatsApp: (75)98194-7808
   
 

JESUS ESCOLHE SEUS DISCÍPULOS


    

Textos: Lc.14.25-35

INTRODUÇÃO
O ensino é uma das principais tarefas da igreja cristã, para isso Jesus enviou Seus discípulos (Mt. 28.19,20). No estudo desta semana veremos que Jesus é o Modelo de Mestre, na verdade Ele é o Mestre dos mestres. Em seguida, destacaremos a realidade do discipulado, o chamado e a vocação para esse ministério. Ao final, ressaltaremos a missão dos discípulos de Jesus, que é prioritariamente, fazer novos discípulos de Cristo.

1. O MESTRE DOS MESTRES
Jesus, como reconheceu Nicodemos, foi um Mestre vindo da parte de Deus (Jo. 3.1). Por esse motivo Seus ensinos estão fundamentados na autoridade divina. Conforme Ele mesmo expressou, nEle se encontra a Verdade, a expressa revelação de Deus (Jo. 14.6). Por essa razão, as pessoas que O ouviam ensinar distinguiam a forma e o conteúdo, que se diferenciava daquela dos escribas da sua época (Mc. 1.22). O fundamento do ensinamento de Cristo era o serviço, Ele expressou em palavras e ações que veio para servir, não para ser servido (Mt. 20.29; Jo. 13). Existem muitas passagens bíblicas que identificam Jesus como pregador, mas na verdade Ele se destacou mais pelo ensino, não por acaso costumava ser chamado de Rabi (Jo. 3.2). Ele mesmo ressaltou Seu ministério de ensino (Jo. 13.13), os Seus seguidores eram identificados como alunos, o mais apropriadamente, discípulos (Mt. 5.2). O principal fundamento para o ensino de Jesus era as Escrituras, Ele apontava para os Escritos Sagrados como fonte de autoridade divina (Lc. 24.47). Como Mestre por excelência, Jesus conhecia o ser humano, Ele perscrutava a intimidade das pessoas (Mt. 9.4; 12.15). Essas características de Jesus, enquanto Mestre dos mestres, devem ser buscadas por todos aqueles que exercem o ministério do ensino na igreja. Não podemos esquecer que um dos dons ministeriais da igreja é o do mestre (Ef. 4.11), e aqueles que são vocacionados para tal devem demonstrar esmero (Rm. 12.7).

2. O CHAMADO AO DISCIPULADO
Jesus vocacionou algumas pessoas para permanecerem mais próximas dEle, a quem chamou de discípulos. É possível afirmar que existem os discípulos em sentido restrito, aqueles que foram vocacionados para uma missão mais específica, mais especificamente os doze. E os discípulos em sentido amplo, ou seja, todos aqueles que são chamados a ir após o Mestre. Em relação ao sentido restrito, os discípulos de Jesus foram chamados em momentos distintos, e de formas variadas. Jesus os chamou enquanto pregava e ensinava (Mc. 1.16-20), através da indicação de João Batista (Jo. 1.35-39), oferecimento pessoal (Lc. 9.57-62), desses Jesus compôs seu corpo de discípulos, os doze (Lc. 6.13-16). Para ser discípulo de Jesus seria preciso pagar um preço, o custo do discipulado implicava em custo. Jesus deixou claro que aqueles que quisessem ser Seu discípulo deveriam viver em renúncia (Mc. 16.24). Muitos queriam segui-Lo baseado na emoção, na empolgação do momento (Lc.14.25-27), sem atentar para a necessidade de carregar a cruz do discipulado. Isso ainda acontece nos dias atuais, muitos querem ser identificados como discípulos de Jesus, mas não se submetem aos ensinamentos dEle (Lc. 12.22-30). Ainda hoje, os verdadeiros discípulos de Jesus não fazem o que querem, mas o que o Senhor deseja que façam. Ser discípulo de Jesus significa viver a partir das declarações do Mestre, que se encontram reveladas nas páginas do evangelho. Há noções variadas a respeito de Jesus, a maioria delas distante do que expressa os evangelhos. Aqueles que querem conhecer Seu Mestre devem ler e reler os evangelhos, para compreenderem e viverem com base nos ensinamentos de Cristo (Jo. 15.14).

3. A MISSÃO DOS DISCÍPULOS
Os discípulos de Jesus têm uma missão a cumprir, a de propagar a mensagem do Reino de Deus (Mt. 4.23; Lc. 4.44). Viver a partir do Reino de Deus, e da sua justiça, deve ser o grande alvo de todo seguidor de Jesus (Mt. 6.33). Como seguidores de Cristo, não podemos mais adorar a nós mesmos, muito menos os valores do mundo, devemos viver para glória de Deus (Mt. 4.10). A ênfase no materialismo terreno, que é um dos principais valores da sociedade contemporânea, não é compatível com os valores do Reino de Deus (Mt. 6.20,21). A produção de frutos espirituais é o alvo principal daqueles que seguem após Cristo (Jo. 15.7-8). Isso se torna possível quando permanecemos nEle, quando ouvimos Suas palavras (Mt. 7.24,25), e nos dispomos a obedecê-la (Jo. 10.27; 14.23). O amor a Jesus acima de qualquer coisa, até mesmo de qualquer pessoa, é uma das características do verdadeiro discípulo (Mt. 10.37). A cruz do discipulado não pode ser desprezada, não existe um discípulo genuíno de Cristo sem cruz (Mt. 10.38,39). Alguns deles serão sacrificados por causa da sua disposição para segui-LO, mas como uma semente depositada na terra, gerarão muitos frutos (Jo. 12.24-25). O discipulado, como o próprio termo o determina, é uma vida constate de aprendizado, a fim de tomar o jugo de Jesus (Mt. 11.28-30). E finalmente, os discípulos de Jesus têm expectativas em relação ao futuro, eles não perdem a esperança mesmo nos momentos difíceis (Lc. 12.35-37).

CONCLUSÃO
Os discípulos de Jesus foram chamados para uma missão, a de proclamar e viver a partir dos valores do Reino de Deus. De igual modo, todos aqueles que seguem após Ele, devem viver com base nas palavras do Mestre. O custo do discipulado continua posto, os que quiserem segui-Lo devem continuar carregando a sua cruz, sobretudo negando a Si mesmo, submetendo-se ao senhorio de Cristo.