RÁDIO CRISTÃ - 24 HORAS NO AR! - Pedidos de Oração e-mail: teinho@teinho.com, WhatsApp: (75)98194-7808
   
 

A VIDA SEGUNDO O ESPÍRITO




Texto Áureo: Rm. 8.16  Leitura Bíblica: Rm. 8.1-17

INTRODUÇÃO
Em Gl. 5.17 Paulo nos dá um vislumbre do tema da santificação, que é abordado nos capítulos 7 e 8 de sua carta aos Romanos. Diz ele: “Porque a carne cobiça contra o Espírito, e o Espírito contra a carne; e estes opõem-se um ao outro, para que não façais o que quereis”. Na lição de hoje, trataremos a respeito da luta entre a carne e o Espírito, e mais especificamente, da santificação como resultado da atuação do Espírito na vida do crente.

 

I – A NATUREZA DA CARNE

1.1 Definição do termo

A palavra carne (sarx, em grego) apresenta diferentes significados dependendo dos contextos em que é utilizada. Nos escritos paulinos o termo carne se refere: 1) ao corpo físico/personalidade: “Já estou crucificado com Cristo; e vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim; e a vida que agora vivo na carne, vivo-a na fé do Filho de Deus, o qual me amou, e se entregou a si mesmo por mim” (Gl. 2.20); 2) a natureza humana pecaminosa: “Digo, porém: Andai em Espírito, e não cumprireis a concupiscência da carne (Gl. 5.16). Equivocadamente, alguns cristãos confundem esses dois significados e pensam que, o corpo, por si mesmo, é mal. Essa é, na verdade, uma deturpação do doutrina cristã proveniente do platonismo. Nesse sentido é preciso considerar o que escreveu o apóstolo aos crentes de Corinto: “Ou não sabeis que o vosso corpo é o templo do Espírito Santo, que habita em vós, proveniente de Deus, e que não sois de vós mesmos?”. Portanto, não se pode confundir “carne”, no sentido de corpo de “carne” no sentido de natureza pecaminosa.

 

1.2 Andar segundo a carne

Não é normal que o cristão continue andando segundo a carne. Em I Jo. 5.18, está escrito que “todo aquele que é nascido de Deus não peca” (I Jo.18). Uma tradução mais aproximada ao texto grego diria que “todo aquele que é nascido de Deus não vive pecando”, ou, parafraseando: “não se alegra em continuar na prática do pecado”. As obras da carne, conforme vemos em Gl. 5.19-21, são: “adultério, prostituição, impureza, lascívia, Idolatria, feitiçaria, inimizades, porfias, emulações, iras, pelejas, dissensões, heresias, Invejas, homicídios, bebedices, glutonarias”. Os que estão na carne, diz Paulo em Rm. 8.8, “não podem agradar a Deus”.

 

1.3 Andar segundo o Espírito

Essa verdade está muito bem explicitada em Rm. 8.5: “Porque os que são segundo a carne inclinam-se para as coisas da carne; mas os que são segundo o Espírito para as coisas do Espírito”. O homem carnal, distanciado de Deus, não consegue pensar em outra coisa, senão em satisfazer seus desejos carnais, sua propensão é para a carne, enquanto que o homem espiritual tende para as coisas espirituais, sua satisfação está em Deus, isto é, ele se alegra na produção do fruto do Espírito em sua vida (Gl. 5.22). Como filhos da luz, estamos decididos a fazer o que “é agradável ao Senhor” (Ef. 5.10). Essa é uma obra do Espírito, não do homem, pois é Ele, não nós, quem nos vivifica (Rm. 8.11).

 

II – A VERDADE SOBRE A SANTIFICAÇÃO

2.1 Definição de santificação
Santificação vem, literalmente, de ‘fazer santo’ ou ‘consagrar’, que, basicamente, vem de ‘separar’. Trata-se, assim, da separação daquilo que é profano e mundano. Por isso, o conceito bíblico de santificação implica em uma dedicação total a Deus a fim de cumprir os propósitos santos para os quais foi separado ao mesmo tempo em que reconhece o próprio Deus como o autor do processo de santificação. A meta para a santificação se encontra bem explicitada em I Ts. 5.23: “E o mesmo Deus de paz vos santifique em tudo; e todo o vosso espírito, e alma, e corpo, sejam plenamente conservados irrepreensíveis para a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo”
 
2.2 Aspectos da santificação
A santificação, conforme depreendemos de diversas passagens bíblicas, tem dois aspectos: posicional e experimental. Isto quer dizer que ela é tanto uma posição que o crente ocupa em relação a Deus e é também uma experiência constante na sua vida. A santificação posicional é uma mudança de posição pela qual um pecador é imputado como santo diante de Deus. A esse respeito vejamos o que escreveu Paulo em I Co. 1.30: “Mas vós sois dele, em Jesus Cristo, o qual para nós foi feito por Deus sabedoria, e justiça, e santificação, e redenção”. Em acréscimo a esse aspecto posicional da santificação podemos também ler I Co. 6.11: “E é o que alguns têm sido; mas haveis sido lavados, mas haveis sido santificados, mas haveis sido justificados em nome do Senhor Jesus, e pelo Espírito do nosso Deus”. No que tange ao aspecto progressivo ou experimental, temos vários textos, um dos mais conhecidos é Hb. 12.14: “Segui a paz com todos, e a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor” e Rm. 12.2: “E não sede conformados com este mundo, mas sede transformados pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus”. No aspecto posicional somos chamados de ‘santos’ enquanto que no aspecto progressivo somos chamados a ‘sermos santos’.

2.3 O meio para a santificação
A santificação, como já estudamos em lições anteriores, não é algo que se obtêm a partir da observância de um conjunto de regras exteriores previamente estabelecidas. A santificação é uma obra do Espírito Santo, considerando que: “se viverdes segundo a carne, morrereis; mas, se pelo Espírito mortificardes as obras do corpo, vivereis” (Rm. 8.13). Isso acontece quando o Espírito produz em nós o Seu fruto: “Mas o fruto do Espírito é: amor, gozo, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão, temperança. Contra estas coisas não há lei”. (Gl. 5.22,23). O propósito da santificação é, nesse sentido, fazer com que o crente continue a crescer e a progredir, tornando-o, cada vez mais, semelhante a Cristo. Como diz Paulo em II Co. 3.18: “Mas todos nós, com rosto descoberto, refletindo como um espelho a glória do Senhor, somos transformados de glória em glória na mesma imagem, como pelo Espírito do Senhor”.
 
CONCLUSÃO
O viver cristão é um andar contínuo no Espírito em total consagração (separação) para Deus. Essa é uma obra que não é por força nem por violência, mas pelo Espírito do Senhor (Zc. 4.6). A menos que nos deixemos guiar pelo Espírito, dificilmente seremos capazes de vencer a natureza adâmica. Uma motivação para viver essa santidade espiritual, diferente daquela proposta pelo legalismo, é o amor a Deus, primeiramente o amor de Deus, provado em Sua entrega a nós, mesmo que não mereçamos (Rm. 8.38,39).