RÁDIO CRISTÃ - 24 HORAS NO AR! - Pedidos de Oração e-mail: teinho@teinho.com, WhatsApp: (75)98194-7808
   
 

A IMPORTÂNCIA DOS DONS ESPIRITUAIS

Textos: I Co. 12.1 – I Co. 12.1-11.
e-mail: irmaoteinho@irmaoteinho.com
Twitter: cdkm

INTRODUÇÃO: O Movimento Pentecostal sempre defendeu a atualidade dos dons espirituais. Em I Co. 9, o apóstolo Paulo apresenta uma lista, ainda que não seja exaustiva, de dons espirituais. No estudo desta semana, veremos a respeito desses dons, a princípio, definindo o que são, em seguida, sua relação com o fruto do Espírito, e ao final, destacando seu propósito para igreja de Jesus Cristo em todos os tempos.

1. DEFINIÇÃO DE DONS ESPIRITUAIS: Em I Co 12, Paulo discorre a respeito dos dons espirituais disponíveis para a igreja. O Apóstolo não quer que os irmãos coríntios sejam ignorantes sobre os “pneumatikon”, dons espirituais em grego. Esse termo grego se refere aos assuntos espirituais de modo geral, não encontramos, especificamente nessas passagens, a palavra “dom”, no grego. As palavras gregas relacionadas aos dons espirituais são “charismata” e “pneumatikon”. A palavra grega “charisma”, plural de “charismata”, cuja base é “charis”, graça ocorre dezessete vezes no Novo Testamento, por isso, os dons espirituais são amplos, e envolvem inclusive a salvação (Rm. 6.23), e a própria disposição dada a Deus a alguns para não se casarem (I Co. 7.7). Como graça de Deus, os dons espirituais são concedidos não porque mereçamos, mas por que conforme a vontade do Espírito. Em I Co. 12, o apóstolo dos gentios utiliza esse termo cinco vezes, no versículo 4 quando discorre a respeito da “diversidade de dons”. Ainda que os termos gregos “charismata” e “pneumatikon” sejam usados como sinônimos, a ênfase é distinta, pois o primeiro diz respeito aos aspectos da graça na concessão dos dons, e o segundo, ao Espírito Santo como fonte dos dons espirituais. A esse respeito declara Paulo em I Co. 12.11 “Mas um só é o mesmo Espírito opera todas essas coisas, repartindo particularmente a cada um como quer”. Os dons espirituais não se restringem aos nove apresentados por Paulo em I Co. 12, pois em outras passagens correlatas, esse mesmo apóstolo amplia esse número. Em Rm. 12.6-8, Ele começa com a profecia, em I Co. 12.8-9, com a palavra da sabedoria. Além dos dons apresentados em I Co. 12, destacamos, base em Rm. 12.6.-8: administração, socorro, serviço, contribuição, direção e misericórdia. Em consonância com o texto bíblico do estudo, enfocaremos, neste estudo apenas “pneumatikon” destacados por Paulo em I Co. 12.

2. DONS E O FRUTO DO ESPÍRITO SANTO: Um dos objetivos da I Epístolas de Paulo aos Coríntios é esclarecer os irmãos a respeito do uso dos dons espirituais, principalmente sua relação com a genuína espiritualidade. A preocupação do Apóstolo é que os irmãos da igreja sejam equilibrados, tanto em relação aos dons (I Co. 12 e 14) quanto ao amor (I Co. 13), marco da verdadeira espiritualidade e que se correlaciona com Gl. 5.22, sobre o fruto do Espírito. O problema daquela igreja, e muitas atuais, era a ênfase exagerada que era dada aos dons espirituais em detrimento do fruto do Espírito. Não faltava entre eles nenhum dom espiritual (I Co. 1.4), enquanto aguardavam a manifestação de nosso Senhor Jesus Cristo. A igreja de hoje também deva buscar os dons espirituais e enquanto Jesus não retornar, eles estarão disponíveis (I Co. 1.7). Por outro lado, não pode desprezar a manifestação do fruto do Espírito. Uma igreja pode ser muito fervorosa no espírito, tal como a de Corinto, ter todos os dons espirituais, mas ser carente de espiritualidade, os cristãos permanecerem carnais (I Co. 3.1,3), viverem em partidarismos e dissensões, sem cultivar as virtudes do Espírito, que são produzidas em nós e conosco. A espiritualidade de uma igreja não é medida pelo patrimônio financeiro que essa dispõe, muito menos pela manifestação dos dons espirituais, mas pela espiritualidade, isto é, o amor, o caminho sobremodo excelente (I Co. 12.31). Alguns dons espirituais são manifestados repentinamente, outros são produzidos conosco ao longo da experiência cristã, enquanto que o fruto do Espírito é resultante da caminhada cristã, do andar no Espírito (Gl. 5.16).

3. O PROPÓSITO DOS DONS ESPIRITUAIS: Os dons espirituais são necessários à igreja cristã de todos os séculos, quanto mais auto-suficientes nos tornamos, menos ênfase damos ao sobrenatural de Deus. Algumas igrejas pretensamente pentecostais já não mais valorizam os dons espirituais, outras sequer os admitem. Sob a justificativa de “meninices”, já não há mais profecias nas igrejas, muitos menos quem interprete línguas estranhas, quando essas ainda são faladas. Conforme explica Paulo em I Co. 12.7 “mas a manifestação do Espírito é dada a cada um para o que for útil”. Portanto, existe utilidade na manifestação do Espírito na igreja. Isso porque tais dons visam a edificação e santificação da igreja (I Co. 12.7; 14.26). Por isso, os membros da igreja devem desejar e buscar os dons, não para vanglória, mas visando a edificação do corpo de Cristo (I Co. 12.31; 14.1). Os dons espirituais de I Co. 12.8-10 se destacam das outras categorias de dons, a de Rm. 12.6-8 pela instantaneidade. Os dons espirituais de Rm. 12.6-8 e os ministeriais de Ef. 4.11 têm um caráter mais permanente na igreja. Os dons espirituais de I Co. 12.8-10 são os seguintes: palavra de sabedoria, palavra do conhecimento, fé, curas, operação de milagres, profecia, discernimento de espíritos, variedades de línguas e interpretação de línguas. Alguns teólogos categorizam esses dois em três grupos: sabedoria: palavra de sabedoria, palavra do conhecimento e discernimento de espíritos; poder: fé, curas e operação de milagres; e elocução: profecia, variedade de línguas e interpretação de línguas.

CONCLUSÃO: Os dons espirituais continuam disponíveis à igreja cristã da atualidade. Há os que negam a operação do Espírito Santo através dos seus pneumatikon/charismata, inclusive entre os pentecostais. Precisamos despertar para a necessidade de incentivar os membros das igrejas jenuinamente cristã a buscarem os dons espirituais. Ao invés de reprovar a manifestação dos dons, é mais sábio instruir quanto ao uso apropriado deles, sem esquecer do caminho sobremodo excelente, o genuíno amor cristão (I Co. 13). PENSE NISSO!

Deus é Fiel e Justo!