RÁDIO CRISTÃ - 24 HORAS NO AR! - Pedidos de Oração e-mail: teinho@teinho.com, WhatsApp: (75)98194-7808
   
 

O PODER DA EVANGELIZAÇÃO NA FAMÍLIA


Texto Áureo At. 16.31 – Leitura Bíblica At. 16. 25-34



INTRODUÇÃO
A Igreja tem a missão de evangelizar Judeia, Samaria e até aos confins da terra (At. 1.8). Mas é importante não esquecer que também temos uma responsabilidade com nossas famílias. A aula de hoje versa a respeito da evangelização dos cônjuges, filhos e demais parentes, quando esses não são crentes. No início da aula trataremos a respeito da constituição da família cristã, em seguida encaminharemos estratégias sobre como ganhar nossos entes queridos para Cristo.

1. A FAMÍLIA QUE É CRISTÃ
A sociedade ocidental, e mais especificamente os cristãos, estão diante do desafio de apresentarem uma definição do que seja família e casamento. Isso porque o padrão de família normal, em conformidade com a Bíblia, está sendo cada vez mais questionada. A visão judaico-cristã de família, exarada nas Escrituras, está sendo substituída por valores pautados nos direitos humanos. A família cristã, no entanto, parte do pressuposto que a família é uma instituição divina, por conseguinte, Ele, e não os homens, devem determinar a partir de quais princípios a família deve ser estabelecida. A ideologia libertária, que predomina na sociedade, e respaldada pela mídia, propõe um conceito de família que supervaloriza a liberdade humana em detrimento da vontade de Deus. Não existe outro modelo bíblico, e mais especificamente cristão, para a família e o casamento, diferente daquele revelado por Deus. A partir de Gn. 1-3, compreendemos que: 1) o homem e a mulher foram criados à imagem de Deus para governar a terra para Deus; 2) o homem foi criado primeiro e incumbido da responsabilidade final pelo relacionamento conjugal, enquanto a mulher é colocada junto ao homem para ser sua ajudadora; e 3) a queda da humanidade no pecado implicou em consequências negativas tanto para o homem quanto para a mulher. Ao longo do tempo, a família se constituiu, dentro dos parâmetros bíblicos, a partir de um paradigma patriarcal, ou seja, o pai, no Antigo Pacto, era o senhor da família, de cunho heterossexual, isto é, macho e fêmea, e monogâmico, um homem para uma mulher, e vice-versa. Todo cristão deve investir nos valores cristãos em seu lar, e ao mesmo tempo, deve compreender que existe a possibilidade de um ou mais membros não partilharem da mesma fé.

2. QUANDO HÁ PESSOAS DESCRENTES NA FAMÍLIA
O modelo cristão para a família deve ser perseguido por todos aqueles que delas fazem parte. No entanto, devemos estar cientes que nem sempre esse desejo se realiza. Existem famílias que um dos cônjuges se converteu depois do casamento, e nesses casos, o convívio é respaldado pela Palavra de Deus (I Co. 7.12-14). Com sabedoria, principalmente com o genuíno amor cristão, o cônjuge deve ser testemunha do evangelho de Cristo (EF. 5.25). É possível também que os filhos não sejam crentes, por isso os pais também devem investir para que esses tenham o conhecimento da Palavra. É preciso ressaltar que o fato de a família ter pessoas não crentes não faz com que essa deixe de ser uma família. Os crentes não devem se envergonhar por ter um membro da família não-crente. É importante ensinar as crianças a andarem no caminho desde cedo, a fim de que eles não venham a se desviar dele (Pv. 22.6). Esse, porém, é um princípio geral, e não pode ser aplicado indistintamente. Evidentemente, se uma criança é ensinada na Palavra, as chances dessa se desviar são bem menores. Há outro esclarecimento necessário, o texto bíblico de At. 16.25-34 é uma narrativa lucana, que expressa o ocorrido em Filipos. O versículo 31 “crê no Senhor Jesus e serás salvo tu e tua casa” é uma constatação de Paulo para o carcereiro daquela cidade. Qualquer cristão pode orar pela conversão de um membro da família, mas isso não garante que esse tomará sua decisão, pois Deus não obriga ninguém a crer no evangelho. A apropriação desse versículo como se fosse uma promessa não tem respaldo interpretativo, e pode resultar em frustração, caso um dos membros da família não venha a tomar sua decisão por Cristo.

3. COMO GANHAR OS ENTES QUERIDOS PARA CRISTO
Os membros crentes da família devem conduzir seus entes com amor, para que esses venham a perceber a singeleza do evangelho de Cristo. Essa não é uma tarefa fácil, e pode resultar em ansiedade por aqueles que estão imbuídos dessa responsabilidade. Em relação aos filhos, é importante que desde cedo eles sejam ensinados a viver a partir da Palavra de Deus. Isso é necessário porque os filhos dos evangélicos também precisam ter a experiência do novo nascimento (Jo. 3.3). Os pais cristãos devem investir na formação cristã dos seus filhos. Para isso devem dar-lhes uma Bíblia, para que desde cedo amem a Palavra de Deus. Outros recursos também estão disponíveis no mercado evangélico, que favorecem a evangelização, filmes e jogos bíblicos cumprem um papel importante para esse fim. Levá-los a Escola Bíblica Dominical tem tido resultado eficaz no processo de evangelização dos filhos. Os pais que não apenas enviem os filhos para a EBD, mas que também a frequentam com eles, contribuindo, assim, para o desenvolvimento de uma consciência cristã desde cedo. Em relação à evangelização de cônjuges descrentes, é preciso fazer um esclarecimento: jovens solteiros não podem correr o risco de namorem com pessoas descrentes, sob a justificativa de evangelizá-los, pois isso se constitui em jugo desigual (II Co. 6.14). Estamos tratando aqui de casos em que alguém casado se converteu, e o seu cônjuge não tomou sua decisão pelo evangelho. O cônjuge que não é cristão pode ser alcançado através de demonstrações de afeto, e de cumprimento das responsabilidades e deveres conjugais (I Co. 7.15; I Pe. 3.7). Há cônjuges que após a conversão deixam de dar a devida atenção ao enlace conjugal. Os maridos devem atentar para as necessidades da sua esposa, e esta, por sua vez, deve estar ciente das suas responsabilidades conjugais (I Pe. 3.1-6).

CONCLUSÃO
Devemos reconhecer que existem famílias cristãs compostas por algumas pessoas que não partilham da mesma fé. Cabe a igreja compreender aqueles que estão trabalhando para evangelizá-los. E ajuda-los em oração, para que esses tenham a oportunidade de tomar sua decisão por Cristo. Os membros da família que estão evangelizando seus entes queridos não crentes devem ter paciência. Devem agir também com sabedoria, e tal como Noé, levarão seus familiares para a arca, que é um símbolo de Cristo.