RÁDIO CRISTÃ - 24 HORAS NO AR! - Pedidos de Oração e-mail: teinho@teinho.com, WhatsApp: (75)98194-7808
   
 

O CULTIVO DAS RELAÇÕES INTERPESSOAIS

Texto Áureo: Rm. 16.27  Leitura Bíblica: Rm. 16.27

INTRODUÇÃO
A sociedade contemporânea está marcada pelo individualismo, parafraseando um provérbio popular, tem sido “cada um por si e o diabo contra todos”. Na aula de hoje, a conclusão da Epístola aos Romanos, nos voltaremos para a importância do cultivo das relações interpessoais na igreja. Inicialmente, destacaremos os perigos às relações iniciais no âmbito eclesiástico. E ao final, apontaremos orientações bíblicas com vistas ao investimento nas relações interpessoais da igreja.

I – AS RELAÇÕES INTERPESSOAIS

As conclusões das Epístolas de Paulo, dentre elas a de Romanos, identificamos a preocupação do Apóstolo com as relações interpessoais na igreja cristã. No capítulo 16 nos deparamos com uma longa lista de pessoas engajadas no ministério de Paulo. As palavras graciosas do Apóstolo revelam o cuidado que esse tinha com as pessoas da comunidade de fé. Essa atitude deve inspirar os crentes contemporâneos, sobretudo os líderes eclesiásticos, para não se esquecerem que estão lidando com pessoas, não apenas com coisas. Há pastores que se preocupam demasiadamente com os templos, mas não atentam para as pessoas que estão dentro dele. É importante ressaltar que as pessoas são mais importantes que as coisas, até mesmo que os rituais religiosos. Esse foi o pecado daqueles religiosos que desmereceram o homem jogado à beira do caminho, na parábola do Samaritano, contada por Jesus (Lc. 10.25-37). Uma das características principais do cristianismo deve ser a inclusão. A igreja em Roma era formada por crentes judeus e gentios, homens e mulheres, e todos foram instados por Paulo a viverem em união, mesmo com suas diferenças (Rm. 16.1,2). As mulheres tiveram papel importante no ministério de Paulo, ele destaca a atuação da irmã Febe, uma das servas do Senhor no Corpo de Cristo. Como demonstra Lucas em sua narrativa, as mulheres também foram importantes no ministério de Jesus, principalmente para o sustento financeiro (Lc. 8.3). Priscila, que não por acaso seu nome é citado antes do nome do esposo, foi uma mulher dedicada ao ministério (At. 18.2,18,26; I Co. 16.19; II Tm. 4.19).

II – PERIGOS ÀS RELAÇÕES INTERPESSOAIS

A igreja deve ser um ambiente para o envolvimento pessoal, por isso somos chamados de irmãos e irmãs. Fazemos parte da família de Deus, por isso devemos nos tratar como membros de uma irmandade. Por causa do individualismo predominante na sociedade contemporânea, muitas igrejas locais estão sendo solapadas. Os crentes não se envolvem uns com os outros, eles têm receio de mostrar suas limitações, sobretudo a normalidade. Há congregações em que as pessoas não se envolvem, elas se reúnem durante a celebração do culto, mas depois não sabem mais quem são. Esse individualismo reflete também no descaso em relação às necessidades dos outros, quando alguém não consegue ter o suficiente, pode até ser julgado por não ter se esforçado o suficiente. Esse cristianismo, influenciado pela filosofia neocapitalista, está adoecendo não apenas a sociedade, mas também as igrejas. A koinonia está em perigo, como no tempo dos judaizantes, cada um olha para seu umbigo, ou como diz o ditado, “puxa a brasa para sua sardinha”. O partidarismo está sendo normalizado na igreja, tendo também a política como fonte de intrigas e interesses. Como nos tempos de Paulo, há os “que promovem dissensões e escândalos contra a doutrina que aprendestes” (Rm. 16.17). Naqueles tempos havia duas filosofias que estavam se infiltrando dentro das igrejas. O legalismo, que proibia tudo, e buscava orientar os crentes para as práticas judaicas; e o gnosticismo, que era permissivo, incitando os crentes ao antinomismo. O objetivo da igreja é glorificar a Deus (Rm. 11.36), para tanto os crentes devem aprender a conviver, a se aceitarem em suas diferenças, mas sem fazer concessões com a verdade do evangelho. 

III – O CULTIVO DAS RELAÇÕES INTERPESSOAIS
O cultivo das relações interpessoais é fundamental para o crescimento, principalmente o espiritual da igreja. Para tanto, cada crente precisa passar por um processo de autoconhecimento, a fim de identificar suas falhas, fraquezas e imperfeições (Rm. 12.3). Isso é possível por meio de uma experiência cotidiana com o Senhor (Hb. 4.14-16), demonstrando sinceridade diante dEle (II Co. 3.17-18), na busca constante pela maturidade espiritual (Rm. 8.29; I Pe. 1.23-25). Esse é o princípio para perdoar os outros, e ser ministro da reconciliação (Ef. 4.1-6), mantendo a unidade do Espírito, pelo vínculo da paz. Deus perdoou a todos nós, e nos tratou com Sua graça maravilhosa. De igual modo, devemos perdoar uns aos outros (Cl. 3.13), e fundamentar nossos relacionamentos em humildade, seguindo o modelo de Cristo (Fp. 2.6). Os crentes da igreja de Jerusalém aprenderam essa lição desde cedo, pois todos os que criam estavam unidos, e tinham tudo em comum (At. 2.44). Isso somente acontecia porque os crentes sabiam o que era o amor-agape, a base do relacionamento fraternal (Rm. 12.10). Eles também se respeitavam, sobretudo os mais jovens em relação aos mais velhos, em especial os que exerciam liderança (Rm. 13.7; I Ts. 5.12,13). Viver em paz, exercitando graça e misericórdia, deve ser o alvo de todo cristão (Rm. 12.18; 14.19; II Co. 13.11). É interessante observar que Jesus sempre tinha compaixão das pessoas, ou para usar uma expressão mais contemporânea, ele “se colocava no lugar do outro” (Mc. 8.2). O mundo não sabe, mais precisa ansiosamente da igreja, pois essa, se souber a que veio, poderá fazer toda a diferença. Por outro lado, devemos permanecer alerta, para não nos deixar contagiar pela doença do individualismo, que está se naturalizando na sociedade, inclusive na igreja.

CONCLUSÃO
Fomos chamados por Deus para viver em comunhão – koinonia – e essa deve ser continuamente experimentada pela igreja. Para isso precisamos aprender a conviver com as diferenças, e a nos aceitar como um em Cristo. Precisamos, sempre que possível, criar oportunidades na igreja, a fim de cultivar os relacionamentos interpessoais. Não podemos ser apenas assistentes de cultos, mas pessoas engajadas, envolvidas umas com as outras, assumindo a posição de membros do mesmo corpo, o de Cristo (Rm. 12.4,5; I Co. 12.27).